segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Ataque VARdíaco

Aquilo que, ao fim de 11 minutos, parecia que ir ser um jogo sem história, acabou por se transformar, de certa forma, num dos mais fascinantes jogos da era VAR. O argumento usado pelos opositores à implementação do videoárbitro em como iria tirar emoção ao futebol acabou de cair por terra com estrondo: querem maior montanha russa de emoções do que aquele que se viveu no final de tarde de ontem em Alvalade? 

Tudo isto por causa dos dois golos anulados perto do fim da partida: no espaço de poucos minutos, o sportinguista passou da angústia para a euforia, da euforia de novo para angústia, depois para o desespero e, finalmente, quando tudo parecia perdido, para a alegria final. Ah, e a isto junta-se um pequeno pormenor: a verdade desportiva foi assegurada e venceu quem tinha que vencer.





Entrada atordoante - na etapa final de uma desgastante sequência de cinco jogos, o Sporting entrou em campo com a sábia intenção de resolver o jogo tão cedo quanto possível. Não podia ter passado das ideias aos atos de melhor forma: primeiro, com um cruzamento de Acuña a atravessar a área e a encontrar Gelson, que não perdoou frente a Moreira; depois, através de mais um missil teleguiado de Bruno Fernandes, de livre direto. Deveria ter sido uma entrada a matar, mas, por culpa própria, foi apenas uma entrada a atordoar: a (má) gestão de jogo feita posteriormente permitiu ao Estoril ter oportunidade para se reerguer e disputar uma partida que deveria estar mais que fechada.

O golo de Bruno Fernandes - palavras para quê, quando o podemos rever as vezes que quisermos?


Ataque VARdíaco - os últimos minutos da partida não podiam ter sido mais intensos e testaram ao limite a saúde cardiovascular de quem assistia ao jogo. Aos 92', numa altura em que o Estoril procurava o golo do empate, Piccini encontrou a linha de fundo e centrou para Dost, que colocou a bola na baliza. Alvalade explode num misto de alegria e alívio, mas prematuramente: Piccini estava fora-de-jogo e o VAR deu indicações para se anular o golo. Regressam os nervos ao estádio e à equipa. O relógio vai passando, mas demasiado devagar, e apenas dois minutos mais tarde, a 22 segundos do fim dos 4 minutos de descontos dados por Luís Godinho, o Estoril volta a meter a bola na baliza de Rui Patrício, perante a incrudelidade dos mais de 45 mil sportinguistas presentes. Um filme que, infelizmente, já foi muitas vezes visto, mas que desta vez, no entanto, não acabou em tragédia: Pedro Monteiro estava em posição irregular e Alvalade festeja a decisão do VAR e, pouco depois, a conquista dos três pontos. Sabendo como as coisas têm tendência a funcionar, fossem outros os tempos, é bem possível que os sportinguistas saíssem do estádio a lamentar-se de dois pontos perdidos.

A demonstração de liderança de Mathieu - já tinha acontecido contra o V. Setúbal, e voltou a acontecer ontem: numa altura em que a equipa parecia adormecida e se começava a pôr a jeito para a desgraça, Mathieu decidiu dar o exemplo, fazendo questão de levar a bola para a frente. Uma atitude taticamente pouco prudente, mas que era necessária. Uma demonstração de liderança que foi o ponto alto de mais uma exibição sólida do francês.

A exibição de Battaglia - o todo-o-terreno do meio-campo do Sporting voltou a marcar pontos, com mais uma bela partida. Não tanto por aquilo que deu à equipa quando o adversário tentou atacar - e onde se tem destacado no início de época -, mas sobretudo pelo aumento de confiança demonstrado quando está em tarefas de construção: está cada vez mais à vontade na criação de desequilíbrios com passes verticais - em oposição à sua imagem de marca, que é avançar no terreno com a bola nos pés. Tem é que refrear a forma demasiado intensa com que às vezes disputa so lances. Com a entrada de Petrovic subiu um pouco no terreno e começou a aparecer mais vezes junto à área - que também é aquilo que se pede de um 8. Não teve momentos tão geniais como Acuña, Gelson ou Bruno Fernandes, mas no conjunto dos 90 minutos foi o mais consistente da equipa. Para mim, o melhor em campo.



A equipa a pôr-se a jeito - notou-se perfeitamente que os minutos finais foram um suplício para muitos jogadores. Acuña, Bruno Fernandes e Gelson estavam esgotados, Coentrão já tinha sido substituído, e havia muito pouco esclarecimento por parte da equipa em geral. Compreensível, considerando o desgastante ciclo que a equipa teve que suportar, mas dispensável, porque o Sporting entrou em gestão de resultado demasiado cedo e abdicou de matar em definitivo o jogo quando o adversário estava nas cordas. 2-0 é um resultado aparentemente seguro, mas que está à distância de apenas uma falha individual ou um momento de inspiração alheia para se tornar perigosíssimo. E foi isso que aconteceu: o Sporting controlou bem o Estoril... até ao momento em que Lucas Evangelista disparou um tiro indefensável do meio da rua. De um momento para o outro, o jogo mudou... e por pouco não acabou da pior forma possível. Há que dizer, também, que Jesus mexeu mal na equipa: Bruno César e Petrovic não acrescentaram grande coisa - a não ser pernas frescas - e não se compreende que tenha guardado a 3ª substituição para os descontos.




