quarta-feira, 30 de abril de 2014

Ménage à trois comunicacional

A bonita relação entre Benfica, A Bola e o Record                                                                                
O país desportivo teve ontem a oportunidade de acordar com uma notícia bombástica divulgada em simultâneo pelos jornais A Bola e Record: a Juventus apresentou queixa contra Enzo por causa de uma cotovelada a um jogador italiano. 

Eu, que costumo olhar para as capas de jornais ao acordar, confesso que fui apanhado de surpresa, pois no final da noite anterior não havia qualquer notícia online sobre o assunto.

Não devo ter sido o único a ficar surpreendido. O jornal O Jogo parece ter sido apanhado de calças na mão, pois foi o único diário desportivo que não mencionou o assunto na capa. E certamente que não terá sido por falta de interesse, pois uma notícia que envolva Platini a tentar dar cabo da vida aos mouros é material para provocar sonhos molhados na maior parte da redação daquele jornal.

Metade do país deve ter tido conhecimento da notícia antes dos senhores de O Jogo

Parece evidente que João Gabriel deve ter tido um final de tarde / princípio de noite atarefado, a telefonar e a dar os pormenores sórdidos a Fernando Guerra e João Querido Manha. Era importante a notícia ser dada com estrondo para gerar a onda de indignação que tivemos oportunidade de assistir durante o dia de ontem.

Ver clubes a utilizarem órgãos de comunicação social para fazerem pressão não é novidade. O Porto faz isso frequentemente através de O Jogo. Bruno de Carvalho deu duas entrevistas ao jornal A Bola para saírem no dia em que seriam decididos os casos de Bruma e do atraso do Porto na Taça da Liga. Mas já não é tão comum existirem dois jornais concorrentes que aceitam publicar com grande destaque e em simultâneo uma notícia a pedido de terceiros, sem o exclusivo dessa notícia. É um tipo de favor que só se faz a alguém muito especial. 

Mas na verdade, já tinha acontecido uns dias antes outra situação idêntica, a propósito de umas declarações de Pirlo sobre o Benfica. No dia 23 de abril, na véspera do Benfica - Juventus, foram estas as capas de A Bola e Record:


É estranho que esta notícia da indignação benfiquista tenha surgido em "exclusivo" simultâneo em ambos os jornais neste dia, pois essas declarações de Pirlo tinham sido proferidas ao jornal Gazzetta Dello Sport no dia 12 de abril, ou seja, 11 dias antes.



Chamem-lhe história Record, ou fontes próximas do balneário, o que quiserem. Das duas, uma: ou a estrutura do Benfica tem mais buracos que um passador, ou então mais uma vez foi uma notícia (esta sem qualquer relevância) que ambos os jornais aceitaram publicar com honras de primeira página a pedido do próprio Benfica. Eu não acredito na primeira hipótese.

Só uma última observação: em matéria de demonstração de indignação benfiquista, A Bola ainda está muito à frente do Record. Não é surpreendente, afinal são décadas de prática, enquanto que o Record ainda é relativamente novo nestas andanças.

3 comentários :

  1. Concertação de capas, estratégia tipica.

    SL

    ResponderEliminar
  2. Isto acontece também com os outros ramos do jornalismo, não só o desportivo, onde os governos "dão" as notícias e as narrativas que querem aos jornais. No ramo desportivo, onde a exigência é ainda menor e onde a maior parte (se não a totalidade) dos escribas e editores dos jornais não têm sequer formação de jornalismo, são apenas "entusiastas remunerados", então é um fartote de notícias "encomendadas". Entretanto, os números das tiragem continuam a cair a pique. Talvez as pessoas não sejam tão "ignorantes" como se supunha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Moreira, seria interessante ver o que aconteceria se um dos jornais passasse a levar a sério o jornalismo, apenas transmitindo factos, deixando de lado os clubismos, os rumores e a especulação gratuita, e assumindo uma postura mais neutra e séria. Não me parece que piorassem as vendas.

      O problema parece-me estar no facto de serem jornais diários. A atualidade não dá material suficiente para encher tantas páginas, e depois sentem necessidade de colaborar com estratagemas destes.

      Um abraço.

      Eliminar