sábado, 7 de janeiro de 2017

As contas consolidadas do Sporting


Foram ontem divulgadas as contas consolidadas do Sporting, referentes à época de 2015/16. Bruno de Carvalho fez um post no Facebook em que faz um balanço geral da evolução registada no universo Sporting desde o início do mandato, que pode ser lido aqui:



Não vou entrar em detalhes porque a maior parte dos pontos relevantes já foram abordados na análise às contas da SAD. Há, no entanto, algumas observações que gostaria de fazer, quer sobre especificidades que é necessário levar em consideração quando falamos em contas consolidadas, quer sobre os argumentos apresentados por Bruno de Carvalho.

  • Para quem não sabe o que são contas consolidadas, vou tentar dar uma breve explicação. Basicamente, agregam as contas de todas as empresas do grupo (no caso do Sporting, há o clube, a SAD, a SGPS, a Fundação, a Sporting Multimédia, a Sporting Seguros, empreendimentos imobiliários, entre outras), expurgando tudo o que são movimentos contabilísticos realizados entre elas. É normal que as empresas de um qualquer grupo empresarial tenham relações entre si. Por exemplo: o Sporting (clube) cede à SAD os direitos de superfície do Estádio de Alvalade, pelos quais a SAD paga um determinado valor anual. Por causa dessa transação comercial, as contas individuais de clube e SAD devem refletir uma determinada receita (clube) e custo (SAD). No entanto, as contas consolidadas do grupo Sporting ignoram a transação por completo, por ter sido feita entre duas entidades que fazem parte do grupo. Por que é importante apresentar contas consolidadas? Porque, por absurdo, é possível - se for essa a decisão de quem manda num grupo empresarial -, que se empurrem, através de operações de maquilhagem contabilística, custos para umas empresas e se mantenha o fillet mignon noutras. Se isso acontecesse, algumas das empresas pareceriam (artificialmente) mais saudáveis, enquanto outras teriam resultados (artificialmente) mais assustadores. Umas contas consolidadas, ao ignorarem todas essas transações intra-grupo, acabam por mostrar a imagem global da saúde (ou falta dela) financeira do conjunto, sem as tais operações de maquilhagem. Não eliminam totalmente o risco de maquilhagem contabilística, mas são uma imagem mais completa e fiável do estado geral do grupo.
  • Da série "transparência": o Sporting, ao contrário do Benfica, está a disponibilizar as suas contas para consulta pública. Ao contrário do que se diz por aí, o Benfica não fez o mesmo. Apenas as revelou ao Expresso, que publicou um quadro muito resumido. Também foi o Sporting a única das SAD's a optar pela apresentação de contas trimestrais, enquanto Benfica e Porto não as publicaram. 
  • O estado geral das contas consolidadas do Sporting é mais preocupante que o da SAD. Apesar de o grosso da atividade do universo Sporting se concentrar agora na SAD - o futebol e o estádio -, existe um lastro pesado relativo às restantes empresas, que afeta negativamente as contas consolidadas. Por exemplo: a 30 de junho de 2016, a SAD devia 132 milhões de euros em empréstimos bancários e obrigacionistas; o restante grupo, apesar de ter um peso reduzido na atividade global, deve 80 milhões adicionais à banca.
  • Independentemente disso, os progressos assinalados por Bruno de Carvalho, registados ao longo do seu mandato, são indesmentíveis. Apesar de a saúde das contas do grupo ser precária, encontra-se bastante melhor do que há quatro anos. De destacar "forte a redução dos passivos totais consolidados que passam de €442,7M em Junho 2013 para €355,0M em Junho 2016 (redução de €87,7M)", com forte influência da redução conseguida na dívida bancária.
  • Como é evidente, a emissão das VMOCs tiveram um peso substancial nesta redução. No entanto, falamos de valores que nunca mais serão dívida, pelo que é inútil continuar a somá-las ao passivo. As VMOCs serão um dia convertidas em capital, que aumentará a posição dos bancos na SAD. O Sporting poderá recomprar uma pequena parte, no entanto, por um montante nunca superior ao seu valor nominal (mas que poderá ser inferior, conforme a variação da cotação das ações).
  • Os valores dos ativos, ao longo destes quatro anos, subiram marginalmente. Mas como referiu (e bem) Bruno de Carvalho, uma SAD que aposta na formação é particularmente penalizada na avaliação contabilística dos seus jogadores. Um jogador da formação como Rui Patrício, William, Adrien, Gelson ou Rúben Semedo valem perto de 0, do ponto de vista das contas. Para além disso, há que realçar a evolução na questão da propriedade de passes de jogadores. Há quatro anos, com a elevada dispersão de percentagens de passes por fundos de investimento, empresários e outros parceiros, a SAD não valorizava os seus jogadores unicamente para si (a regra era a SAD ter entre 30% a 70% dos passes). Hoje, o Sporting detém a totalidade dos passes da maior parte dos seus atletas, garantindo o grosso dos proveitos em qualquer venda que se faça.

