quinta-feira, 30 de março de 2017

A entrevista a Bruno de Carvalho

Critiquei, em setembro do ano passado, o formato escolhido pela TVI para entrevistar Luís Filipe Vieira. Ontem, a TVI replicou a fórmula para entrevistar Bruno de Carvalho. Dividida em duas partes, a entrevista começou com um punhado de perguntas que se centraram, sobretudo, na questão do castigo de Bruno Carvalho. A meio, foi interrompida por uma longa peça sobre a história pessoal do presidente do Sporting. Depois, prosseguiu na TVI24 com a presença de três sportinguistas a partilharem o papel de entrevistadores com José Alberto Carvalho: José de Pina, Dias Ferreira e José Eduardo.

Há uma diferença fundamental entre a entrevista de Bruno de Carvalho e Luís Filipe Vieira. É que enquanto o presidente benfiquista dá poucas entrevistas e raramente sai da sua zona de conforto, Bruno de Carvalho não pode ser acusado de défice de escrutínio: dá entrevistas frequentes a jornais, rádios e televisões - sejam do clube, independentes, ou abertamente hostis. E, considerando que a campanha eleitoral do Sporting decorreu até há menos de um mês, não havia muitos motivos de interesse para esta entrevista que não fosse a reação do presidente ao castigo que lhe foi imposto pelo Conselho de Disciplina.

Nesse tema, Bruno de Carvalho argumentou bem: demonstrou o absurdo que é a pena de 113 dias face ao que foi dito por si sobre o ex-presidente do CA, apontou algumas omissões estranhas do acórdão - nomeadamente a ausência de justificação de como o CD chegou àquele número de dias de castigo - e, o mais interessante de tudo, deixou a entender que está para muito breve o regresso de Vítor Pereira ao futebol - não especificando nem o futuro cargo nem o empregador.

No geral, não houve muito sumo para se tirar da entrevista, que foi demasiado longa para a quantidade de temas de interesse que havia para explorar. Foi escusada a insistência de José Alberto Carvalho - que não está suficientemente por dentro para fazer entrevistas sobre futebol - em explorar a promessa de Bruno de Carvalho em ser campeão pelo menos duas vezes neste mandato, e os comentários e perguntas dos três convidados sportinguistas não acrescentaram grande coisa ao programa - reconheça-se que a tarefa era difícil, porque, conforme escrevi mais atrás, não há muito que se possa perguntar ao presidente do Sporting menos de um mês após um processo eleitoral que foi bastante longo.

A entrevista a Luís Filipe Vieira em setembro foi uma oportunidade perdida. A entrevista a Bruno de Carvalho só não é uma oportunidade perdida porque não existiam grandes temas para explorar para além do castigo. Fica confirmado que o formato é completamente avesso a uma dinâmica interessante, pois acaba por ser uma extensão dos inúmeros programas de comentário que são transmitidos semanalmente. Não se aproveita o tempo do entrevistado para ir a assuntos efetivamente delicados, e desperdiça-se o tempo de quem está a vê-la. 

22 comentários :

  1. Fraquinha fraquinha, esperava mais ! não gostei do estilo lambe-botas do José Eduardo, não há necessidade, e fica-lhe mal....

    ResponderEliminar
  2. Um simples Talkshow em tons de verde.. para distrair o rebanho.

    Alguém explique ao Pina que se o SCP jogar com melhores jogadores arrisca-se a ser Campeão.

    E o sr Azevedo de Carvalho que pare lá de tentar deturpar a verdade dos factos. Em Tavira em 2013, quem insultou e enxovalhou no jogo de andebol foram os verdes, não os azuis!!
    Quem 1º se meteu e ofendeu com o FCP e com PdC para ganhar votos foi o próprio, himself sr Azevedo de Carvalho.

    ResponderEliminar
  3. Bom dia. Creio ser a primeira vez que discordo da sua opinião, caro MdC.
    Globalmente acho que foi uma boa entrevista, a reportagem terá dado uma boa imagem de BdC enquanto cidadão. Concordo com o pouco à vontade de JAC no domínio do futebol.
    BdC deu-se bem com a presença dos três convidados, de que destaco a intervenção inicial de Dias Ferreira, o "quadradinho" do Pina. De JE gostei de "os campeonatos não se ganham por decreto" e só. Em meu entender, ganhou o Sporting.
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, jmfigueiredo, aquela peça pode ajudar a compor a imagem de BdC, mas eu, enquanto sportinguista atento, dispenso este tipo de artifícios. O que me interessa é o que BdC faz na qualidade de presidente do Sporting e nada mais.

      Eliminar
  4. Aquele formato é patético, nem a Sporting TV faria uma coisa assim. É como o Mestre diz, espremidinho deu pouco, só talvez o "aviso" sobre Vítor Pereira e o papel do Conselho Leonino, para além, claro, do escalpelizar do castigo do benfica. Bom, sobram também aquelas alusões ao bordel espanhol que é o mundo das "amizades" no futebol.

