quarta-feira, 18 de abril de 2018

M*rdas que só mesmo connosco, nº 17: Not so fast, dutch boy

O jogo do passado domingo entre Belenenses e Sporting foi particularmente rico em casos polémicos e situações invulgares. Por exemplo, apesar de o VAR ter sido pouco utilizado até agora para esclarecer confusões em molhadas de jogadores na área, só neste jogo houve direito a dois penáltis assinalados neste tipo de situações. Mas o momento da noite - no que a acontecimentos bizarros diz respeito - foi outro. Não sigo de perto todos os campeonatos que já adotaram o VAR, mas arrisco a dizer que foi uma situação inédita no futebol mundial.

Aos 72 minutos, na sequência de uma marcação de um canto, Bas Dost é atingido numa disputa de bola com Yebda e cai ao relvado enquanto o jogo prosseguia. A bola é bombeada para fora das quatro linhas e André Moreira, guarda-redes adversário, chama a atenção para a necessidade de o holandês ser assistido. A equipa médica assiste Dost e leva-o para fora do relvado para a partida poder prosseguir.

Acontece que o jogo não seria imediatamente reatado. O árbitro é alertado pelo VAR para uma possibilidade de existência de falta na área, analisa as imagens, vê que a carga de Yebda foi com o cotovelo e assinala penálti a favor do Sporting. Mostra também cartão amarelo ao jogador do Belenenses pela falta dura, que era o seu segundo na partida e, consequentemente, dá-lhe ordem de expulsão.

Dost reentra no relvado, pega na bola para marcar penálti... mas Bruno Paixão mostra-lhe amarelo por não ter tido autorização para regressar para dentro das quatro linhas e ordena que saia de campo até o jogo ser reatado. Acontece que Dost é o marcador dos penáltis... e não podendo entrar antes de o jogo ser reatado, então não podia bater o penálti que o árbitro acabara de assinalar.


A decisão de Bruno Paixão é defensável segundo o que estipulam as regras, de acordo com o que disse o ex-árbitro Pedro Henriques. Um jogador que sai para ser assistido com a partida parada só pode reentrar depois do recomeço do jogo, mas, neste caso, há um outro pormenor que complica a situação: segundo as regras que entraram em vigor na temporada passada, um jogador que sofre uma falta que vale amarelo ou vermelho ao adversário que a cometeu, não precisa de sair após ser assistido. Ou seja, Dost não precisava de sair de campo receber assistência médica.

Acredito que não existam indicações específicas para como os árbitros deverão proceder em situações destas, mas parece-me claro que, segundo o espírito que está por detrás da implementação do VAR e da regra que permite a um jogador assistido manter-se em campo caso tenha sofrido uma falta merecedora de cartão, Dost deveria ter podido manter-se no relvado. Creio que terá havido aqui excesso de zelo por parte do árbitro.

Dost foi penalizado por sofrer uma pancada dura à margem das leis, foi duplamente penalizado quando foi obrigado a ficar de fora no reatamento do jogo, foi triplamente penalizado por ter visto cartão amarelo por regressar sem uma autorização do árbitro de que não deveria necessitar, foi quadruplamente penalizado por não poder assumir a sua função de principal marcador de penáltis da equipa, e foi quintuplamente penalizado por não ter tido a oportunidade de se aproximar de Jonas na lista de melhores marcadores. 

Mais uma daquelas coisas que só nos acontece a nós. Neste caso, foi apenas um episódio curioso que não chegou a ganhar dimensões trágicas... porque, felizmente para o Sporting, Bruno Fernandes é também um marcador de penáltis bastante jeitoso. Imaginem se tem falhado...


Para ler ou reler as restantes M*rdas que só mesmo connosco, carregar aqui: LINK.

14 comentários:

  1. Paixão teve daqueles jogos. Diz que é azar mas eu chamo-lhe outra coisa.

    ResponderEliminar
  2. Estas merdas não acontecem definitivamente com mais ninguém, isso já o sabemos há largas décadas.

    Espero que o Departamento jurídico do Sporting já se esteja a mexer no sentido de despenalizar Dost e pedir a expulsão definitiva desta merda de árbitro do futebol português.

    Não se poderá vetar de uma vez por todas este artista do apito nos jogos do Sporting?
    Começa a ser ridículo...

    ResponderEliminar
  3. Paixão é o pior árbitro da história. Ponto

    ResponderEliminar
  4. E no entanto... o Periquito empreiteiro da cidade dos arcebispos, insiste em lançar cortinas de fumo, não se sabendo muito bem porquê.

    ResponderEliminar
  5. Esta regra surgiu para não beneficiar o infrator ao "obrigar" a equipa adversária a jugar c 10....Neste caso foi num pênalti, mas podia ser um livre com bola centrada para a área e com 1 jogador a menos é mais complicado..

    Sl

    ResponderEliminar
  6. Outra curiosidade foi o fora-de-jogo assinalado ao Gelson. O bandeirinha não levantou a dita, correu ao lado do Gelson, e só passados segundas depois quando viu que a bola ia a entrar na baliza é que se lembra que é fora-de-jogo. Surreal

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os fiscais agora deixam passar os foras de jogo quase todos para deixar o VAR decidir e evitar anular jogadas limpas

      Eliminar
  7. O Dost fica, no entanto, mais perto de um castigo por acumulação de 5 amarelos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Touché, e o jogo com o carnide está à porta...

      Eliminar
  8. É isto e levar-mos com Jorge Sousa em Alvalade. Depois de Soares Dias na Luz nota-se que o FCPorto fez bem o TPC e a terminar a época dá a estocada final. A ver vamos.

    ResponderEliminar
  9. Eu sei de merdas que só acontecem comigo quando Torquemada não me larga o pé.

    ResponderEliminar
  10. Mais grave que isso tudo é levarmos com J.Sousa hoje à noite... Mais uma provocação ao Sporting por parte do CA. Vai ser mais uma arbitragem à inglesa para um lado e à portuguesa para o outro...

    ResponderEliminar
  11. Foi melhor assim porque a bola entrou, e se fosse o bas dost podia não ter marcado. O destino foi melhor desta forma

    ResponderEliminar
  12. Ontem aconteceu o inverso: central do porto com camisola errada, leva amarelo e é convidado a sair de campo pelo apitador, no entanto o jogo só foi reatado após o "minino" ter mudado de camisola e voltado a entrar no terreno de jogo

    ResponderEliminar