quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Bruno de Carvalho e a polémica da bandeira

Já muito foi dito e escrito sobre a afirmação de Bruno de Carvalho sobre a retirada do vermelho da bandeira nacional.

Pessoalmente, penso que se tratou de uma declaração pouco feliz. Não sei se foi dita num qualquer contexto que os presentes no almoço terão percebido, mas assim a seco não faz grande sentido e mexe numa questão suficientemente polémica que inevitavelmente agita a opinião pública.

Mas será que esta declaração tem a importância que lhe estão a dar? Claro que não. Os protestos que se seguiram vêm na mesma linha dos insultos a Blatter e das juras de ódio eterno à Pepsi. Fazer um comentário sobre a cor da bandeira, fazer um comentário jocoso sobre o português mais conhecido no mundo, ou fazer anúncios provocadores (que até tinham piada) com um boneco vestido com as cores da seleção, não são um ataque à soberania ou ao orgulho de Portugal.

Mas a verdade é que este tipo de declarações é uma faceta que o presidente já tinha exibido várias vezes no passado.

É uma questão de personalidade. Bruno de Carvalho é um homem que tem mostrado não ter medo de ir à guerra, de enfrentar a realidade de frente, e o estilo agressivo utilizado nas suas declarações públicas são um reflexo da sua forma de estar na vida.

A questão é que a utilização frequente desse estilo dificilmente trará algum proveito, a si e ao Sporting. Não precisa de ter sempre uma provocação reservada para os rivais. E não precisa de ter sempre uma resposta pronta para os jornalistas, já que muitas vezes é preferível escudar-se num "não comento" quando estes tentam prolongar as polémicas. 

Espero que o presidente compreenda isto e consiga corrigir este pormenor na forma como comunica. Porque é um pormenor. E se me perguntarem se prefiro ter um presidente com vontade, coragem e capacidade para enfrentar os muitos obstáculos que o Sporting tem no caminho, mesmo que vá mandando este tipo de bocas sobre os adversários, ou em alternativa um presidente na linha dos que tivemos num passado recente, que em nome da correção e da postura deixam o clube ser enxovalhado, não reagindo publicamente nem tomando medidas para evitar que isso volte a acontecer, não tenho qualquer tipo de dúvidas: venha o primeiro.

De qualquer forma, saiba o presidente aperfeiçoar o momento em que deve dar ferroadas nos rivais e reduzir a dose de hostilidade das suas declarações, e creio que o Sporting só sairá beneficiado com isso.

O presidente não precisa deste tipo de declarações para mostrar que o Sporting está a voltar ao lugar a que tem direito. O trabalho que Bruno de Carvalho tem feito nos poucos meses da sua presidência é a melhor chapada de luva branca possível nos adversários que já andavam de calculadora em punho a fazer estimativas do que iriam ganhar nas próximas décadas, em dinheiro e adeptos, com a tão desejada bipolarização do futebol português. 

P.S.: como se trata de alguém que já critiquei por não ter defendido convenientemente o Sporting e o seu presidente, acho justo elogiar Jorge Gabriel pela forma como comentou o episódio da bandeira. Mostrou que pode defender o clube sem colocar em causa os seus próprios princípios pessoais. Disse que não concordava com o que foi dito, mas desvalorizou a polémica de forma competente. É isso que os adeptos esperam de alguém que é pago para defender o clube.

 
(vídeo 2m36s) - com base num vídeo retirado do canal do youtube Fernando Pereira

Sem comentários :

Enviar um comentário