quinta-feira, 20 de novembro de 2014

M*rdas que só mesmo connosco, nº 7: Uma questão de saliva

Costuma dizer-se que a justiça é cega, no sentido em que deve ser imparcial e não olhar para quem são as partes em disputa no momento em que se toma a decisão em julgamento.

Em Portugal, a justiça desportiva devia ser cega, mas não é. Faz-se de cega. Às vezes. Dependendo de quem são as partes afetadas. Uma coisa é certa: não é daltónica. Sabe distinguir bem as cores umas das outras.


Em janeiro de 2013 Insúa cuspiu num jogador do Rio Ave, num jogo para a Taça da Liga. O árbitro não se apercebeu deste facto durante o jogo, e o Conselho de Disciplina aplicou um sumaríssimo ao jogador argentino recorrendo às imagens televisivas, suspendendo o argentino por dois jogos.


Três meses mais tarde, em abril, Enzo Pérez cuspiu num jogador do Paços de Ferreira. Tal como no caso de Insúa, o árbitro não se apercebeu do que se passou no momento. No entanto, apesar de também existirem imagens do ato praticado, desta vez o Conselho de Disciplina optou por não instaurar um sumaríssimo ao jogador. Ou seja, não houve suspensão para o jogador, que assim pôde alinhar no encontro seguinte, que por acaso era contra o... Sporting (no famoso jogo arbitrado por João Capela).


Seis meses mais tarde, em outubro, Josué cuspiu num jogador do Arouca. Mais uma vez o árbitro também não se apercebeu do sucedido. Desta vez, o CD decidiu recuperar os sumaríssimos por cuspidelas com base nas imagens disponíveis e castigou Josué por um jogo. Assim, o médio foi obrigado a cumprir o castigo num jogo da Taça de Portugal contra o Trofense. Pode-se dizer que foi uma "sorte" não ter sido suspenso por dois jogos como Insúa. Se tivesse sido castigado com dois jogos, não poderia ser utilizado no jogo seguinte ao do Trofense, que por acaso era contra o... Sporting. E curiosamente Josué até marcou de penálti nesse jogo.

Para a justiça do futebol português, Insúa escarrou, Josué cuspiu e Enzo fez uma transfusão de saliva que pode ter salvo a vida ao jogador do Paços. Só faltou um louvor ao jogador do Benfica. Como se costuma dizer, todas as cuspidelas são iguais, mas há cuspidelas que são mais iguais que outras.

(obrigado, Feadin)

8 comentários :

  1. Há salivas mais ácidas do que outras. E também acho que o Insúa fez mais cara de mau quando cuspiu que os outros.

    (não tem de quê, ora essa).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deve ter sido isso, Feadin, o pH do cuspo do Insúa era mais alto e colocava em risco a integridade física do adversário! :)

      Eliminar
  2. "Só faltou um louvor ao jogador do Benfica."

    Desculpe, mas não concordo.
    Enzo tem recebido diversos louvores. Além de ter sido nomeado o melhor jogador da Liga, na época passada (apesar de nunca ter vencido um prémio mensal de melhor jogador, rábula já aqui explorada), tem sido constantemente salvo de ser expulso nos jogos que tem feito, tanto na última época, como nesta. Além de ser salvo da expulsão (imune - parece que estou a falar do Secret Story... mas é quase), o louvor também se estende ao facto, da sua equipa não ter que ficar privado da sua grande qualidade futebolísitica (sem ironia) durante o jogo e nos seguintes (geralmente, expulsão dá lugar a suspensão - excepto se fores o Mestre da Táctica, onde a expulsão dá direito a multa de 153 euros).

    http://www.record.xl.pt/Futebol/Nacional/1a_liga/Benfica/interior.aspx?content_id=901546

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cantinho, se o Maxi for embora no final do ano terá em Enzo um sucessor à altura. Já começa a ter uma lista bem longa de expulsões perdoadas... Só este ano já foram duas. Um abraço.

      Eliminar
  3. Para constar na lista:
    Este caso ainda me está atravessado, ainda por cima o interveniente principal (Carlos Valente) vive na minha terra, o Barreiro:
    Porto-Sporting 93/94 duas jornadas antes do Sporting-Benfica dos 3-6, jogo apitado por Carlos valente na última época da sua carreira (O desempenho deve ter-lhe valido uma reforma dourada) com um critério completamente díspar, deixa passar em branco a agressividade e entradas violentas dos jogadores do porto e quando os do Sporting tentam responder na mesma moeda são punidos disciplinarmente. Resultado, 3 vermelhos, 1 por acumulação de amarelos (Vujacic) e dois directos (Peixe e Juskowiak) que impediu estes dois últimos de jogarem duas jornadas depois com os lampiões. A ausência de Peixe (seria o marcador de J.Pinto) seria determinante para o jogo que decidiu o título.
    http://www.zerozero.pt/jogo.php?id=18927

    ResponderEliminar
  4. Ó Mestre isso não é nada ! Que tal...

    1. Único clube português com um jogador suspenso enquanto outro, sobre quem supostamente fez falta, recuperava da lesão causada (Paulinho Santos vs JVP);

    2. Único clube português com um jogador suspenso por 2 jogos por supostamente ter simulado um penalti (Lisandro Lopez);

    3. Único clube português que teve jogadores suspensos por 4 e 6 meses por alegadamente terem respondido a insultos por parte de 'agentes desportivos' estrategicamente colocados num túnel (Hulk e Sapunaru);

    Isso sim seria motivo para um post sobre 'coisas que só acontecem connosco e mais ninguém'.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Costa, um pouco mais de rigor nessa exposição, por favor.

      O Lizandro foi suspenso por 1 jogo, já que o outro jogo foi por acumulação dos 5 amarelos, nada teve a ver com a simulação.

      No caso do túnel devia estar escrito "por alegadamente terem respondido com agressões aos insultos dos agentes desportivos" e o alegadamente devia estar entre aspas porque não foi alegadamente, foi de forma provada.

      O caso do Paulinho Santos, não me lembro de outro caso, não. Mas esse devia ter sido castigado para toda a vida por todas as que fez enquanto jogador.

      Eliminar
  5. Então e que tal:

    1. O único clube português que esteve envolvido num mega caso de corrupçãoa quem nada aconteceu por por "irregularidades" nas escutas que nada tinham a ver com o processo desportivo, mas sim com o processo judicial;

    2. O único clube português cujo dirigente agrediu publicamente um presidente de uma associação de futebol sem nada ter acontecido;

    3. O único clube português cujo director de informação agrediu em directo dois jornalistas sem nada ter acontecido e tendo sido o caso altamente abafado;

    4. O único clube português que se sabe ter aliciado árbitros com prostitutas e viagens aos Brasil sem nada ter acontecido;

    5. O único clube português que teve um dirigente morto a tiro nas suas instalações num episódio envolto em muito mistério e também, como normalmente, muito abafado.

    Estas e muitas outras sobejamente conhecidas também só acontecem convosco e com mais ninguém.

    ResponderEliminar