domingo, 25 de agosto de 2019

E ao quarto dia apareceu Vietto

Bom jogo. Ao quarto jogo oficial da temporada, o Sporting fez finalmente uma exibição convincente e alcançou uma vitória relativamente tranquila num terreno onde costuma passar por dificuldades. Não foi uma prestação sem mácula, houve momentos - principalmente na primeira metade da segunda parte - em que houve alguma dificuldade em manter o Portimonense longe da nossa área, mas, na generalidade dos 90 minutos, foi um desempenho sólido que permitiu ao Sporting aproveitar da melhor forma o resultado do clássico de ontem. 

A surpresa Vietto. A entrada do Sporting no jogo foi demolidora e permitiu construir uma vantagem que ajudou a tranquilizar a equipa - ainda que o Portimonense não tardasse a reduzir a partir de um penálti provocado por uma falta displicente de Mathieu. O Sporting foi claramente superior na primeira parte graças à habitual ação de Bruno Fernandes, mas, sobretudo, por causa da criatividade de Vietto. O posicionamento do argentino surpreendeu Folha, que não parecia estar preparado para esta descentralização da criação de desequilíbrios. Os recursos que Vietto mostrou são variados: capacidade de drible, mudanças de velocidade, visão perfeita das movimentações dos homens mais adiantados e superior execução no momento de colocação da bola no espaço. Na segunda parte, mais encostado à linha e mais desgastado, desapareceu um pouco do jogo. O passe a rasgar para Bruno Fernandes no segundo golo e o míssil intercontinental de 50 metros para o que deveria ter sido o terceiro golo de Raphinha foram os momentos mais altos de uma excelente exibição. Este Vietto promete dar uma nova dimensão à capacidade ofensiva do Sporting - e que tão necessária é.

Bruno e, finalmente, Raphinha. Se ficou chateado por não ter tido a transferência que ambicionava, não o demonstra. Hoje foram mais três assistências para Bruno Fernandes, passando o pecúlio para 1 golo e 4 assistências ao fim de 3 jornadas. A boa finalização de Raphinha foi outro dos fatores decisivos. Assinou um golo fantástico a abrir a contagem e foi muito oportuno no tento que fechou o resultado.

Para Keizer pensar. Não discuto que Vietto, num dia mau, pode ser tão inconsequente como Diaby. Mas o jogo de Portimão serviu para demonstrar que o melhor (?) Diaby nunca na vida será capaz de fazer um quinto do que Vietto fez neste jogo. Vietto poderá ajudar menos na defesa, é verdade, mas as carências que temos demonstrado na zona ofensiva obrigam Keizer a aproveitar o talento que tem à sua disposição. Infelizmente, o holandês parece quase paralizado pelos receios das descompensações defensivas. É incompreensível que, com 3-1 de vantagem e muitos jogadores de rastos - incluindo os do Portimonense -, não tenha dado 20 minutos a Camacho ou Plata para irem conquistando o seu espaço. Keizer limitou-se a duas substituições aos 79' e 86', o que, a meu ver, pode ser sinal de que, à semelhança da época passada, não consegue confiar em mais que 13-14 jogadores - com tudo o que de mau isso implica ao nível da gestão do plantel. Já não falta muito para chegarem 6 ou 7 meses a jogar permanentemente duas vezes por semana. É preciso mais coragem, mais audácia, alargar o tal núcleo duro. Se não o fizer, vamos sofrer muito a partir de outubro/novembro.

Vasco Santos, um habitué em decisões polémicas que nos prejudicam. O VAR corrigiu - e bem - a decisão de Xistra em assinalar um livre direto numa falta sobre Raphinha dentro da área. Mas voltaria a intervir - de forma bastante mais discutível - ao anular esse penálti por uma suposta falta de Thierry cometida uns momentos antes. Acontece que: 1) a bola foi jogada por dois jogadores do Portimonense entre o momento da suposta falta de Thierry e a indiscutível falta sobre Raphinha; 2) o adversário fez um movimento diagonal face à linha de progressão de Thierry e colocou-se, sem bola, à sua frente, impedindo-o de continuar a correr - o que poderia ser interpretado como obstrução. Veremos se o critério se irá manter daqui para a frente. O VAR é uma ferramenta fantástica, mas só poderá ser tão boa na medida da competência daqueles que a utilizam. E já sabemos que, em caso de dúvida, a norma é decidir contra o Sporting.

