sexta-feira, 19 de maio de 2017

A demissão de Vicente Moura

Algo surpreendentemente, Vicente Moura demitiu-se ontem do cargo de vice-presidente do Sporting.


A demissão


Não é uma saída que me deixe apreensivo, do ponto de vista das competências que colocava à disposição do clube. Tenho uma fraca opinião sobre Vicente Moura, que já vem do tempo em que era presidente do Comité Olímpico Português. No Sporting era o responsável pelas modalidades, mas tenho sérias dúvidas de que tivesse algum poder efetivo em secções como as do futsal, andebol ou hóquei em patins. O ex-vice aparecia, sobretudo, em ocasiões cerimoniais, como, por exemplo, receber troféus das modalidades nos intervalos dos jogos. Na única ocasião em que pareceu ter um papel executivo, protagonizou um dos mais embaraçosos momentos do mandato anterior: a rábula do acordo assinado-que-deixou-de-o-ser com a W52 para a formação da equipa de ciclismo.

Não compreendi por que razão Bruno de Carvalho decidiu manter Vicente Moura na lista para o segundo mandato. Percebo que, em 2013, o presidente (então candidato) tivesse sentido a necessidade de incluir na sua lista alguns nomes conhecidos do grande público, mas devia ter aproveitado para reformular a sua equipa em março passado. Infelizmente desperdiçou a oportunidade, abre-se agora uma oportunidade parcial para o fazer.


O motivo da saída

Vicente Moura explicou a decisão por ter "uma visão diferente do presidente", sugerindo que as "visões antagónicas" estejam relacionadas com as recentes críticas de Bruno de Carvalho à equipa futsal. Estou de acordo com Vicente Moura em relação à pouca oportunidade das críticas, mas acho estranho que só ao fim de 4 anos e picos se tenha apercebido desta faceta da personalidade do presidente. A mim, que acompanho as coisas de fora, parece-me que, simplesmente, Vicente Moura não soube lidar com as críticas. Sentindo-se colocado em causa, a demissão seria sempre uma decisão respeitável. Infelizmente, a forma que Vicente Moura escolheu para abandonar o clube foi desprezível.


O fascínio pelos microfones

Nem uma hora tinha passado após a notícia ter sido conhecida, e Vicente Moura já estava a prestar declarações à RR. Declarações polémicas, que, enquanto associado, considero lamentáveis. Se Vicente Moura se preocupasse minimamente com os interesses do clube - que passa atualmente por uma fase muito conturbada -, teria aguardado algum tempo até apresentar publicamente a sua versão. Não tinha necessidade urgente disso, pois Marta Soares acabara de escrever um comunicado que salvaguardava a face do vice demissionário. Teria ficado bem a Vicente Moura não procurar os microfones de imediato, mas ao fazê-lo, da forma que o fez, prejudicou o clube e colocou Marta Soares em cheque.

Tendo sido este o caminho escolhido por Vicente Moura, apenas desejo que, no futuro, se abstenha de comentar publicamente a vida do clube.


A ação do presidente

Já critiquei o último post de Bruno de Carvalho, mas não vejo naquilo que escreveu motivo suficiente para provocar a demissão de Vicente Moura. É muito provável que tenham existido outras críticas em privado, mas o presidente tem legitimidade para as fazer - se tem razão ou não nessas críticas, é outra questão. 

De qualquer forma, é mais um incidente que torna ainda mais difícil de suportar este período que o clube está a passar. Espero que os responsáveis do clube - começando pelo presidente - percebam que é fundamental tentar manter a cabeça fria nesta fase. Não só porque a vida do Sporting não pára e é necessário preparar a nova época de forma fria e racional, mas também porque atirar mais gasolina para uma fogueira de labaredas altíssimas dificilmente ajudará o universo sportinguista a unir-se em torno de quem gere os destinos do clube.

21 comentários :

  1. A forma como sai, dando entrevistas para falar mal de quem sempre o apoiou, até quando esteve fora do clube por doença prolongada, parece indiciar que estava apenas à espera de um qualquer motivo para se por a andar.

    Esperava mais, muito mais resistência às críticas de quem tem tanta fama.
    Afinal, não anda aqui há meia dúzia de dias e apenas lhe fica mal virar as costas às modalidades e aos seus atletas, quando deveria aproximar-se ainda mais destes e incentivá-los para as vitórias necessárias.

    Se BdC não esteve bem, o "comandante" esteve ainda pior...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exatamente.

      Claramente VM não colocou o Sporting em primeiro lugar. Se o assunto foi pessoal, deveria ser mantido na esfera pessoal.