  • As contas consolidadas ontem apresentadas não incluem ainda as vendas de João Mário e Slimani. Previsivelmente, a situação do grupo melhorará significativamente em 2016/17. Independentemente disso, ainda há um longo caminho a percorrer até o Sporting ter contas efetivamente saudáveis. Mas, como também escreveu Bruno de Carvalho, está no rumo certo.

  • Qual é o mérito desta evolução, considerando que o passivo se reduziu sobretudo à custa de VMOCs, e que os ativos se mantêm inalterados? Os ativos estão explicados no ponto anterior. As VMOCs são uma parte do acordo de reestruturação financeira assinado por esta direção, que conseguiu aliviar significativamente o peso da dívida, a troco de contrapartidas muito exigentes, mas de execução viável. Não se deve subestimar a dificuldade de se inverter uma espiral desastrosa - receitas a encolher, custos a disparar, situação desportiva a piorar - para a atual situação, em que já se consegue vislumbrar a luz ao fundo do túnel. Continuando o rigor nas contas e havendo uma política desportiva acertada, os frutos do trabalho realizado até agora começarão a ser progressivamente mais visíveis nos anos que se seguirão. E, com isso, as contas do grupo irão melhorando ao mesmo ritmo.

31 comentários :

  1. Mestre, ao evidenciar o essencial, ao apresentar umas explicações "para loiras", com a sua simplicidade habitual, acabou de deixar o 'carnide "ventura" eagle' e o 'carnide by GayrraB' de calças na mão, e com uma cabeça deste |...............................| tamanho...

    Coitados...

    ResponderEliminar
  2. temos os direitos económicos sobre os jogadores praticamente a 100% na sad, estão valorizados e não estamos obrigados a vender. É isso que importa.

    Outros clubes não escrevem a quem verdadeiramente pertecem os direitos dos jogadores em caso de venda mas colocam valorizações empoladas de ativos. Ainda agora estão praí a negociar direitos de venda com clubes terceiros antes da venda propriamente dita, coisa que nunca reconheceram nos RCs.

    ResponderEliminar
  3. Na minha modesta opinião, mais do que a estrondosa melhoria no desempenho desportivo global, este desempenho financeiro é que vai garantir a vitória ao BdC nas próximas eleições. É por isso que assistimos às campanhas das máquinas de propaganda a tentar demonstrar que o Sporting está muito pior financeiramente.
    Acredito que BdC e sua Direcção não são nenhuns génios da finança, nem as anteriores anteriores direcções eram compostas por naboa. A diferença é que as anteriores direcções achavam que estavam a fazer um favor ao Sporting, as suas agendas particulares estavam primeiro do que o clube. Com BdC isso mudou, agora o clube está primeiro, a agenda do BdC é o SCP.

    ResponderEliminar
  4. Mais uma vez muito bom Mdc.
    Tud explicado de forma simples.
    Sao optimas noticias a reducao do passivo em perto de 90 ME. Ha, no entanto, ainda um longo caminho a percorrer mas estamos no rumo certo e, ainda nao estao contabilizadas as vendas de Joao Mario e Slimani.
    Teremos o melhor resultado de sempre da nossa SAD em perspectiva Mdc?
    Sinto me orgulhoso em sermos um clube transparente!
    Forca SCP!

    ResponderEliminar
  5. "Continuando o rigor nas contas e havendo uma política desportiva acertada"pois o contrário desta época !...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O rombo não é tão grande como pensas. Só o Dost e o ARuiz näo foram sacos de caramelos.

