sábado, 10 de maio de 2014

Capas que não fizeram história, nº 33: Nostradamoutinho

                                                                                                                                  
É certo e sabido que para cada baixa, para cada insucesso, para cada percalço no caminho do Porto, o jornal O Jogo arranja logo uma estatística genial ou um testemunho de peso que aprove ou suporte aquilo que se vai fazendo no ex-campeão nacional.

No verão passado, o Porto vendeu James e Moutinho ao Mónaco num negócio conjunto que haveria de ser o rastilho para o corte de relações com o Sporting. Tratando-se de dois jogadores de grande importância no Porto, é natural que os adeptos vissem com apreensão a capacidade do clube em substitui-los -- principalmente Moutinho.

O Jogo, como é costume, tratou de acalmar o espírito dos portistas, e conseguiu uma opinião de peso sobre a questão da substituição de João Moutinho: a do próprio João Moutinho.

Junho de 2013 (obrigado @Lion_O_SCP!)

Moutinho afirmou que não se sentia insubstituível e apontou Castro como o seu sucessor. Todos sabemos como correu. Passados dois meses, o jovem médio das escolas do Porto foi despachado para a Turquia sem entretanto ter tido oportunidade de fazer um único jogo oficial pelo clube. A aventura turca acabaria por correr suficientemente bem para agora ter sido adquirido a título definitivo pelo Kasimpasa.

Mas as opiniões / previsões de Nostradamoutinho não se ficaram por aqui. Deu também o seu aval à contratação de Paulo Fonseca, descrevendo-o como um "grande treinador".

Olhando para o resto da primeira página desta edição, dá ideia que Moutinho acabou por agoirar os planos de praticamente todos os nomes referidos na capa. Patrício acabou por não se despedir dos colegas, Marcelo Boeck ficou mais um ano a preparar-se para ser nº 1, Costinha teve uma passagem desastrosa pelo Paços, Garay não foi vendido e Lisandro López é que acabou por ser despachado para Espanha, Miguel Lopes e o Bétis acabaram por não se entender, e Eduardo, para mal dos seus pecados, conseguiu desvincular-se do Génova e foi para o Braga onde teria uma época pouco feliz.

Fico com pena que O Jogo não tenha falado em Jorge Jesus nesta capa, mas por outro lado foi uma benção terem-se esquecido de falar de Leonardo Jardim.

9 comentários :

  1. mas la está o porto não apostou no castro, nunca se sabe se podia ter funcionado, e olha que este ano no porto não teria feito pior figura do que alguns que jogaram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo Riga. O problema é que com Herreras e Defours que é necessário valorizar (não foram nada baratos) deixa de haver espaço para os outros...

      Eliminar
    2. ao contrario de muita gente( e muitos portistas) percebi o que foi feito quando o Herrera, o reyes, o quintero , o kelvin e mesmo o Carlos Eduardo anderam na equipa b( na altura ainda com o Luis castro).

      os jogadores tiveram a ser trabalhados para a equipa principal e viu-se a evolução em jogadores como o Herrera e o quintero em comparação com o inicio de época.

      foram caros? sim foram, mas o defour que jogava na belgica era bem melhor do que o que tem andado no porto, e o Herrera parece-me um jogador interessante, tal como o quintero.

      já o central o reyes, tem ainda de evoluir muito para jogar numa equipa que joga com defesa a 4

      voltando ao castro, ele era o suplente do Moutinho, tinha feito uma época muito interessante em olhao e ao que parece este ano na turquia numa equipa da treta até se portou bem..em algumas fases do porto este ano teria sido titular de caras.

      Eliminar
    3. Riga, eu também percebo que coloquem na equipa B os jogadores que ainda não estão prontos para lutar pela titularidade na equipa principal (desses que referiste creio que o Quintero não chegou a passar pela B, estava sempre no banco nos primeiros jogos - até entrou e marcou contra o Setúbal na 1ª jornada).

      O que acho é que os clubes portugueses não se podem dar ao luxo de comprar jogadores por muitos milhões que não estejam em condições de lutar de imediato pela titularidade. Esse, na minha opinião, foi o grande pecado do Porto. Gastou cerca de €30M em jogadores que não estavam preparados (ou sem valor) para serem titulares.

      Um abraço.

      Eliminar
    4. "O que acho é que os clubes portugueses não se podem dar ao luxo de comprar jogadores por muitos milhões que não estejam em condições de lutar de imediato pela titularidade. Esse, na minha opinião, foi o grande pecado do Porto. Gastou cerca de €30M em jogadores que não estavam preparados (ou sem valor) para serem titulares."

      A crítica é simples e directa mas Mestre de Cerimónias não disse as alternativas, ou seja, quem seriam os jogadores que Mestre de Cerimónias escolheria no Verão de 2013 para o FCPORTO, sabendo que teria de dizer os montantes envolvidos nas transferências, salários, claúsulas contratuais, prémios de assinatura, etc., etc., etc. e obviamente tendo em conta a realidade financeira dos clubes.

      Como não pretendo dissecar o passado, prefiro que Mestre de Cerimónias escolha jogadores para o futuro nomeadamente a próxima época, tanto no Sporting como no Porto.

      Certamente que verá que as análises a priori serão muito mais difíceis do que as simples críticas ao passado.

      Eliminar
    5. Luís Miguel, como não acompanho o campeonato mexicano, argentino, ou brasileiro, nem jogo FM, de facto não tenho alternativas para apresentar... :)

      Isso é o trabalho da estrutura, que é paga principescamente para isso, e que dispõe de uma rede de prospeção ampla que permitiu no passado encontrar jogadores como Jackson, Hulk, ou James, só para dar alguns exemplos.

      Falharam redondamente este ano. Mais do que uma crítica, é uma constatação de um facto.

      Eliminar
    6. o quintero depois de jogar no inicio de época, andou uns tempos na equipa b

      Eliminar
    7. Sem dúvida, o FCPORTO falhou redondamente esta época na qual apenas ganhou a Supertaça, já o Sporting teve uma época estrondosa em que não ganhou nada.

      Presumo que acompanhes a série B do Brasileirão, a liga norte-americana e a liga egipcia.

      Eliminar
    8. Luís Miguel, não acompanho nenhuma dessas ligas porque não faz parte das minhas funções andar a encontrar jogadores para contratar...

      Não preciso de ser um especialista em engenharia para poder constatar que os engenheiros fizeram mal o seu trabalho se uma ponte cair.

      Eliminar