MVP: Rodrigo Battaglia



Nota artística (1 a 5): 2


Arbitragem: Bom trabalho da equipa de Luís Godinho (considerando que o VAR faz parte da sua equipa e está lá para corrigir alguns dos erros que acontecem). Coerente no critério disciplinar, quer nos cartões que mostrou, quer nos cartões que não mostrou numa fase inicial. Dúvidas apenas num possível penálti sobre Dost.



Final feliz para um ciclo intenso e em que muito estava em jogo: qualificação para a Liga dos Campeões, quatro vitórias nas quatro primeiras jornadas, com 10 golos marcados e 1 sofrido. Ao contrário das últimas épocas, a equipa não se ressentiu demasiado dos compromissos europeus - quantas vezes concedemos pontos nas jornadas que antecediam ou se sucediam às competições da UEFA? Bom começo de época, e vê-se potencial neste conjunto de jogadores para, gradualmente, as coisas irem melhorando ainda mais.

24 comentários :

  1. há apenas um apontamento sobre o Mathieu (que eu também achei que esteve geralmente muito bem).
    a jogada do golo anulado ao Estoril começa com o Mathieu a subir feito parvo para pressionar no meio-campo e, quando falha essa pressão e o Estoril mete a bola na frente, caiu precisamente no local onde ele faltava por ainda não ter recuperado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tb reparei nisso, na altura fiquei todo contente "eheh lá vai o Mathieu roubar + uma e soltar lg pró ataque"... Ele é que é o culpado, já subiu umas 3x pelo flanco 'com sucesso', fez-me acreditar que ia repetir

      Eliminar
    2. Mathieu sai a pressionar porque no golo do estoril ninguém saiu

      Eliminar
  2. Os dois ultimos foras de jogo assinalados recorreram ao VAR? Deu a ideia que o do Estoril foi imediato e o do Sporting foi rápido também. Em foras de jogo o àrbitro nao vai á televisãozinha?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, se lhe garantem que está fora de jogo, o arbitro pode aceitar logo a decisão do VAR. E eles falam com ele e descrevem o que aconteceu...

      Eliminar
    2. No golo anulado ao Estoril, porquê o recurso ao VAR?
      Os estorilistas estão adiantados 1 metro e, para ser mais claro, está lá a linha da área a separá-los do 1º defesa do Sporting.

      É um lance que não deixa dúvidas a quem assiste ao jogo -mas fez muito bem o assistente em recorrer ao VAR... se foi de dúvida o seu problema.

      Eliminar
  3. Fui com os meus filhos e o mais novo adormeceu. Como ele estava a dormir, para fugir à confusão decido sair mais cedo. Quando me levanto para sair, marca o Estoril o 2-1. Fico com calafrios mas decido sair à mesma. "Bolas, não hão-de empatar" penso eu.
    Quando estou a entrar na estação de metro, oiço gritar GOLOOO!! Bom, com tanto barulho foi de certeza o 3-1, fiquei mais tranquilo. Ponho-me a actualizar o Livescore e... nada. Não mudava do 2-1. Já dentro do metro, muda... mas para 2-2! Depressão total. Vou ao twitter confirmar e vejo o tweet do Marcelo "Empata o Estoril". Vinha a falar com o passageiro sentado ao meu lado, que também tinha saído mais cedo e mostro-lhe o resultado.
    Enquanto ele dizia "Inacreditável, em casa é sempre a mesma coisa", eu dizia "Quando os outros perdem pontos, nunca aproveitamos". "Nem a ganhar 2-0 aos 10 minutos" dizíamos ambos.
    Volto a mexer no telemóvel para ver se percebia como tinha acontecido a desgraça e... 2-1!! Digo eu ao meu novo amigo sportinguista e aos meus filhos "Calma! 2-1!". Vou ao twiter ver se leio alguma explicação, "O VAR anula o golo bem, estava fora de jogo". Grande alegria no metro, suspiros de alívio. Ser Sportinguista não é fácil.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carrossel de emoções, no estádio ainda foi mais vincado. Muita cadeira partida para no final o golo ser, bem, anulado. Mas custou ver uma equipa que vence 2-0 aos 11m e atropela totalmente o adversário em cerca de metade da 1ª parte e outra metade da 2ª deixar-se a jeito destes "azares" que tendencionalmente só nos acontecem a nós.