      Eliminar
  6. Mestre,

    Excelente resumo apontando o essencial do trabalho feito do ponto de vista financeiro.

    Bruno de Carvalho colhe parte significativa dos louros, mas por trás de todo este trabalho está Carlos Vieira e todos os que ajudaram até agora nesta recuperação.

    Se o Sporting não se tornou no Glasgow Rangers português deve-se ao trabalho, ENORME, desta Direcção do ponto de vista financeiro.

    Agora há que manter o rumo a evitar desvarios como o que vimos esta época.
    Importa comprar bem e apenas para as posições carenciadas.
    Importa continuar a apostar na prata de casa pois é essa a génese do Sporting e é isso que nos traz lucro.

    Se o treinador não estiver satisfeito com as condições oferecidas e meios disponibilizados, tem a porta de saída aberta no final da época.
    SL

    ResponderEliminar
  7. Estarei mto errado em dizer que com a entrada em vigor do contrato com a NOS a situação das contas melhora substancialmente?

    ResponderEliminar
  8. obviamente que são assuntos importantes para não só a estabilidade do clube, como para avaliação do trabalho de uma direcção.
    Mas, pessoalmente, não entendo qual o interesse destas guerras de r&c que há entre blogs (como houve agora com aquele blog benfiquista que nunca acerta uma, mas é sempre citado).

    Desde que o prejuizo não saia do meu bolso...

    ResponderEliminar
  9. Apostam na formação? O Sporting no plantel atual, com menos de 23 anos, tem apenas o Semedo e o Gelson Martins.
    Pior está o Benfica que tem praticamente um plantel sub 23, e é lhes dado um valor que é muito maior daquele dado ao do Sporting.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o Sporting aposta na formação.

      E a formação do Venfique não vale nada. Btw, estarem lá seis meses não é da formação. Comprar jovens já feitos näo é formação, assim como contratar paletes de sub-20 estrangeiros e espalhar no futsal também näo é apostar no jogador português.

      O chico-espertismo näo é trabalho, é aldrabice. Vai apanhar caracóis para a autoestrada.

      Eliminar
    2. Ó lampião burro, o Matheus e o Palhinha também não têm menos de 23 anos?

      E mais: sabes com quantos jogadores "formados" na Caixa do Seixal jogaste ontem?

      Eu ajudo: ZERO, ZERINHO, NESTUM, NENHUM (e apenas 3 portugueses, Nelson Semedo, Almeida e Pizzi)!

      E sabes com quantos joga sempre o Sporting (mesmo com o Patrício e o Semedo lesionados)?

      Eu ajudo: CINCO (Beto, Esgaio, William, Adrien e Gelson), ou seja, meia equipa.

      Dediquem-se à vossa especialidade, ou seja, roubar, corromper, e manipular.

      Eliminar
    3. Meu Deus...
      Es mesmo burro JoJo... nem te deste ao trabalho de ir verificar a equipa do Sporting?!

      O que vale é que existe o JFM ou o Corine para te fazerem ver a realidade que existe para alem da porta 18!

      Eliminar
  10. Acho curioso como o Mestre consegue escrever isto como se fosse algo insignificante. heheh

    "As VMOCs serão um dia convertidas em capital, que aumentará a posição dos bancos na SAD."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. até parece que o vieira já não vendeu a sad ao bes... e que não está a vender a sad na china como fez o jorge mendes com a gestifute.

      se não sabes, informa-te.

      Eliminar
    2. JF, na tua perspicácia deves achar que melhor seria em lugar de vmocs ter um empréstimos obrigacionista e no vencimento obviamente faz-se outro um pouco maior de forma a pagar os juros e continua-se nisso ad eternum..., certo?

      A reestruturação, com a conversão de passivo em vmocs, foi uma operação brilhante, tendo obviamente "contrariedades" com por exemplo a obrigação de ter uma gestão controlado e a criação de reservas que permita amortizar a divida bancaria, mas tendo notorias benesses como por exemplo um prazo até para arranjar 44M que permitam manter uma percentagem superior a 50% na SAD.