    Dos outros três presentes: Dias Ferreira é um marreta, mas um bom marreta, algo doente, mas um bom doente. O Pina foi o único que quis puxar alguma coisa de novo e que não tratou o BdC por "o Bruno", que é algo que se devia evitar, já basta os pasquineiros que parece que andaram todos com "o Bruno" ao colo e lhe mudaram as fraldas, numa falta de respeito pessoal e institucional que é daquelas merdas que... só connosco.
    Já o José Eduardo, cada vez que o oiço, fico a gostar menos dele. É convencido, é algo burro, ou muito burro, ainda não decidi, e anda para ali a esparvejar-se à espera que lhe caia uma encomenda de croquetes qualquer. É daqueles gajos chatos do bitatite que a gente lá se esforça para que sejam nossos amigos, mas que não deixam de ser chatos.
    Acho que nesta entrevista não foi BdC que esteve mal, pelo contrário, mas os outros, a começar pela TVI, eh pá...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me apercebi da forma como os três sportinguistas trataram BdC, mas se assim foi, concordo com a forma como o Pina o fez. Mesmo que sejam amigos, em público deve haver alguma deferência de trato - nada de exagerado, mas apenas "o Bruno" fica mal.

      Eliminar
  5. Gostei da parte onde o Bruno de Carvalho disse que nunca criticou o trabalho dos árbitros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó Hugo Gil, por estas bandas?!
      Vou fazer algo que os seus professores já o deviam ter feito, é ensinar a ler.
      Vamos lá interpretar dois excertos:

      "Inacreditável... A pressão aos árbitros já mete nojo! Querem provocar o pânico aos árbitros nos jogos que arbitram do Sporting e ainda passar a mensagem que os jogadores do Sporting têm de estar a ser sempre punidos. Vítor Pereira já não perdeu só o bom senso a nomear, já perdeu toda a noção do ridículo!".

      Está a acompanhar? Então vou-lhe dar mais um texto para ler:

      “Tem sido evidente, não posso deixar de salientar, a falta de critério e bom senso em muitas nomeações este ano, nunca sendo de atribuir a culpa aos árbitros porque estes apenas são nomeados.”

      Sr. Iletrado, diga-me lá por favor, onde é que o Sr. Bruno de Carvalho critica o trabalho dos árbitros?

      Esta questão ainda é mais fácil do que 1-1 é igual a ...

      Eliminar
    2. Pelo menos nunca ameaçou os árbitros com seis milhões de "adeptos"!

      Sao diferenças...

      ...vive, ou aprende a viver com elas!

      Eliminar
  6. Sou sincero, cada vez tenho menos paciência para estas entrevistas, programas de comentário desportivo, análises de castigos, bate-bocas, polémicas, queixinhas...

    E lamento também o palco mediático que é dado a Pinas, José Eduardos, Pedros Guerras, Manuel Serrão, Gomes da Silva e outros que tais. Até a Visão, revista que leio semanalmente, faz a capa desta semana com estas personagens. Lamentável.

    Domingo lá estarei em Alvalade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais.. Entrevista completamente desnecessária..

      Eliminar
  7. Gramei o Pina a constactar um problema, uma coisa estranha e absolutamente específica, no futebol de 11 seniores masculino do SCP...

    ResponderEliminar
  8. O problema é que sem comunicação social, sem polémicas, os blogs pouco ou nenhum interesse têm. Veja-se este post, por exemplo. Artista queria sangue! Não o teve. Ficou isto :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheh, não, de facto não foi material para click-baiting. :)

      Eliminar
    2. Concordo. Nem eu estou a ver por onde pegar nesta entrevista tão insossa nas minhas crónicas de escárnio e maldizer. Só se for pela irritante voz do homem.

      Eliminar
    3. Concordo Jorgen, a tua contribuição enviesada pelas contradições no mundo dos blogs nao acrescenta nada, pois num blog dizes sim sobre um tema e noutro dizes nao sobre o mesmíssimo tema, ou seja anulas a tua própria opiniao!

      Eliminar
  9. Concordo Mestre. Muito pouco sumo. Não foi tanto uma entrevista (essa durou 10m), foi mais uma conversa. O mais enigmático, a questão sobre Vitor Pereira voltar ao palco novamente. Ou talvez nunca tenha saído. A ver vamos.

    ResponderEliminar
  10. A parte mais interessante e produtiva como sempre foi menosprezada pela imprensa..refiro me ao que o Pina disse,do SCP consigar ganhar em tudo menos no futebol senior.Nenhuma CS explora a questão.Porquê?
    Acho que se quisermos mudar as coisas temos que ir ao fundo da questão.Qual o interesse da CS em que haja corrupção no futebol?Porque protege o sistema?etc etc
    O que se passou o ano passado foi evidente demais,até chegaram a castigar o nosso médico!O Slimani foi perseguido pela CS e os jogadores do slb passaram de fininho.. Tudo interligado,tudo feito ás claras com a CS a por muita "maquilhagem" e a omitir,alem de mentir inclusivé.
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "O Slimani foi perseguido pela CS" - c'um raio, o homem não fez nada para que a CS o perseguisse!
      Os jihadistas também são perseguidos pela CS sem razão, eles só se querem fazer explodir, não têm culpa que outros cidadãos estejam por perto.

      Eliminar
    2. Assim como quem vende droga no estádio da luz nao tem culpa que a maioria venfiquista seja consumidora de tais substancias.

      Eliminar
  11. Afinal sempre existe algo a dizer sobre a insossa entrevista do Bruno.
    Sai mais um processo disciplinar. O homem não consegue fechar aquela matraca.
    Qualquer dia, o ano não tem dias suficientes para as suspensões aplicadas, se bem que este processo até eu concordo que é ridículo.

    ResponderEliminar