sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Cristiano Ronaldo: talento de geração espontânea ou produto da formação?

Há umas semanas, quando Guilherme Aguiar e Rui Gomes da Silva menorizaram a importância da formação do Sporting na construção de Cristiano Ronaldo (e Nani, e Futre), fiquei com vontade de abordar o tema. Um jogador como Ronaldo deve o seu sucesso ao seu talento inato, ou à escola que o formou?


(vídeo: 1m15s)

Como é evidente, a opinião de Gomes da Silva e Guilherme Aguiar não pode ser levada muito a sério. Gomes da Silva já havia dito numa outra ocasião que Ronaldo apenas tinha efetuado 5 jogos pelo Sporting, o que objetivamente é falso. É certo que Ronaldo só fez uma época de sénior no Sporting, mas jogou por 31 vezes em partidas oficiais. Para além disso os dois comentadores estão ao serviço de outros clubes, e diriam exatamente o oposto caso se tratasse de um jogador da formação de Benfica ou Porto, mesmo que tivessem o mesmo tipo de percurso.

Uma outra opinião que defende que Ronaldo não deve nada à formação, é a de Luís Freitas Lobo. No programa Jogo Jogado de 18 de Novembro, Freitas Lobo fez a seguinte argumentação sobre o tema.


(áudio: 56s)

Já em 2003, antes de Liedson chegar ao Sporting, Freitas Lobo escreveu um artigo sobre o brasileiro, onde abordava a temática dos talentos de geração espontânea vs. produtos de formação, do qual vou retirar alguns excertos:

"Os grandes craques são de geração espontânea ou produtos de formação? Eis um debate antigo. Em tese, a formação sempre foi a grande referência. Uma teoria desmoronada quando pisamos terras brasileiras e, por todo o lado, se tropeça em craques como se fossem cogumelos. É o caso de Liedson, revelação do ataque do Corinthians."

"Até 1999, ou seja, até aos 22 anos, em vez de passar pelos escalões jovens, ele trabalhou como mecânico de automóvel, ajudante de pintor e repositor de supermercado, até que, um belo dia, alguém lhe deu uma bola para os pés e provou que os grandes craques não se fabricam, nem se procuram, simplesmente... encontram-se!"

Respeito a opinião de Freitas Lobo, por ser coerente e por não depender do clube em que um determinado jogador se formou, ao contrário de Gomes da Silva e Guilherme Aguiar. No entanto, não estou de acordo com esta visão.

Num planeta com 7.000.000.000 de almas certamente que existirão mais alguns com o mesmo nível de talento, mas que nunca conheceremos porque por um motivo ou por outro não souberam ou puderam desenvolvê-lo.

Liedson foi de facto um excelente jogador que os sportinguistas tiveram a felicidade de ver na sua equipa durante largos anos. A sua história de repositor de supermercado até lhe deu uma aura ainda mais fascinante, uma espécie de Cinderella Man dos tempos modernos. Mas também podemos pensar no que poderia ter sido Liedson se tivesse passado por uma formação competente desde os seus 12, 13 anos.

Será que gente conhecedora, habituada a lidar com jovens cheios de talento, não teriam tido a capacidade de orientar o jogador de forma a trabalhar o seu talento, os seus conhecimentos do jogo, a sua força psicológica e espírito competitivo?

Da mesmo forma que podemos perguntar o que seria de Cristiano Ronaldo se andasse a fazer a reposição dos supermercados Sá aos 19 anos. Uma coisa é certa: aos 18 não estaria no Manchester United. E certamente que hoje não seria o jogador que é.

E continuando ainda num exercício de suposição: imaginemos que Ronaldo não tinha entrado no Sporting aos 12 anos. Continuando no Nacional, seria bem possível que chamasse a atenção de clubes maiores passado pouco tempo. Vamos supor que Benfica ou Porto o iriam buscar com 14/15 anos. Será que a sua ascensão à equipa principal seria tão precoce como foi no Sporting? Dúvido. Não só não há cultura nesses clubes para fazer uma aposta consistente em jovens da formação na equipa principal, como, convenhamos, a qualidade do trabalho de Benfica e Porto nas camadas jovens é inferior.