      Será que a redução da divida bancaria, que consequência da reestruturação já se iniciou com o cativo de parte das mais valias em determinadas transacções não irá permitir que na altura certa, exista o capital necessário para os 44M, quanto mais não seja nessa altura podem fazer um empréstimo obrigacionista dado que os que existem nesta altura já estarão todos liquidados. Ainda mais importante, admitindo que até nem se arranja capital, sabes que as acções actuais do clube na SAD tem privilégios, assim uma coisita com por exemplo a PT em tempos teve que se chamava "golden share"

      Mas ainda mais importante sabias, que se o Clube quisesse neste momento, com 31M comprava a tal opção que detém sobre as vmocs que foram avaliada em 44M, assim um negocio que de um momento para outro pode ser feito e se fosse agora gerava uma mais valia de 13M.

      O que devias analisar e pensar, é nas razões porque o v/ clube não se disponibiliza para uma reestruturação, eu tenho a minha opinião sobre isso, mas não a divulgo... hehehe

      Eliminar
    3. António Fonseca, e que interesse teriam (têm) os bancos num acordo como o que você descreve? Bancos esses que, recordo, são bancos intervencionados com dinheiros públicos.
      O acordo que o sr. aí descreve é um acordo ruinoso para os bancos nele envolvidos. Não recebem juros, não recebem capital, e no fim arriscam-se a ficar na posso de accções que praticamente não possuem valor.

      Alguém me consegue explicar o interesse dos bancos nesse acordo?

      Eliminar
    4. MSilva, essa é de resposta muito fácil.
      Em primeiro lugar se não houvesse acordo de reestruturação, os bancos perdiam praticamente tudo e recordo que neste momento a divida bancaria é superior a 200M.
      Esta divida começa já a ser paga com o cativo que é feito em determinadas transacções, como por exemplo vendas de jogadores acima dos 8M e parte dos prémios de participações europeias. Por outro lado a exigência de uma gestão controlada, sob pena de denuncia do acordo, será bem mais confortável para os bancos em termos de probabilidades de recuperar os empréstimos. Como disse, o acordo não foram só benesses, neste momento as entidades bancarias tem expectativas mais elevadas de recuperar os empréstimos no Sporting do que os empréstimos concedidos ao Porto e Benfica, não sei se já reparou, estes clubes pagam os juros mas nenhum deles está a pagar divida, antes pelo contrario continuam a aumentar.
      Tenho a certeza que os bancos não se importavam nadinha de ter um acordo de reestruturação com o Benfica e Porto, apenas não é feito porque os seus dirigentes não querem os bancos a intrometerem-se na gestão.

      Até 2026, os bancos poderão recuperar os 200M + Juros da divida actual mais eventualmente 44m em Vmocs, e ainda ficam com mais de 80M em vmocs que poderão negociar, será que uma SAD com passivo controlado não terá valor para um investidor. Ao contrario do que diz, se o acordo de reestruturação continuar a ser cumprido, as vmocs em 2026 poderão valer muito mais do 1 euro cada.

      Os bancos intervencionados com dinheiros públicos, tiveram e tem todo o interesse na reestruturação, não tem é interesse em manter as situações de empréstimos noutros clubes, é certo que recebem juros, mas continuam a aumentar os empréstimos, em parte utilizados para pagar esses juros e não tem qualquer perspectiva realista de recuperar o capital.

      Eliminar
    5. Obrigado pela resposta.

      Em primeiro lugar, não concordo que os bancos se arriscavam a perder tudo. O Sporting continua a ter activos, e, em última instância, poderia sempre liquidar os seus activos (jogadores e terrenos, principalmente) para pagar a dívida bancária.

      Em segundo lugar, e segundo o que diz, o que o Sporting fez foi basicamente dizer: "Ou nos dão benesses, ou não vos pagamos". Não me parece propriamente a melhor forma de actuar.

      Quanto à gestão controlada: o que define uma gestão controlada? É que eu não a vejo no Sporting. Nos últimos 2 anos duplicou a massa salarial; tem um dos treinadores mais bem pagos do mundo; treinador esse que no 1º ano não se conseguiu apurar para a CL, e no segundo ficou em último na fase de grupos (prejudicando, e muito, a vertente financeira); os gastos nas modalidades extra-futebol dispararam. Por isso, volto a perguntar: o que define essa gestão controlada, e como pode ser identificada no Sporting?