À frente dos rivais, mas sem quaisquer motivos para euforias. O Sporting 2018/19 de Peseiro também teve um arranque bastante positivo. Depois, foi o que se viu. Em 2019/20, os problemas para resolver até ao fecho do mercado continuam a ser muitos. Só temos um ponta-de-lança - que, no máximo, pode ser uma alternativa de banco -, falta um extremo capaz de abanar defesas fechadas - desconheço se algum dos que hoje tínhamos no banco poderá ser esse extremo a curto prazo porque mal os vi jogar -, e, porque começam a ser cada vez mais óbvias as limitações de Doumbia, precisamos de um médio defensivo a sério. Depois... é preciso que Keizer seja capaz de tirar bom partido do plantel que lhe colocarem à disposição. Para já, o pensamento só pode ser um: jogo a jogo.

4 comentários:

  1. Não percebo o problema de Doumbia no 11. Em todos os jogos até hoje tem sido uma peça chave na defesa recupera imensas bolas graças a sua velocidade e apoia sempre os defesas (o msm n se pode dizer de alguns que têm essa obrigação incluindo o defesa direito) e na construção de jogo é o melhor elo de ligação da defesa e o ataque, a sua velocidade aliada ao seu bom domínio de bola, permitem muito facilmente comer jogadores no meio campo criando espaço para wendel e B. Fernandes (jogadores mais ofensivos) construirem oportunidades. Por fim a sua resistência astronómica é sempre útil principalmente quando aquele meio-campo é tão explorado pelo treinador

    Tem algumas lacunas, muitas vezes recupera a bola e perde-a logo a seguir ao tentar levar o seu esforço longe demais e o seu jogo aéreo é de facto algo comparável a uma criança dos sub15. O posicionamente está longe de ser perfeito mas tem melhorado imenso nesse capítulo e isso viu-se no jogo com o Braga.

    O Eduardo tem jogado muito pouco mas talvez seja a alternativa mais fiável que aí vem, já o outro que tanto se fala é só mau demais, nada contra ele até pq nos fez muita falta o ano passado, mas já temos pelo menos um jogador melhor que ele. A ver o que faz keiser, passa Eduardo como alternativa aos dois do meio campo mais ofensivo ou se de facto algum deles salta para o Battaglia entrar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Doumbia tem três problemas, a meu ver. Ainda não percebe que zonas deve pisar em função do que o momento pede, ainda não usa bem o físico que tem para se impor nos duelos defensivos, e precisa de ser mais rápido a decidir o que fazer com a bola nos pés. Acho que efetivamente vai sair do onze quando o Battaglia regressar. O argentino não é melhor com bola, mas defensivamente é muito mais agressivo. O Eduardo ainda parece estar a adaptar-se ao clube, suponho que ainda tarde a ser titular.

      Eliminar
  2. Mestre,

    O problema não é apenas de Doumbia. Ele é bastante agressivo na pressão e rouba muitas bolas, mas depois falha quando tenta sair da nossa zona, seja por falhar passes faceis, seja por levar demasiado tempo a bola consigo, acabando por perdê-la quando pressionado.

    Mas a equipa tem um problema coletivo quer nas transições defensivas, quer na organização defensiva. Keizer não sabe resolver este problema, já o mostrou desde a época passada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida que há problemas defensivos que o Keizer não consegue resolver. Faz-me confusão a facilidade com que os adversários passam a nossa primeira linha de pressão e trocam a bola no nosso meio-campo. Foi assim em todos os jogos até agora...

      Eliminar