      Eliminar
    2. Eheheh, diziam "eles" que o VAR retirava a emoção...

      SL

      Eliminar
    3. É verdade Tiago. Senti o mesmo, mas não achas-te estranho que perante situações semelhantes, as Apps tiveram comportamentos tão distintos?
      A minha "Primeira Liga" quando o Sporting marcou e o golo foi prontamente invalidado, nem deu um suspiro; NADA!
      Quando o Estoril marcou e foi prontamente invalidado ... a App deu sinal de Golo. Só para termos uma ideia do facciosismo de quem está a fazer a actualização destes resultados.
      Já agora aproveito para dar outra ... e quanto aos comentadeiros da SporTV? Cada vez que o Sporting marca e sofre? Inclusivamente nas competições Europeias? Mete nojo.
      Forca Sporting.

      Eliminar
    4. Sempre me fez confusão as pessoas que saem mais cedo do jogo. Ontem vi muita gente a sair com o jogo 2:1. Eu não era capaz, mas não sofremos todos da mesma maneira, é verdade. Eu tb levo os meus filhos pequenos à bola e já me adormeceram (ambos) ao colo.
      E mesmo quando estamos a perder, há que acreditar, sempre! Lembrem-se da ultima taça que ganhámos.

      Eliminar
    5. Não é fácil e é previsível que só não sofremos quando estamos a vencer por 4 ou 5 já que mesmo por 3...

      Eliminar
  4. Mestre, eu tenho a CERTEZA ABSOLUTA que sem VAR tínhamos saído de Alvalade com o empate... como tenho sempre dito em relação a esta tecnologia, o gamanço vai continuar a existir, querendo... mas aí terão que se comprometer... já não será o erro... será uma decisão ponderada e com recurso a todos o meios... o VAR no fds não se quis comprometer...

    PS - li por aí que quem anulou o golo do Bas Dost foi logo o fiscal de linha... e que quem anulou o golo do Estoril foi o VAR... em lances muito semelhantes, talvez até mais fácil no caso do golo do Estoril... se assim foi, parece-me "sintomático"...

    ResponderEliminar
  5. Quebra física notória. Poderia ter havido maior rotação, mas é verdade que sem Adrien e William (e Jonathan e Podence) não restavam grandes alternativas para a equipa titular. Talvez o Doumbia em vez do Dost, que ontem esteve um pouco desligado. O facto de Battaglia e Bruno terem visto amarelo, principalmente o primeiro, ajudou a que o nosso meio-campo ficasse mais macio. Ainda assim, o Estoril não teve grandes oportunidades, mas aquele golaço permitiu que eles acreditassem. Venham os próximos!

    ResponderEliminar
  6. Bom dia Mestre.

    É caso para dizer "meu querido mês de agosto" e isto porque quando soubemos da calendarização dos jogos tinhamos uma agenda completamente lotada e uma qualificação para a fase de grupos da Champions que era muitíssimo importante. Saímos da primeira paragem para o campeonato com a folha limpa 4 jogos 4 vitorias com um parcial de 10-1 e uma deslocação sempre complicada a Guimarães, resolvida com uma manita! Quanto à Champions, os astros alinharam-se para sermos cabeças de serie e para defrontarmos uma das equipas teoricamente mais acessível.

    100% de concretização dos objetivos para este mês sempre a abrir, quem diria!

    Até este momento o SCP teve mais dificuldades nos jogos em Alvalade, foi assim com o vitória, com o Steua e agora com o Estoril. Não porque a equipa não tenha volume de jogo ofensivo mas sim por falta de finalização de jogadas que têm de ser concretizadas. Ontem por exemplo Bas tem 2 claras oportunidades em frente ao guarda redes e nenhuma concretizou... Ao não matarmos os jogos em casa sujeitamo-nos a calafrios desnecessários.

    A equipa ontem mais cedo ou mais tarde dava o estoiro físico devido ao volume de jogos acumulados tivemos muitas ocasiões para matar o jogo no 3-0 baixamos em demasia o ritmo do jogo e começamos a dar ilusões ao Estoril (tem muito boa equipa). O VAR o que nos tirou voltou a devolver e foi feita a VERDADE DESPORTIVA que noutros lados isso não conta para nada... Interessa sim ganhar nem que seja com entradas a pes juntos ou à cotovelada! Aí o VAR não assiste ninguém é um mundo à parte para quem joga de vermelho!

    ResponderEliminar
  7. Outra nota: comparar o burburinho pós-decisões polémicas do VAR, versus o que teria sido (independentemente do maior ou menor acerto das decisões) na Era "pré", é um exercício que me fascina. É caso para dizer que, salvo alguns eventuais grunhos extremos, até para civilizar esta tecnologia serve! ��

    ResponderEliminar
  8. Em jeito de mini balanço, não pode deixar de ser curioso que estejamos quase semana após semana a elogiar o VAR nos nossos jogos.
    Em épocas anteriores já tínhamos sofrido rombos enormes na nossa ambição e estaríamos já para trás na classificação, com todas as implicações desportivas que isso traria a uma longa época.