      Quando ao Porto não posso falar, pois não conheço a situação em pormenor. Mas o que diz em relação ao Benfica não corresponde à verdade. Se consultar os últimos R&C (os últimos quatro ou cinco exercícios), verificará que a dívida bancária global tem vindo a ser substituída por empréstimos obrigacionistas (com taxa mais baixa), ou seja, não só os juros são pagos integralmente como também tem sido pago capital. Para além do mais, nunca foi falhado um único prazo de pagamento, seja de juro seja de capital.
      Por isso, quando diz "neste momento as entidades bancarias tem expectativas mais elevadas de recuperar os empréstimos no Sporting do que os empréstimos concedidos ao Porto e Benfica", isso não corresponde à verdade (pelo menos no caso do Benfica), pois os bancos não têm qualquer razão para duvidar de um cliente que sempre cumpriu os prazos estabelecidos.

      Quando às VMOC's: recordo-lhe que o prazo original era Jan/2016. Mais uma vez, e sem que eu consiga descortinar qualquer vantagem para os bancos, estes resolveram conceder ao Sporting mais 10 anos para decidir o que fazer (se pagar, se converter). Porquê? Não sei.
      Recordar ainda que as VMOC's apenas pagam juro se a Sporting SAD der lucro, e esse juro pago nunca poderá ser superior ao lucro gerado pela SAD.

      Quanto ao valor das acções: mais uma vez discordo de si. Nenhuma entidade com reais perspectivas de realizar lucro terá interesse em qualquer das SAD's em Portugal. Simplesmente não é algo lucrativo, pois a SAD's não estão montadas para darem lucros aos seus accionistas. Se (quando) os bancos tomarem posse das acções da Sporting SAD, tenho poucoas dúvidas que encararão isso como um problema e não como uma oportunidade de lucro. E isto aplicar-se-ia a qualquer SAD em Portugal, não é específico do Sporting.


      Para terminar, agradecer mais uma vez a resposta.

      Eliminar
    6. Ah, e outra coisa que me esqueci de referir: uma entidade que não consegue cumprir as suas obrigações consegue uma taxa de juro de 3,5% (primeiro) e 4% (depois), taxa essa que, ainda por cima, apenas é paga se essa mesma entidade der lucro?
      Não lhe parece uma taxa anormalmente baixa?

      Eliminar
  11. Mais uma vez o QI baixinho a comentar e a dizer merda...

    Sim , apostam na formação.
    Ou por terem mais de 23 anos não são da formação?
    Terá o Sporting de despachar todos os que tenham mais de 23 para dizer que aposta na formação?

    Ora se já contaste dois, podes também juntar-lhe Palhinha que está de regresso.
    A esse juntas Patrício, Esgaio, Adrien e William.
    Riquicho poderá ser outra hipótese, mas para já fiquemo-nos por 7 da formação no plantel e muitos outros a rodar para poderem um dia voltar.

    Querias que o Sporting tivesse quantos jogadores da formação no plantel para se pode dizer que aposta na formação?

    É com estes factos que fizemos de Portugal Campeão Europeu, coisa pouca.
    É com este trabalho que fizemos de João Mário a maior venda de sempre de um jogador português a jogar em Portugal.

    QI baixinho como sempre...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma pergunta muito rápida: o Nani é da formação do Sporting?
      Pergunto isto porque sempre vi muitos sportinguistas a elevar o Nani como um dos expoentes máximos da formação do Sporting. No entanto, não deixa de ser curioso o facto dessas mesmas pessoas dizerem, sem reservas, que o Lindelof não é da formação do Benfica. Curioso porquê? Bom, curioso porque ambos chegaram aos respectivos clubes com sensivelmente a mesma idade (o Nani era cerca de 6 meses mais novo).

