sexta-feira, 3 de novembro de 2017

As contas dos três grandes

Finalmente, já se pode fazer uma comparação entre os relatórios anuais de Sporting, Benfica e Porto. Comecemos pelos proveitos operacionais:


À semelhança do que se tem verificado nas últimas épocas, o Sporting consegue ter números idênticos aos de Benfica e Porto naquilo que depende diretamente dos seus adeptos. Ao nível da vertente corporate, no entanto, continua distante dos seus rivais, apesar de se verificar uma certa aproximação em algumas dessas componentes.


Direitos TV: os valores que o Sporting recebe atualmente são superiores aos do Porto, graças à renegociação do contrato com a PPTV. Em 2017/18 os valores deverão manter-se, com a possibilidade de haver ligeiras variações em função daquilo que se receberá do marketpool da UEFA. O Benfica cumpriu o seu primeiro ano do novo contrato televisivo, conseguindo, com isso, um aumento significativo em relação à época anterior. Esta vantagem do Benfica manter-se-á em 2017/18, mas deverá ser anulada em 2018/19 com a entrada em vigor dos contratos de Sporting e Porto com a NOS e Meo, respetivamente.

Bilhetes de época: a qualificação direta para a Liga dos Campeões, depois de uma época de ausência, permitiu ao Sporting registar um aumento de 24% nas receitas com os bilhetes de época em 2016/17. Um aumento significativo que coloca o Sporting à frente dos rivais - e a uma grande distância do Porto.

Bilheteira: a fraca prestação desportiva do Sporting fez com que esta fonte de receitas estagnasse face a 2015/16. As excelentes casas com o Real Madrid e Dortmund acabaram por compensar, de certa forma, as receitas que se deixou de fazer nas competições internas, das quais nos deixámos afastar muito prematuramente. O Benfica foi, como se esperava, a equipa que mais dinheiro fez com a bilheteira, graças à excelente carreira nas competições nacionais e na Liga dos Campeões, que proporcionaram várias casas cheias. É previsível que em 2017/18 o panorama mude, se se confirmar a provável eliminação nas competições europeias e se se mantiver uma prestação abaixo das expectativas no campeonato.

Merchandising: o Benfica é a equipa que, de longe, mais dinheiro faz nesta categoria. Note-se, no entanto, que as receitas de merchandising pertencem ao clube, e não à SAD benfiquista. Apenas coloquei aqui os valores para haver um termo de comparação. O Sporting registou um aumento de 21% face a 2015/16, mas continua, na minha opinião, longe de explorar de forma perfeita o seu merchandising. A gama de produtos disponíveis continua reduzida - apesar de estar a melhorar - e as limitações físicas da loja verde também não ajudam.

Camarotes e Business Seats: apesar de ter mantido em 2016/17 o ritmo de crescimento das suas receitas corporate na ordem dos 15%, o Sporting continua a uma grande distância dos seus rivais. Continua a haver muito trabalho a fazer nesta área - não é compreensível que continue a haver tantos camarotes vazios em Alvalade.

Patrocínios e publicidade: as receitas do Sporting aumentaram 18% em relação a 2015/16 porque, ao contrário dessa época, houve patrocinador da camisola durante 2016/17 completo. Ainda assim, é um crescimento que, para mim, fica abaixo das expectativas. O fosso para o Benfica, que continua a ser o clube mais capaz de atrair patrocinadores, é muito significativo.

Prémios UEFA: a vantagem do Benfica e Porto para o Sporting é enorme, graças à boa campanha na fase de grupos de ambos os clubes e ao apuramento para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. O Sporting somou pouco mais do que o prémio de participação, pois ganhou apenas um jogo nos seis em que participou. Esta época, graças à vitória no playoff e perante a perspetiva de conseguir mais pontos e continuar a carreira na Liga Europa, é expectável que o Sporting tenha um nível de receitas bastante mais interessante.


Quanto aos custos operacionais, o Sporting voltou a aumentar os gastos com os salários da equipa de futebol, aproximando-se do Porto. Ainda assim, continuou a ser o clube que menos gastou, já que o Benfica também registou um aumento semelhante. O Sporting continua a ser, de longe, o clube que menos custos tem ao nível dos FSE's (contratação de serviços, deslocações e estadias, comissões, gastos com publicidade e propaganda, honorários, etc.).