Não é preciso ser-se um especialista em formação de futebolistas para se poder afirmar isto. Basta ver o aproveitamento das formações dos clubes grandes e a base da seleção portuguesa nos últimos 20 anos para chegar à conclusão que a formação do Sporting é superior à dos seus rivais.

É evidente que Cristiano Ronaldo é o monstro de jogador que conhecemos devido à combinação de um talento invulgar com uma capacidade de trabalho exemplar. Ronaldo tem uma força mental e um ego semelhante a outros desportistas de topo como LeBron James, Kobe Bryant, Michael Jordan, Usain Bolt, Muhammad Ali ou Floyd Mayweather. Atletas que sabem que são fenomenais e que vivem para ser os melhores, trabalhando o que for preciso para o conseguir.

No entanto, Ronaldo dificilmente conseguiria atingir este nível estratosférico se não fosse devidamente orientado e ensinado desde cedo. Não importa o muito talento com que se possa nascer, há sempre espaço para evolução. E quanto mais precoce for essa formação, quanto mais cedo os formadores conseguirem corrigir o que há para ser corrigido, ensinar o que há para ser ensinado, ajudando-o a conhecer-se, tendo em consideração as características físicas, técnicas, mentais do jovem jogador que têm à frente, as possibilidades que terá no futuro serão muito mais amplas.

Isto aplica-se para tudo na vida. A formação potencia o talento e a capacidade inata de um indivíduo. É claro que a formação não cria talento onde ele não existe. A formação cria competência na utilização e no aperfeiçoamento do talento com que a pessoa nasceu.

Mozart é um dos maiores génios de sempre da música. Aos 5 anos tocava para a realeza austríaca. Se o pai não fosse professor de música, será que a história teria sido a mesma?

No caso do Ronaldo, um conjunto de fatores aliou-se de forma a produzir um dos melhores futebolistas na história. Talento, força mental, formação jovem de topo (Sporting), continuação da sua formação no ambiente mais competitivo do mundo (Manchester United), contando sempre com pessoas que colocaram a evolução do jogador no topo das prioridades, tendo paciência e não queimando etapas na sua progressão.

Portanto, Ronaldo é um talento de geração espontânea ou um produto da formação? Na minha opinião, as duas. Tire-se uma delas e o jogador não seria o que é hoje.

Para terminar, deixo aqui umas declarações de Aurélio Pereira no programa Quinta da Bola, no passado dia 21. Se há alguém que sabe, é ele.

O Cristiano, depois de sair do Sporting, entrou no clube certo com o treinador certo. A formação que o Sporting lhe deu, que na minha opinião é a mais importante, ou seja, é o leite materno, é o desenvolvimento de todas as qualidades sem fazer asneiras, sem especialização precoce, ajustado ao seu físico, deixando o miúdo crescer, que infelizmente é aquilo que não se vê muitas vezes. E se nós olharmos para muitos craques brasileiros, carregados já de trabalho precoce, de vitaminas e não sei que mais, e quando chegam aqui à Europa têm uma carreira curta. O próprio Figo, e os jogadores que não são sujeitos a trabalhos forçados, têm uma longevidade totalmente diferente. O Figo fez uma carreira a um nível altamente elevado, sempre daquela bitola. Todos os jogadores da formação do Sporting mantêm níveis exibicionais exatamente porque a cultura não é fazer equipas, é fazer jogadores.
Quando o Boloni chamou o Ronaldo para fazer a pré-época, nós estávamos a disputar a fase final do campeonato nacional de juvenis, era para nós importante ganhar esse campeonato, estávamos em Junho. O que é que a formação do Sporting fez? OK, vais fazer a pré-época, não vais disputar os jogos que faltam do campeonato nacional, não te importes com isso. Foi com um programa específico para casa, descansar, para depois vir à pré-época perfeitamente seguro e tranquilo. Isto é que se chama formação. E o Sporting acabou por perder esse campeonato, mas ninguém se queixou. O Sporting não perdeu esse campeonato, o Sporting ganhou esse campeonato, porque ganhou um jogador.
E é nessa função, quando no ano passado perdemos o campeonato nacional de júniores, algumas pessoas podem ter ficado muito incomodadas, eu diria que nós ganhámos um campeonato nacional de júniores. E porquê? Porque tínhamos na primeira equipa o Bruma e o Eric. As pessoas têm que perder essa mentalidade de que é ganhando campeonatos que se trabalha bem. Não é assim.

