segunda-feira, 28 de abril de 2014

Capas que não fizeram história, nº 30: Oráculo descalibrado

                                                                                                                                          
A derrota de ontem do Porto pôs um ponto final numa época desapontante para os seus adeptos. Após a conquista da Supertaça, o Porto foi sucessivamente afastado das várias competições em que participou, algumas de forma humilhante. 

Primeiro foi eliminado da Liga dos Campeões sem ter conseguido sequer uma vitória em casa, o que foi uma desilusão atendendo ao facto de se tratar de uma equipa do pote 1 que ambicionava passar à 2ª fase. Depois atrasou-se no campeonato a ponto de ficar afastado da luta pelo título em Março, coisa que raramente aconteceu no reinado de Pinto da Costa. Seguiu-se o afastamento da Liga Europa com uma derrota pesadíssima em Sevilha, contra 10 homens. 

A derrota por 3-1 na 2ª mão da Taça de Portugal, contra um Benfica que jogou com 10 durante uma hora, foi um golpe fortíssimo na auto-estima dos adeptos portistas, que nunca imaginariam no princípio da temporada que o clube pudesse descer a este nível. No entanto, dez dias depois, para a Taça da Liga, os portistas descobriram que as coisas podem sempre piorar ainda mais: o Porto seria eliminado em casa, contra as reservas do Benfica, também reduzidos a 10 durante uma hora.

Os olhares dos adeptos portistas viram-se agora para o seu presidente, para perceberem o rumo que o clube tomará para recuperar as conquistas a que se habituaram. É possível, no entanto, que ainda tenham que esperar um bocado. É que Pinto da Costa tem andando muito calado. Na realidade, talvez o silêncio do presidente nem seja uma coisa muito má, porque da última vez que falou publicamente saiu-se com isto:

Abril de 2014

Nem tudo é mau, no entanto. Pinto da Costa acertou na questão dos holofotes. É bom saber que ainda tem mão em algumas coisas do clube.

(os meus agradecimentos ao Cantinho do Morais por me lembrar desta capa)

4 comentários :

  1. Não me lembro de um Porto tão "confuso" como o deste ano. Tão pouca personalidade e falta convicção! Pode ser que as coisas estejam realmente a mudar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Marisa, na minha opinião tem tudo a ver com a gradual perda de influência de Pinto da Costa. O Porto sempre foi um clube presidencialista. Pessoas como Antero Henrique ou Reinaldo Teles têm ou tinham a sua importância, mas a orientação vinha sempre de cima.

      Agora fala-se que Pinto da Costa anda a dar progressivamente mais poder ao filho (que aparentemente não tem as qualidades do pai), o que causa muitos anti-corpos em grande parte da estrutura. Esse descontentamento aliado à perda de capacidades do presidente (a idade não perdoa) acabam por se refletir na tal confusão que temos assistido.

      Ainda é cedo para termos a certeza de que se trata da queda do império, mas uma coisa é certa: é impossível voltar a aparecer alguém como Pinto da Costa. E, como é evidente, o futuro do Porto dependerá de como correr a sua substituição.

      Eliminar
  2. Eu fico a torcer pela tal "queda do império". Só espero que o Pinto da Costa wannabe que gere o benfica não se aproveite disso...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É esse o meu maior receio, Marisa. Infelizmente as coisas parecem estar a alinhar-se nesse sentido. Hei-de escrever sobre isso em breve.

      Eliminar