Um dos pontos fulcrais passa pela realização de mais-valias na transferência de jogadores. Os números apresentados foram os seguintes:


Pela primeira vez em muitos anos, o Sporting conseguiu ter vendas superiores às do Porto, graças, sobretudo, às transferências de João Mário e Slimani realizadas no início de 2016/17. Nestas contas ainda não entra a venda de Adrien Silva para o Leicester. O Benfica conseguiu um conjunto de vendas excecional, em que encaixou não só valores consideráveis com algumas das figuras da equipa, mas também amealhou mais uns milhões significativos com vendas de percentagens de passes que não faziam parte do plantel e direitos sobre mais-valias de atletas vendidos em anos anteriores: Ederson, Lindelof, Gonçalo Guedes, Hélder Costa, Sidnei, André Gomes, Marçal e Nelson Oliveira. As vendas de Nelson Semedo e Mitroglou foram fechadas já em 2017/18. Muitos destes negócios foram realizados em mendilhões, pelo que devem ser tomadas as devidas reservas em relação ao dinheiro que efetivamente entrou nos cofres benfiquistas.

Uma coisa se mantém: todos os clubes teriam apresentado resultados negativos se não fossem as mais-valias realizadas com a transferência de jogadores. Infelizmente, o Sporting aproximou-se bastante dos maus vícios dos seus rivais, devido a um significativo aumento dos gastos salariais com o plantel que não foi acompanhado por um crescimento proporcional das receitas ordinárias.


Para concluir, observemos os números do endividamento bancário e obrigacionista:


Benfica e Sporting aproveitaram as vendas realizadas para reduzir o seu endividamento. De notar que o Sporting o reduziu em cerca de 5 milhões, mas a maior fatia dos reembolsos foi calendarizada para julho de 2017, ou seja, já fora do período deste relatório e contas. Será expectável, portanto, que o Sporting registe, no 1º trimestre de 2017/18, uma redução ainda mais significativa dos seus empréstimos bancários. O Benfica conseguiu, pela primeira vez, abater de forma acentuada o seu endividamento, em cerca de 30 milhões. Veremos se esta tendência será ou não para se manter. No Porto, devem estar a tocar todos os alarmes: neste período de quatro anos sem títulos, o endividamento da SAD mais que duplicou (de 91,8 para 191,9 milhões). Uma cavalgada preocupante que demorará tempo a ser corrigida: duvido que os cortes que o Porto realizou sejam suficientes para inverter este cenário já em 2017/18, pelo que o endividamento deverá continuar a subir.

Resumindo, as contas de Sporting e Benfica são positivas, mas estão demasiado dependentes da realização de mais-valias em vendas. O Sporting tem uma estrutura de custos bastante controlada, mas podia e devia controlar melhor os gastos com o plantel - há vários jogadores com salários elevados que não dão o retorno desportivo esperado - e tem de apostar mais fortemente em determinadas fontes de receitas que estão a ser subaproveitadas.

No caso do Benfica, parece-me difícil que esta conjugação de fatores - sucesso desportivo arrasador e valorização exponencial de ativos - se prolongue muito mais no tempo. Mesmo considerando que o Benfica é o clube com fontes de receitas mais diversificadas, continua a ter uma estrutura de custos pesadíssima para manter a máquina a funcionar, o que poderá constituir um risco enorme para as contas caso os resultados desportivos e a valorização de atletas comece a abrandar. Como se viu no caso do Porto, bastou um par de épocas más para a SAD entrar numa espiral de prejuízos difícil de inverter - sendo que, no caso do Benfica, o nível de dependência atual do dinheiro alheio é incomparavelmente superior ao que o Porto tinha quando acabou o seu ciclo de hegemonia.

O Porto continua metido numa espiral terrível. Continua a apresentar receitas ao nível do Sporting e custos ao nível do Benfica, o que se traduz em prejuízos consideráveis e difíceis de inverter. A SAD parece consciente para isso e a ausência de investimento na equipa de futebol neste defeso ajudará a abrandar o nível de perdas. No entanto, em contrapartida, os custos com salários continuam muito elevados, a estrutura não parece estar a sofrer grandes cortes, e ainda há a compra definitiva de Oliver por 20 milhões que está agendada para dezembro de 2017 - o que significa que o Porto continuará a estar demasiado dependente das vendas de jogadores para apresentar resultados positivos. O porta-aviões começou agora a mudar de direção, para já de forma algo lenta. A velocidade da inversão de rumo dependerá da rapidez e dimensão dos cortes ao nível da equipa de futebol e da estrutura.