    Apenas falta que o VAR acerte o passo nos jogos dos treta campeões, coisa que pelos vistos nunca irá acontecer...

    ResponderEliminar
  9. Esta estrategia de gerir os jogos ainda na primeira parte tem de acabar.. E mau de mais,a equipa perde-se em campo,falta de descernimento e grave falhas de concentracao.. Ja provamos deste veneno vezes sem conta.. Outra coisa JJ tem de parar com a mania de colocar Bruno Cesar a lateral esquerdo e mau muito mau.. No lance do golo permite o cruzamento,a pressao que faz e sempre muito afastado do adversario.. Mais vale recuar acuna que tem rotinas nessa posicao e defende muito melhor ou mesmo Mathieu.. Agora o Bruno e que nao..

    ResponderEliminar
  10. Enquanto a mentalidade não mudar, não ganhamos nada!
    Aquela hora de bocejo irritou-me profundamente, por já estar demasiado escaldado de cenas destas... são muitos anos a virar frangos.
    Também gostei da atitude do Mathieu, a tentar impor algum ritmo, mesmo que com riscos... alguém tinha que agitar aquele marasmo.
    Há algum tempo que não tínhamos um central tão bom, classe e atitude.
    O Acuna também não engana, bem como o Coentrão e o Bruno Fernandes.
    Foi o 1º jogo que pude ir ver este ano e acho que temos melhor equipa que o ano passado... o Picini esteve muito bem, depois de tudo o que li sobre ele, estava preparado para o pior... afinal, encheu o flanco todo durante 90m e acho que bem!
    Parece-me haver base para uma boa época, caso o William e o Adrien se mantenham, com mais um central... se algum ou ambos saírem, com substitutos à altura.
    Mas recordo o desespero que era jogar o ano passado sem o Adrien vs. o que vemos esta época... mais e melhores opções.
    O VAR também é uma clara melhoria para preservar a verdade desportiva, pelo menos nos nossos jogos... pena não funcionar nos jogos dos "Vouchers, missas, emails e cartilhas".
    Mas, voltando ao inicio, se a atitude não melhorar, não vai chegar... comentava no fim do jogo com outro leão escaldado que para baixar o ritmo é preciso saber fazê-lo... e nesse aspecto o fifica ainda é mais forte do que nós, consegue manter uma pressão mais eficaz e ser mais intenso do que o fomos ontem.
    SL
    Lanterna Verde

    ResponderEliminar
  11. Hoje não há comentários dos aziados do carnide?

    ResponderEliminar
  12. A evolução do Battaglia desde os jogos de pré época até ontem: enorme e fantástico!

    Alan Ruiz: não consigo gostar do homem. Lento e parado. Tens bons pés, bom toque, alguns bons passes, mas não tem velocidade nenhuma. Neste sistema de JJ e com os outros 10 "esgotados", AR deveria ter sido um suporte, mas ao invés foi um a menos.

    Se ficarmos sem Adrien e WC, apesar de termos um bom 11, temos um plantel curto com fracas opções de banco.

    Sem VAR, e tinhamos à 4a jornada o 1º roubo da época. Para não falar na maozinha em Vila do Conde.

    ResponderEliminar
  13. Mestre, diga-me, pf:
    fez ou mandou fazer algum tipo de fumigação aqui no site?
    padres, sacristães e cartilhados estarão reunidos em seminário, para anunciar as novidades comerciais de Inverno e Primavera e como "vestir" Eliseu de anjinho?
    OU
    o peixe do mar de V.Conde sabia a fénico e provocou-lhes uma azia tal que ainda perdura?

    Os ares do site estão tão limpos e asseados...

    ResponderEliminar
  14. De facto, com o VAR os estádios de futebol (ou os adeptos) deviam vir equipados com fraldas e desfribilhadores

    ResponderEliminar
  15. A grande diferença desta ressaca europeia para as últimas épocas Chama-se VAR.

    Esta teima em fazer que a ressaca europeia é um problema do Sporting irrita-me.
    Praticamente todas as equipas os sentem.
    Umas mais outras menos.
    Obviamente, isto è um feeling e uma observação pouco trabalhada.
    Seria interessante ver os jogos e resultados (e exibições) de das equipas após embates europeus.
    Ter um grande banco facilita a Ressaca mas ela está lá.

    O infalível carnide não sofre ressacas do mesmo modo que o pizzas e o eleédeus e o feijoca e o samarras não vêem amarelos ou vermelhos.

    ResponderEliminar