segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Tem a palavra o Sindicato dos Jornalistas

Senhores jornalistas, se acham que é com atitudes submissas que se vão dar ao respeito à malta lá de cima, estão bem enganados. 

Da próxima vez que o Porto não ganhar, se existirem repórteres, relatores ou comentadores no local errado à hora errada, provavelmente vão é apanhar com ainda mais força. É que aqueles tipos só compreendem dois tipos de situações: as que lhes podem arranjar problemas e as que não lhes arranjam problemas. 

As que lhes arranjam problemas (como conversas incriminadoras ao telemóvel ou visitas de árbitros ao domicílio) passam a evitar-se, as que não lhes arranjam problemas continuam a praticar-se.

Portanto, pensem bem se ficarem calados é mesmo a melhor opção. Não me refiro evidentemente aos agredidos em particular. Esses, para além de serem as vítimas, têm famílias para sustentar e um emprego para manter, pelo que até compreendo que possam ter muitas reservas em avançar para uma queixa-crime contra Rui Cerqueira.

Aí era onde deviam entrar as respetivas entidades patronais, que têm a obrigação de defender os seus funcionários. Mas infelizmente daqui também não deveremos esperar grande coisa. A RR assobia para o lado (numa postura muito católica de dar a outra face) e a TSF parece andar distraída (certamente não querendo fazer nenhuma desfeita a Joaquim Oliveira).

Mas havendo um sindicato, que já agiu no passado em circunstâncias bem menos sérias, que enquanto entidade coletiva não precisa de temer represálias, como se explica tanta demora em reagir? A direção do Sindicato de Jornalistas é composta por um presidente e dois vice-presidentes:

Fonte: site do Sindicato dos Jornalistas

Note-se que a imagem acima faz referência ao triénio 2010/2012, mas já apanhei uma notícia de Abril de 2013 que refere que Alfredo Maia ainda é o presidente. Para além disso o Linkedin de Helder Robalo indica-o ainda como vice-presidente.
  • Rosário Rato é vice-presidente e trabalha na Lusa
  • Hélder Robalo é vice-presidente e trabalha no Diário de Notícias, que por acaso é propriedade da Controlinveste e de Joaquim Oliveira
Fonte: linkedin
  • Alfredo Maia é o presidente do sindicato e trabalha no Jornal de Notícias, que por azar também é propriedade da Controlinveste e de Joaquim Oliveira


Portanto, como se pode ver temos o ramalhete completo. Os dois desgraçados que foram agredidos poderão contar com apoio do seu sindicato? Ou os laços profissionais de dois dos três elementos da direção do SJ irão prevalecer? Aguardemos pela resposta nos próximos dias.

2 comentários :

  1. Bom post e boa investigação. Este blog mais cedo ou mais tarde vai tornar-se uma referência para quem gosta de futebol e de transparência no desporto. Um abraço e força para continuar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado RP! Fico contente por saber que aquilo que escrevo pode ter interesse para quem se incomoda com a podridão que envolve o futebol em Portugal. Um abraço.

      Eliminar