      Eliminar
  2. O que acho engraçado é Vicente Moura só se ter demitido 2 dias depois do comunicado, quando teve conhecimento dele 48 horas antes deste sair. Se ele se tivesse demitido antes, talvez o comunicado não tivesse saído para fora.
    Acredito que 53 modalidades são um fardo muito grande para quem tem 79 anos.
    Penso que BdC está a fazer as mudanças que considera necessárias para termos mais Títulos e para não haver tantos erros nas Modalidades, para termos uma cultura de mais exigência. Vicente Moura não deveria ser uma pessoa muito exigente com as Modalidades. Deve ter dado o seu melhor, mas talvez não seja o suficiente para o Clube.
    A verdade é que o Sporting investiu muito nas Modalidades mas com muito poucos resultados positivos (Hóquei, Andebol, Futsal, ...).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem mais, Vicente Moura tem a exigência que vemos nas nossas representações aos JO, em que qualquer medalhinha de bronze numa qualquer modalidade já é muito bom para o país. Não chega. Cada vez mais se comprova que somos tão capazes como os outros e, com exigência, rigor, critério, preserverança, crer, profissionalismo, tudo se consegue. Infelizmente, Vicente Moura comprovou não ter nenhum desses atributos.

      Eliminar
  3. Surreal! Ou seja: errado não é o SCP mentir em comunicado oficial, acerca dos motivos que levaram à demissão de um vice-presidente.
    Errado é esse mesmo vice-presidente vir repor a verdade através da imprensa.
    Muito bem!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando há saídas conturbadas ou em conflito de um clube (ou até empresa), é mais que normal "massajar a verdade" de forma a salvar a face tanto de empresa como empregado.
      Veja-se a saída de muita malta durante o primeiro mandato de BdC - apenas se falou dessas pessoas quando vieram a público a apoiar o boneco do Madeira Rodrigues. Antes disso, foram invocadas "razões pessoais".

      Neste caso, diria que ficou acordado entre clube e VMoura que o comunicado invocaria razões de saúde para a sua saída, e que este voltou atrás e achou por bem contrariar esse acordo.
      A alternativa seria que isto não tivesse sido acordado em conjunto e que o clube teria decidido, sem consultar o VMoura, inventar uma razão para a sua saída. Recuso-me a acreditar numa incompetência deste nível, portanto o mais provável terá sido o sr Moura a roer a corda.
      Como já disseram acima, nunca me convenceu enquanto teve o tacho dos JO, mas não aqueceu nem arrefeceu durante o seu mandato no Sporting.

      Eliminar
    2. Quando o Fernando Tavares saiu do Benfica em 2008 disse terem sido por "razões profissionais", quando na realidade não foram. Causou algum tipo de celeuma? Dirigentes deste nível têm responsabilidades para com os clubes que representam, mesmo estando em conflito com o seu superior.

      Eliminar
    3. Obviamente que a situação muda de figura se as razões forem altamente lesivas para o interesse do clube (como uma política financeira ou desportiva catastrófica). Não é este o caso.

      Eliminar
    4. Mas qual repor a verdade? Errado é lavar roupa suja em plena praça pública. Isso sim é ERRADO.

      Eliminar
  4. Mestre estas por opção ou convicção a ficar semelhante ao ministro iraquiano....? Começa a ser difícil...

    ResponderEliminar
  5. É inacreditável e inaceitável a necessidade em recorrer às rádios. Não são tempos fáceis. E as notícias denhoje, mesmo que filtre, deixam antever que JJ não tem nenhum compromisso com o clube. Chega.

    ResponderEliminar
  6. É fácil dizer isto agora. Mas quando o nome dele foi anunciado como responsável pelas modalidades, a verdade é que as polémicas de Pequim ainda estavam muitíssimo presentes na memória e lembro-me de achar, nessa altura, que tinha acontecido a Vicente Moura aquilo que é normal acontecer a tanta gente em tempos valorosa: tornara-se obsoleto.
    A outra verdade é esta: a sua atuação no Sporting, modo geral, não aqueceu nem arrefeceu. Como também é verdade que muitos dos que lamentam a saída de Vicente Moura são, curiosamente, os mesmos que andaram a maldizê-lo durante este tempo todo. O que, uma vez mais, confirma o que disse aqui ontem: a autofagia parece que está no ADN de muito adepto. Ou em português mais acessível: não sabem o que querem, nem querem o que sabem!