      Eliminar
  12. Como andam por aqui alguns benfiquistas que se deliciam com as analise feitas no NGB e porque por lá não publicam os meus comentários, peçam ao guru das analises que explique o seguinte:

    - Porque insiste em misturar os métodos de consolidação? Qualquer básico em contabilidade sabe que a equivalência patrimonial apenas se processa em termos de capitais iniciais e nos anos subsequentes vai-se actualizando o valor da participação de acordo com os resultados. Quando os capitais ficam negativos na participada, o investimento fica a valer zero na participante. Isto é muito básico, o método de equivalência patrimonial não se aplica aos activos e nos passivos, apenas se aplica nos capitais e por isso é que existe o método de consolidação integral, este sim, é que permite uma consolidação total dos activos, passivos e capitais. Foi isto que o Sporting fez e disponibilizou ao publico, mas atenção quando aplicas este método tal como o MdC acima informa devem ser expurgadas as operações entre as empresas consolidadas.
    Julgo que o guru das analises sabe disto, mas o ódio ao Sporting e a BdC é tanto que da-lhe jeito fingir que não sabe, se não for odio terá então de ser sede de protagonismo mas com suporte numa enorme ignorância da plateia.

    Outro coisa que ele finge não saber, as Vmocs nunca serão um passivo do Sporting, obrigatoriamente serão capital em 2026, quer sejam compradas pelo clube ou por outro qualquer investidos ou mesmo que fiquem nos bancos caso não haja compradores. No máximo, poderia ser considerado passivo, a parte em que existe opção de compra de forma a garantir ao clube mais de 50%, que são 44M, mas mesmo que na altura não seja exercida a opção, o controle da SAD pelo clube seria sempre suportada pela, vamos chamar-lhe "golden share".

    Como disse anteriormente, as analises desse senhor, ou resultam de ódio, necessidade de protagonismo e são mesmo fruto de uma enorme ignorância.

    Mais em cima em resposta ao JF podem ler mais uns comentários que faço em avaliação desta situação e que sobretudo os benfiquistas deveriam reflectir nem que seja um bocadinho.

    ResponderEliminar
  13. MdC, desculpe voltar ao assunto, mas deixe colocar aqui uma definição do método de equivalência patrimonial que retirei de um manual escolar, pode ser que um dos entusiastas que aqui andam o leve e posso permitir ao analista do NGB melhorar os conhecimentos de contabilidade:

    - Este método corresponde à substituição no balanço da empresa-mãe do
    valor contabilístico da participação pelo valor proporcional que lhe
    corresponde do Capital Próprio da empresa participante.

    - Não se trata propriamente dum verdadeiro procedimento de
    consolidação, mas sim de um processo de substituição do valor
    (histórico) da participação financeira pelo valor contabilístico da
    empresa detida.

    In: Manual do 1º ano de Contabilidade II da Licenciatura em Economia da Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

    ResponderEliminar
  14. JF Lampião. O MdC escreveu isso de forma calma porque converter vmocs em capital a favor dos bancos não significa "maioria da SAD a favor dos bancos". Havendo aumento de capital e o SCP terá direito a comprar uma parte o que lhe vai permitir manter controlo da SAD. É isso que BdC quer e sabe. O resto, vindo de vocês, são balelas.

    ResponderEliminar
  15. Saúde financeira invejável!
    Importa então perguntar, se FCP e Benfica também tivessem o o perdão dado pelo Ricciardi e pelo Sobrinho com as VMOCs ("..falamos de valores que nunca mais serão dívida") qual seria a redução no passivo que estes clubes teriam?
    Bom almoço de domingo para todos,mas para os sportinguistas cuidado com a digestão das entradas que levam presunto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diz-me, por favor, que não és tão bruto de miolos como o que acabaste de descrever...

      Eliminar
    2. O único perdão foi concedido pela Manela e não foi ao Sporting.
      Bom almoço de Segunda-Feira e cuidado com a digestão das entradas que levam tomates.

      Eliminar
    3. tu es o professor do charlie grown nao és!?

      escreves, escreves, escreves mas nao transmites ideia nenhuma...

      Eliminar
  16. Nisto tudo o que me tem preocupado nos últimos tempos é o aumento do peso da massa salarial do futebol - sobretudo quando resulta de jogadores cuja rentabilidade financeira andará perto do zero (Campbell e Markovic) - e desportiva também ainda está longe de se ver (Elias).
    Estas apostas parecem-me um pouco tresloucadas, e procupam-me por vários motivos: primeiro - como disse, nada de retorno financeiro ou desportivo; e apesar do residual valor desportivo, estão a tapar lugares a jogadores que poderiam ser valorizados. Neste momento Markovic tem mais minutos jogados que Matheus Pereira.

    ResponderEliminar