32 comentários:

  1. Benfica, excelentes contas.
    Porto, está-se a afundar.
    Sporting, está a tentar sair do poço, mas o extraordinário aumento dos custos operacionais está a comprometer tal tarefa. Aliás com Jesus ao leme, é quase impossível que esse aumento não seja cada vez maior, época após época, e com os nulos resultados que se sabem.
    Mais uma vez saliento a importância da revalidação do título de campeão nacional por parte do Benfica. Um rival sucumbia por afogamento e o outro via o poço a escalar ficar cada vez mais alto e quase impossível de trepar. A próxima vez que for à igreja, vou mandar o padre rezar uma missa para que tal aconteça.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dar-te os meus parabéns pelas contas da tua agremiação corrupta pois voaram 45 milhões de euros em comisssões e por teres um guarda-redes como o melhor marcador da tua equipa nas competições da UEFA.

      De resto 10 golos sofridos,um marcado e mais duas penalidades assinaladas.Quando os corruptos dos padres não podem fazer nada é a vergonha que se vê.

      #CircoSvilar

      Eliminar
    2. 1. Padre = corrupção
      2. Benfica usa padres
      3. Benfica = corrupto
      SL

      Eliminar
    3. Esse zumbido são feromonas para mim, Jotinha.
      Quanto à realidade, que com o Jud Jesus os custos operacionais não param de aumentar, nem um comentário.

      Eliminar
    4. Benificia, excelentes contas, 14 anos sem qualquer auditoria independente. Vai ser bonito, vai...

      Eliminar
    5. Muito boas contas do benfiquistão, ate dá para gamar 45 milhões que os abelhudos dos adeptos nem questionam, ahahahhahahahaahh



      Eliminar
    6. Quanto à realidade: qual é qual é qual o clube que mais uma vez bateu outro recorde desta feita ser o primeiro cabeça de série a ter 0 pontos na champions?

      Eliminar
    7. Ides carimbar o PENTA no próximo dia 22-11 quando o CSKA vos sodomizar pela quinta vez.

      Eliminar
    8. Cara rena o Jorge "Judas" Jesus já não está no SLB para 3 anos e no entanto os vossos custos operacionais continuam a subir.

      Eliminar
    9. Sérgio, no Benfica isso tem a ver com os magníficos gestores que por lá trabalham e com os seus vencimentos mais que justos. E tiveram um aumento na componente variável devido às excelentes contas apresentadas.
      Já no Sporting é o que sabemos, as contratações do Jud Jesus levam ao descalabro financeiro.

      Eliminar
    10. Curioso foi com JJ e BdC que tivemos os maiores lucros e maiores vendas de sempre...

      ...essas mentiras saem-te com naturalidade ou fazes um esforço rudelfo?

      Eliminar
    11. Oh Rena Rena!!.. Estás de volta!

      Há muito mais coisas para "compor as contas" para além dos 'Mendilhões'... mas os números "essenciais" não enganam.

      O Sporting É O UNICO Q TEM AS CONTAS CONTROLADAS.

      VÊ as receitas de direitos televisivos, bilheteira diversa, e o Sporting é o único cujos valores coincidem com o gasto com pessoal... aliás já a partir da próxima época estes vão aumentar certo em cerca de 15 milhões (durante 10 anos), pelo que se os custos com pessoal subirem um pouco acima dos 70 milhões, está mais que coberto.

      Já o Dopados Clube do Porco e o Merdica com chorões agarrados à teta, e custos com pessoal acima dos 100 milhões (Merdica acima dos 120)!!! ... Não admira que recorram a doping padres missas e bruxarias...