    ResponderEliminar
  7. Em relação a VM, vou apenas referir o trabalho "suposto" nas duas modalidades com mais visibilidade. Tivesse ou não responsabilidade direta, nos casos de andebol e futsal, a verdade é que o investimento realizado TINHA de dar mais frutos. É inadmissível o carrossel de treinadores no andebol, quando um ano de Zupo chegava e sobrava para contratar o pacote dos Carlos (Resende e Ferreira) para 2 ou 3 anos, e o facto de nunca ter sentido que havia alguém a dar o peito pelo Futsal (e contra o esquemático do início da época da FPF), além do Presidente. Tanto uma como a outra equipa têm mais que valor humano e técnico para limpar todas as competições. Se no caso do Futsal a taça é a eliminar e por vezes há acidentes, no caso do Andebol, as derrotas/empates/desilusões nas rectas finais dos jogos são sintomáticas de falta de orientação de qualidade. Agora, resta para o andebol ir buscar mais um estranja que terá de se adaptar ao nosso campeonato, porque o raio dos lampiões foram mais espertos, perceberam que o Resende, pelos seus valores nunca abandonaria o ABC a meio da época, e trataram logo de o fechar para a seguinte. ISTO foi de um amadorismo atroz. Estava ali o duo à mão de semear, ambos com experiência de SCP, um deles um ícone do clube, e o último capitão campeão, e o Sporting pôs-se a jogar bilhar de bolso. Admito, como Sportinguista e ex-andebolsita (também do SCP), sofri e muito com esta sequência de patetices. Desperdiçou-se uma chance de tornar uma modalidade dominante no panorama nacional para muitos anos, e pior, algo que poderia ter crescido a nível internacional. Esta equipa do Sporting Andebol, apesar de um ou outro erro de casting, dava para tanto mais, que no último Sporting vs. Porco dei por mim a berrar para a TV a ver se alguém no banco do Sporting ouvia. Para terminar, se o VM só lá estava para fazer de figura de proa, e em nada tinha intervenção, força, que vá com o Senhor. Na verdade, o Sr Comandante desde quase sempre deixou muito a desejar na formo como nunca se atravessou pela Instituição S. C. P. ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também desejei o Carlos Resende a treinar a equipa. Mas a verdade é que não era (e não era ainda mais há umas semanas atrás) uma decisão fácil contratar um novo treinador quando o Hugo Canela ainda pode (e, por maioria de razão, ainda podia mais há umas semanas atrás) ganhar as competições todas onde o Sporting participa.

      Eliminar
  8. A procissão ainda vai no adro. Esperemos pelo final das épocas desportivas das modalidades. Duvido que Nuno Dias continue mesmo sendo campeão pois não cumpriu com os objetivos Taça dos Clubes Campeões Europeus e Taça de Portugal, (se não for mesmo a vontade dele sair). No andebol, onde felizmente ainda estamos pela luta em todos os objetivos. No ciclismo em que mesmo com os reforços somos menos favoritos que o Porto para vencer a única prova que realmente interessa A Volta a Portugal. Acredito que seja o Atletismo Masculino o próximo foco de ira do Presidente. Em condições normais, sem lesões em provas chave o Benfica é o grande favorito à vitória final. Para além de ter uma equipa muito mais equilibrada que o Sporting, foi reforçar-se com atletas estrangeiros para fortalecer as suas debilidades. E contratou para o triplo salto o 3º melhor saltador de todos os tempos, um dos três a passar os 18 metros, marca de que Nelson Évora nunca se aproximou. Se os dois estiverem no seu melhor a diferença é à volta de 50 cms. Vincente Moura falou sobre o mérito da contratação de Nelson Évora, logo vai ser o próximo alvo das críticas

    ResponderEliminar
  9. Depois de alguns dias em “retiro espiritual” decidi comentar a demissão do Comandante Vicente Moura, não por ser o Comandante, mas sim por ser a primeira “virgem ofendida” a tomar uma posição após o último post facebookiano de BdC.

    Tal como o Mestre refere, também para mim o rescaldo deste post do PRESIDENTE, traria e trará mais incidências. Foi um post duro de engolir, referi aqui no Artista do Dia na altura, que compreendia o conteúdo do mesmo mas estava em desacordo com a forma, que achava muito injusta também as declarações de BdC sobre a Secção de Futsal em particular, pelo menos nestes eternos anos de seca tem sido aquela que nos tem motivado enquanto adeptos com resultados positivos.

    É aqui o meu receio, pois leva-me a crer que esta ressaca ao post e depois da demissão do Comandante, que venham aí mais achas para a fogueira! Espero a estar redondamente enganado mas sinceramente, acho que isto não vai ficar por aqui…

    Em relação ao trabalho realizado pelo Comandante, está tudo bem avaliado no post do Mestre, enquanto personalidade no mundo do desporto, como Presidente do Comité Olímpico Português em que esteve diretamente ligado à má preparação/prestação nas olimpíadas em que também pediu demissão quando foi chamado à razão… ou seja Vicente Moura demonstra mais uma vez que não se dá muito bem com críticas que ponham em causa a sua reputação pessoal, e quando é assim (e como ficou bem registado pelo Mestre) bate com a porta!

