quarta-feira, 24 de junho de 2015

Balanço de 2014/15: Avançados



Fredy Montero (**)

Época intermitente em que acabou por conseguir uma média de golos interessante. Confirmou-se que não é homem para ser o ponta-de-lança num sistema de 4-3-3, por gostar de participar demasiado na construção e menos na finalização. Promete encaixar bem melhor num eventual sistema 4-4-2 de Jorge Jesus, onde a sua inteligência e capacidade de remate de meia-distância serão seguramente mais-valias melhor aproveitadas.


Islam Slimani (***)

A época começou da pior forma com a birra que o afastou do onze nas primeiras duas jornadas. Depois de resolvido esse assunto esteve em excelente plano. Podem apontar-lhe vários defeitos, mas mesmo estando numa fase mais desinspirada consegue ser sempre útil à equipa. Um autêntico mouro de trabalho que nunca dá um lance por perdido e desgasta as defesas adversárias, e que está sempre disponível para recuar no apoio à construção e disparar de imediato na direção da área para finalizar. A conquista da Taça de Portugal deveu-se muito à sua raça e vontade. Não fosse a longa lesão contraída na CAN e poderia ter tido números fantásticos.


Junya Tanaka (*)

Tirando aquele golo em Braga, não conseguiu deixar a sua marca. O facto de ter tido uma utilização irregular não ajudou, mas a verdade é que não é o ponta-de-lança (que não é a sua posição, na realidade) de que o Sporting precisa, apesar do seu bom pontapé. Mesmo assim é justo referir que conseguiu uma boa média de golos.


André Carrillo (***)

Ao fim de 3 épocas no Sporting, esta foi a da total afirmação do peruano. Conseguiu finalmente aliar a genialidade à regularidade, e foi confortavelmente o líder das assistências. Se renovar será um enorme reforço para a próxima temporada.


Nani (**)

A sua vinda para o Sporting foi a grande surpresa da época e não demorou muito tempo para corresponder às nossas melhores expetativas. Conseguiu ser o principal desequilibrador da equipa mais pela forma como pensava o jogo do que pela explosividade das ações, elevando claramente o patamar exibicional coletivo para outro nível. Passeou classe até à sua lesão no Bessa. Infelizmente, o Nani que regressou algumas semanas depois não foi o mesmo. Apesar de ter conseguido marcar a diferença em vários jogos, esteve muito longe do brilhantismo que revelou antes. De qualquer forma deixará saudades.

 
Carlos Mané (**)

Apesar de não ter tido a evolução que se esperava do ponto de vista exibicional, Mané teve números muito interessantes (9 golos e 4 assistências). Parece atravessar uma fase de indefinição em relação à posição que deve ocupar em campo, mas justifica que se continue a apostar nele. Teve o seu momento mais alto ao marcar o golo do empate na Choupana, na 1ª mão das meias-finais da Taça, numa altura em que jogávamos em inferioridade numérica, abrindo-nos as portas para as finais. E na final da Taça esteve também em muito bom nível desempenhando um papel mais defensivo.



Diego Capel (*)

Mais uma época dececionante. O salário elevado que aufere aconselha que se encontre outro clube para prosseguir a carreira. 

Heldon (-)

Fez a primeira jornada como titular mas teve uma exibição desastrada que o retirou das opções de Marco Silva. Pode ser um jogador muito útil para equipas que procurem explorar o contra-ataque, mas não encaixa bem em equipas obrigadas a jogar contra adversários muito fechados.

5 comentários :

  1. A análise ao Tanaka é um bocadinho enviesada. O homem não é um grande futebolista e até prefiro que o substituamos por outro.

    Mas a análise "Tirando aquele golo em Braga, não conseguiu deixar a sua marca.(...)" fica muito a dever ao que ele nos deu este ano.


    "Por SAPO Desporto sapodesporto@sapo.pt


    Os números de Tanaka no Sporting são impressionantes. Apesar de não ser a primeira escolha para o ataque, o avançado japonês apresenta um alto índice de aproveitamento.



    Tanaka fez apenas 12 jogos para o campeonato com a camisola do Sporting, tendo apontado quatro golos. O japonês marca a cada 74 minutos de jogo, sendo que os seus golos são quase sempre decisivos. O avançado de 27 anos tinha dado a vitória ao Sporting em Braga num livre superiormente marcado já nos descontos. Ontem fez o tento da vitória frente ao V. Setúbal, tal como tinha feito ao Boavista em casa, para a Taça da Liga.



    Ainda no capítulo dos golos, de referir que Tanaka marcou ainda ao Sp. Espinho para a Taça de Portugal (o seu primeiro golo em Portugal), ao Rio Ave e ao Gil Vicente para a Liga.



    Outro dado importante: sempre que Tanaka marcou o Sporting não perdeu. Nos jogos em que o japonês participou, o Sporting venceu nove e empatou três."
    in http://desporto.sapo.pt/futebol/primeira_liga/artigo/2015/04/13/futebol-tanaka-e-sinonimo-de-golos-e-vitorias-no-sporting

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E relembro o jogo do Arouca em que o golo do Mané vem na sequência da insistência do Tanaka.

      Eliminar
  2. \Alguém sabe quanto custou o Tanaka?

    ResponderEliminar
  3. Esta época fui ver 3 jogos do Sporting.Um jogo com o Vizela,o tal em que o Marco Silva não seguiu o dress code,e dois jogos com o Braga.Dois jogos marcantes para qualquer adepto,no primeiro jo go o Xeque-Mate foi dado pelo Tanaka,no segundo jogo já todos sabem a história,um jogo que me deixou de lágrimas nos olhos,um jogo em que ja vi mais de "mil" vezes no You Tube o segundo golo do Sporting por Montero.

    Isto para dizer que não sei se fossem dadas mais oportunidades ao Tanaka ele teria um melhor rendimento.Há jogadores que foram irregulares no Sporting e entre eles temos o Tanaka mas não o considero uma carta fora do baralho.

    ResponderEliminar