quinta-feira, 19 de setembro de 2013

O espírito da lei

Há uma nova polémica a rodear o Sporting. Mais propriamente o Sporting B.

As equipas do Sporting, a principal e a B, jogaram ambas no passado dia 15 (frente ao Olhanense e ao Santa Clara, respetivamente), uma realidade que viola o estabelecido no regulamento de competições da Liga, mais especificamente o ponto 2 do artigo 13.º: “Os jogos das equipas B não podem ter lugar no mesmo dia de calendário da equipa principal.”
in record.pt

Confesso que não estou nada preocupado. No ano passado o Porto jogou na Taça da Liga com alguns jogadores que tinham jogado menos de 72 horas antes pela equipa B (71 horas e 45 minutos para ser exato). A penalização prevista era a eliminação da Taça da Liga, que como todos sabemos, nunca veio a acontecer.

Do ponto de vista moral, é evidente que o Porto nunca poderia ser penalizado. Ainda por cima a marcação dos jogos passa pela Liga, e cabe a esta garantir que os regulamentos estão a ser cumpridos.

Apesar da letra da lei ter sido violada, o Porto não fez nada contra o espírito da lei, que é proteger jogadores de forma a não jogarem mais que uma vez num curto espaço de tempo. Aliás, foi muito curioso ouvir os paineleiros do Porto a defenderem o espírito da lei, quando têm passado uma vida inteira a denegrir escutas que só não foram consideradas legítimas em tribunal devido a questões técnicas. O espírito da lei que anulou as escutas não se aplicava ao Porto. O espírito da lei serve para proteger escutas abusivas a cidadãos inocentes.

Qualquer dirigente, paineleiro ou adepto do Porto devia lavar os dentes, passar fio dental e bochechar durante 3 minutos um copo cheio de Listerine antes de pronunciar as palavras "espírito" e "lei" na mesma frase.


Mas enfim, estou a desviar-me do assunto do post. Como disse, não estou preocupado. Os senhores que julgam estes casos mostraram-se flexíveis com o Porto porque moralmente o clube tinha a razão do seu lado. Como é evidente, não me passa pela cabeça um tratamento diferente para o Sporting.

Sem comentários :

Enviar um comentário