    Penso que o PRESIDENTE quis fazer um aviso à navegação, mas colocou TODOS entre a espada e a parede. Quem quiser continuar tem de às vezes engolir sapos e meter a mão na consciência e compreender, que em relação aos investimentos efetuados, houve gente que ficou muito aquém dos resultados satisfatórios… PRESIDENTE incluído.

    Haja bom senso e menos feira de vaidades.

    O SPORTING ESTÁ E ESTARÁ SEMPRE EM PRIMEIRO LUGAR!

    ResponderEliminar
  10. Quando o vi como destacado candidato na lista de BdC há 4 anos, fiquei logo de pé atrás, depois da rábula do sai-não-sai do COI em 2008... mas na altura não me preocupei muito, porque não foi nessa lista que votei... mas agora... agora votei neles... e acho de uma tremenda falta de tudo ter-se manifestado da forma como o fez... apenas confirmou a ideia que tinha dele... uma boa reforma, é o que lhe desejo!

    ResponderEliminar
  11. Façam mas é a transferência para o NIB indicado no email.

    Então eu demito me em desacordo... A entidade de onde me demito mente num comunicado oficial... Eu esclareço que o comunicado não invoca o verdadeiro motivo e esclareço qual é esse motivo. E eu é que estou mal?

    Os vossos amigos do Norte estão em grande com as notícias no jogo...

    ResponderEliminar
  12. Quando é o Presidente a fugir das críticas e a encaminhá-las para outros agentes do clube
    ou a correr para os "microfones" não se põe nada em causa, quando é outro agente que o faz já é criticado. Não sou contra a crítica, neste caso a VM, acho que é vital para a evolução e sucesso de cada um, ainda para mais quando se trata de uma instituição como o Sporting Clube de Portugal, no entanto, não podem haver 2 pesos e duas medidas na análise que se faz a uns e a outros.
    Alguém acha que Vicente Moura é que tomava decisões em modalidades como o Futsal, Andebol ou Hóquei, por exemplo?
    BdC tem feito muitas coisas boas, mas também tem feito coisas mal e que facilmente poderiam ser corrigidas não fossem a sua teimosia, prepotência e a protecção que todos lhe damos. O facto de criticarmos determinado comportamento ou decisão não significa que não se reconheça o seu valor noutras situações. O que fará o Sporting crescer não é uma relação presidente-sócios em que os últimos aplaudem em todas as circunstâncias, mas sim aquela em que os sócios sabem aplaudir o que foi feito de bom e criticar construtivamente quando o mesmo não sucede, com o Presidente a saber ouvir e reflectir se realmente há razão para as críticas. Porque no final de contas, somos todos um só e queremos todos o bem comum do Sporting.
    SL

    ResponderEliminar
  13. "mas não vejo naquilo que escreveu motivo suficiente para provocar a demissão de Vicente Moura." - a sério MdC? Quem não se sente, não é filho de boa gente.
    E aposto que se seguirá o Nuno Dias.
    Só não se segue o vosso Jesus pois esse é um onzeneiro.

    ResponderEliminar
  14. Depois de tantas críticas à comunicação do Presidente, como foi possível Vicente Moura sair e transformar este abandono numa arma de arremesso contra Bruno de Carvalho?

    Então VM vem para a praça pública declarar que “TEM MAIS QUE FAZER” do que ser Vice-Presidente para as modalidades do Sporting? Então porque se recandidatou?

    Porque não abdicou no final do mandato dando oportunidade a que o seu cargo fosse ocupado por alguém interessado em fazê-lo? Quem de entre os Sportinguistas não sentiria orgulho e honra no desempenho dessas funções?

    Ficou desagradado com as críticas de Bruno de Carvalho? Não aguentou a pressão e os níveis de exigência reclamados? Ou é uma tomada de posição para defender os treinadores e os “meninos”?

    Não tem moral para se demitir desta maneira, a não ser que se tenha esquecido que mandou Marco Fortes para casa, durante uns Jogos Olímpicos, sujeitando este “menino” a uma humilhação nacional! Não foi esta atitude muito mais condenável?

    Não lhe fica bem sair desta forma, pois parece querer lavar as mãos como Pilatos da responsabilidade dos insucessos da área tutelada por si e, pior, acabar por fazer uma vingançazinha contra Bruno de Carvalho.

    Ao ex-Vice-Presidente para as modalidades,
    Desejo-lhe muita saúde e que tenha oportunidade de assistir a muitas conquistas do Sporting.

    ResponderEliminar