8 comentários :

  1. Muito muito, muito bom!!!

    Parabéns adoro ler os teus posts e saber que alguém como eu não se deixa enganar por supostos especialistas da bola que encontram sempre uma forma de menosprezar o nosso clube!

    Temos cometido erros gritantes, é verdade! Mas somos sempre os primeiros a reconhecê-los, infelizmente nesta sociedade essa qualidade é sempre aproveitada para nos apontar o dedo! Mas ok estamos na luta e espero que sempre unidos e com sentido critico para podermos sempre melhorar.

    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, caro anónimo. Devemos ter sempre um espírito crítico que nos permita reconhecer quando o trabalho não está a ser bem feito. Felizmente, pela primeira vez em muitos anos, temos uma estrutura que parece seguir um rumo bem definido e coerente, pelo que não só os sportinguistas estão otimistas em relação ao futuro, como enche de azia os paineleiros e comentadores que sempre sentiram uma enorme satisfação ao criticar o Sporting.

      Não tendo material para criticar, decidiram agora virar as agulhas para a formação do Sporting, rebaixando-a em relação à do Benfica só porque têm ganho mais títulos nos escalões jovens e porque têm 3/4 jovens que prometem muito.

      As palavras do Aurélio Pereira, na minha opinião, fecham o tema. Uma coisa é trabalhar para títulos na formação, outra coisa é trabalhar para ganhar jogadores. E, em termos de ganhar jogadores, Porto e Benfica têm que comer muita papa cerelac antes de poderem reclamar o estatuto que tem a formação do Sporting.

      Obrigado pelo comentário e um abraço.

      Eliminar
  2. Os posts estão com uma bitola muito elevada. Os meus sinceros parabéns!
    Para quem vai postando apenas uns bitaites, reconheço aqui um grande trabalho.

    Força nisso!

    ResponderEliminar
  3. Muito bom!

    E quanto ao programa em causa, é pena que ande por lá o ROC, um tipo que tem tanto de mal preparado como de bem bebido. Não seria preciso muito para por os outros dois no seu lugar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei, secretário. Os outros dois (principalmente o RGS) têm um tal descaramento que até podia estar ali o Papa (o do Vaticano) a dizer que não estão a ser sérios, que eles tentavam na mesma arranjar uma forma de o descredibilzar. :)

      Agora mais a sério, eu acho que a SIC Notícias quer paineleiros que tenham muita capacidade de encaixe para aguentar as coisas que o RGS vai dizendo. Tipos bon-vivants, que apreciem as coisas boas da vida. Eles sabem que é o RGS o principal chamariz do programa, e não querem terem lá outras pessoas que o confrontem com demasiada competência, senão ele farta-se e vai-se embora.

      Eliminar
  4. Sr. Mestre de Cerimónias gosto muito dos seus comentários, parece uma pessoa equilibrada e sensata. Em relação ao nosso correligionário no programa Dia Seguinte, até mete dó, tantas vezes é ridicularizado e o Sporting come por tabela. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro anónimo, obrigado pelas suas palavras. Um abraço.

      Eliminar