      As compras e vendas de Jogadores não tem nada a ver com o Jasus, como se vê com ele agora no Sporting vai para 3 anos (q tu tão bem mal!, te esforças por esquecer) , mas com as condicionantes de estar no carrossel mágico do Mendes q não tem um.. alho dum FDP dum jogador! ... q como muitos comentadores afectos ao Merdica já disseram até é mentira, mas está longe do que já foi... isto e o nunca a subir claques, fala enciclopédias de quem afinal é o mentiroso compulsivo (e atenção que o Mendez não precisa de ter passes de Jogadores, o que até é proibido por FIFA e UEFA, nem precisa de agenciar directamente jogadores (até já tentou negociar o Adrien quando já não era dele)... o q ele quer é comissões, quer seja pela porta do cavalo, ou a representar oficialmente os interesses do Merdica... err... do orelhas & mendez... ).

      Eliminar
  2. Estando-me, evidentemente, cagando para os resultados das contas dos outros, deixo de estar quando cheira a esturro, quando cheira a batota. E esses 'direitos de tv' mais os'patrocínios e publicidade' do carnide têm vindo a ter um boost, há muitos anos, sustentado na falácia das contas de merceeiro aos 'milhões' de adeptos. Todos nos lembramos do cetáceo guerra de panfleto na mão, em directo, acenando com os milhões dos q nem valem 1 euro. Isso e as já aí citadas vendas em mendilhões. Fora as arbitragens, mesmo nas putas das contas isto tem vindo a ser uma rebaldaria do caralho, mas sempre a seguir para bingo. Camarilha dum cabrão.

    ResponderEliminar
  3. Bom post. Números e factos e muito pouca cartilha, para variar.

    Não percebi a cena dos mendilhões e desse gráfico. Aquilo são só as vendas ou a diferença entre vendas e compras? É que não tem grande valor 1 gráfico a mostrar as saídas se depois não mostra o balurdio que alguns clubes (SLB, nomeadamente) depois queimam a contratar paletes de gajos.

    Se aquilo são entradas e saídas... não minimiza isso o efeito "mendilhões"?

    Achei muito curioso o valor da bilheteira de época. Excelente resultado do SCP. Que - teoricamente - tem menos adeptos. Gostava de ver uma comparação entre a média de espectadores em jogos e o numero de bilhetes de época.

    Porque no fundo é esse o trabalho de promoção dos clubes durante a época. Os bilhetes de época são vendidos logo ao inicio. A diferença entre isso e o publico em cada jogo é a cativação que os clubes tem também que se aplicar: ir buscar regularmente a malta que nao tem bilhete de época, e por isso só vai a bola quando a equipa está bem, o jogo interessa, o preço atrai, etc, etc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vai ao Google e escreve "mais valias definição".
      Depois tenta perceber o que significa passivo e activo.
      A seguir lê alguma coisa sobre resultados contabilísticos e balanços.

      Relativamente aos bilhetes época vs normais, tudo o que dizes é óbvio. O que também é óbvio é que a motivação de adeptos para ir ver jogos depende quase exclusivamente dos resultados. Problema: resultados dependem menos de qualidade desportiva e mais de jogadas de bastidores.
      Logo, muito dificilmente se irá aumentar essa parcela (de forma consistente e meritória) sem limpar o lodo em que se transformou o futebol português.
      Mesmo assim, é também sabido que adeptos Sportinguistas são os que mais apoiam, independentemente de forma e classificação. Mesmo na travessia do deserto, tivemos sempre médias perto de 30k.

      Eliminar
  4. Isso dos patrocínios tem muito que se lhe diga. Vê por exemplo o contrato deles com a ADIDAS. Depois repara no valor que aparece lá para o equipamento desportivo, pagam o triplo pelo material deles. Mete de um lado tira do outro. LOL!

    ResponderEliminar
  5. ATENÇÃO:

    O SLB na Champs esta época está a receber ZERO € = 0 pontos. Já não há muito para vender. Luisão? Sálvio? Vendem o treinador? Depois da péssima prestação acho que nenhum clube quer contrata o Vitória.

    Excelente trabalho, se o SCP ganhar ao Olimpiacos (7 pontos acho que é um recorde para os leões, com boa receita) e acontecer um milagre na ultima jornada perspectiva-se um ainda melhor encaixe financeiro nas contas desta época com passagem próxima fase.

    ResponderEliminar
  6. No Brasil, nos canais TV que passam o campeonato português, ESPN e BandSports, não passa o Sporting. No primeiro passa o benfica e no segundo o porto. Há alguém a trabalhar mal no Sporting para deixar o clube sem aparecer nas tvs brasileiras.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Igual em Inglaterra. Deixei de assinar a BT Sporting porque embora tenham os direitos da Liga NOS quase nunca passavam jogos do Sporting, ou portugueses de todo, e normalmente era um carnide v aflito em vez de um Sporting v equipa que lute pela Europa.


      Existe uma lacuna no mercado para malta que não quer assinar pacotes inteiros de futebol só para ver um ou outro, especialmente para emigrantes. Os clubes podiam reservar alguns dos seus direitos para oferecer imagens pela internet através da Sporting TV por exemplo.

      Eu até assinava a SportTV só que é complicado demais: tenho que comprar a box em Portugal.

      Eliminar
    2. Aliás estive recentemente no Brasil e ninguém sabe quem é o Sporting de Portugal, nem o de Lisboa. Suponho que na Europa se passe o mesmo.
      Agora quando se fala do Benfica, toda a gente o reconhece.
      Esta a razão de não passarem jogos do desconhecido Sporting.

      Eliminar
    3. O ano passado o EI passava todas as semanas os três grandes. Foi uma época muito interessante do ponto de vista televisivo. Muita gente no twitter a acompanhar os jogos, muitos brasileiros a seguir o campeonato, inclusive os mecânicos do stand do meu carro no início da liga deste ano falaram comigo sobre o Sporting, como se tinha reforçado bem etc. Vai daí o EI perdeu os direitos este ano e o campeonato português perdeu muita visibilidade. Os jogos do benfica na ESPN em geral são em canais secundários, que exigem assinaturas mais caras, como a ESPN+, são muito menos seguidos e menos comentados no twitter do que eram o ano passado. A BandSports já é um canal que muito mais gente tem mas como se perdeu a dinâmica de transmissão do campeonato, da disputa dos três grandes, também é uma transmissão muito menos mobilizante.

      A meu ver houve um grande prejuizo de visibilidade do campeonato português no Brasil do ano passado para este no Brasil com a mudança dos direitos - acho que a ESPN comprou mais para que a EI não os tivesse - e do Sporting - que praticamente desapareceu da tv.

      Eliminar
    4. Podias lá ter ficado rudolfo.

      #PorUmPortugalMaisLimpo

      Eliminar
  7. Quem vê estas contas, percebe quão importantes são o Jesus e o contrato televisivo para o Sporting. O primeiro para eliminar com a sua qualidade a diferença entre os orçamentos, o segundo porque é aí que reside a maior diferença entre o Benfica e os restantes.

    ResponderEliminar
  8. Referir igualmente que, anulando a diferença entre prémios UEFA e as receitas televisivas, as receitas operacionais do Sporting diferem em cerca de 20 milhões de euros do Benfica. Temos de reduzir esta diferença nos próximos anos.

    ResponderEliminar
  9. "o Sporting consegue ter números idênticos aos de Benfica e Porto naquilo que depende diretamente dos seus adeptos."

    O Mestre refere-se a quê? A única coisa que o Sporting consegue igualar é nos "bilhetes de época" e mesmo isso é bem diferente de "bilheteira"! heheh

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cumprimentos também para ti, ó hiena.

      Eliminar
    2. Mas existe uma grande diferença, no Sporting o dinheiro não desaparece.

      Eliminar
  10. Caro Sr. Mestre,
    Quero cumprimentar-lhe pela análise ao R&C das 3 SAD's.
    No entanto, gostaria de transmitir-lhe que considero que porventura poderia ser mais completa.
    Primeiro, de facto eu considero que o passivo remunerado (dívida financeira onde incidem juros) é um ponto de análise/evolução de grande importância. No entanto não considero de todo negligenciável/insignificante a análise/evolução do passivo total. Assim sendo considero que deveria incluir na sua análise a evolução do total do passivo/activo das SAD's, como aliás tem vindo a fazer nas suas análises anteriores.
    Segundo, considero de vital importância uma análise à evolução dos custos financeiros/juros e desse modo aferir se passivo se encontra onerar em tal magnitude que impossibilita a obtenção de lucros.
    Terceiro, considero no mínimo curioso o seu gráfico referente ao impacto das mais valias com transferência de jogadores, mais ainda quando não faz nenhuma análise ao resultado operacional (diferença entre receitas ordinárias com despesas ordinárias sem inclusão de verbas extraordinárias/venda de jogadores). Pois considero, o resultado operacional, um dado de significativa importância a avaliar o equilíbrio operacional e desse modo aferir as necessidades de realizar receitas extraordinárias/venda de jogadores. Assim sendo a sua extrapolação dos dados referentes ao impacto das mais valias na transferência de jogadores, onde considero que senhor, intencionalmente quis ocultar o desequilibro operacional, através da inclusão das amortizações e perdas por imparidade, sem incluir o resultado referente à transacção de direito de passes de jogadores. Posso confidenciar-lhe que quanto maior for o valor contabilístico do plantel, maior será o valor referente às amortizações e perdas por imparidade no direito de passes de jogadores.
    Por último, tendo em conta aos dados que referi, que deveriam fazer parte da sua análise, faço-lhe uma simples questão, qual das SAD's se encontra em melhores condições económico/financeiras?
    Cumprimentos,
    Santos

    ResponderEliminar
  11. Venho reforçar a publicação do meu comentário. Dado que já passaram mais de 12 horas deste que tentei publicar este comentário, sem que ainda tenha sido autorizado pelo gestores do blog.

    Caro Sr. Mestre,
    Quero cumprimentar-lhe pela análise ao R&C das 3 SAD's.
    No entanto, gostaria de transmitir-lhe que considero que porventura poderia ser mais completa.
    Primeiro, de facto eu considero que o passivo remunerado (dívida financeira onde incidem juros) é um ponto de análise/evolução de grande importância. No entanto não considero de todo negligenciável/insignificante a análise/evolução do passivo total. Assim sendo considero que deveria incluir na sua análise a evolução do total do passivo das SAD's, como aliás tem vindo a fazer nas suas análises anteriores.
    Segundo, considero de vital importância uma análise à evolução dos custos financeiros/juros e desse modo aferir se passivo se encontra onerar em tal magnitude que impossibilita a obtenção de lucros.
    Terceiro, considero no mínimo curioso o seu gráfico referente ao impacto das mais valias com transferência de jogadores, mais ainda quando não faz nenhuma análise ao resultado operacional (diferença entre receitas ordinárias com despesas ordinárias sem inclusão de verbas extraordinárias/venda de jogadores). Pois considero, o resultado operacional, como dado de significativa importância para avaliar o equilíbrio operacional e desse modo aferir as necessidades de realizar receitas extraordinárias/venda de jogadores. Assim sendo a sua extrapolação dos dados referentes ao impacto das mais valias na transferência de jogadores, onde considero que senhor, intencionalmente quis ocultar o desequilibro operacional, através da inclusão das amortizações e perdas por imparidade, sem incluir o resultado referente à mais valia na transacção de direito de passes de jogadores. Posso confidenciar-lhe que quanto maior for o valor contabilístico do plantel, maior será o valor referente às amortizações e perdas por imparidade no direito de passes de jogadores.
    Por último, tendo em conta aos dados que referi, que deveriam fazer parte da sua análise, faço-lhe uma simples questão, qual das SAD's se encontra em melhores condições económico/financeiras?
    Cumprimentos,
    Santos

    ResponderEliminar
  12. Caro Sr. Mestre,
    De facto, no meu comentário anterior referi dados que poderiam fazer parte da sua análise, no entanto depois de ter lido novamente a sua publicação, ocorreu-me que esqueci-me de um dado, que porventura da maior importância, que tanto eu como o senhor partilha da mesma opinião (opinião relatada em publicações anteriores), dado este que consiste na evolução (registo/gráfico) dos resultados líquidos referentes a cada exercício/época. Projectando um gráfico com os resultados líquidos dos últimos 5 exercícios/época, com a respectiva suma para aferir os resultados acumulados nesse período de 5 anos. Assim deste modo poderemos observar, como o senhor referiu em publicações anteriores, se as SAD's estão ou não "perder/ganhar dinheiro".
    Cumprimentos,
    Santos

    ResponderEliminar
  13. Onde estão os dados referentes aos outros clubes?

    ResponderEliminar