terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

O eufemismo do ano: "interpretação desajustada"

O Conselho de Arbitragem emitiu ontem um comunicado para esclarecer a polémica do golo anulado a Doumbia no Sporting - Feirense:


Saúda-se a preocupação da FPF em esclarecer o público sobre qual a decisão que deveria ter sido tomada, mas, por outro lado, não se entende o pudor que leva o CA a não dizer concretamente a que lance se refere. Toda a gente percebe que é do golo de Doumbia que se está a falar. Há algum motivo lógico para não o indicarem explicitamente?


O esclarecimento dado sobre o que é a fase de ataque é muito importante, mas mais uma vez não faz qualquer sentido o público ser informado apenas agora disto. Tendo havido um "esclarecimento recente aos árbitros portugueses" (quão recente? semanas? meses?), significa que andámos todos desinformados em relação ao âmbito da intervenção do videoárbitro - o que tem sido transmitido e debatido publicamente é que a análise do VAR pode recuar até ao momento em que a equipa que marcou o golo recuperou a posse de bola. Esta omissão por parte da FPF é um péssimo serviço prestado ao futebol: que sentido faz manterem adeptos, jornalistas e comentadores alheados das indicações que os árbitros devem seguir?

Ora, segundo este comunicado, a fase de ataque pode ser bem mais curta do que o período que compreende o momento em que a equipa recuperou a posse de bola e o momento em que marcou golo: basta que uma equipa deixe de procurar rapidamente a baliza adversária para acabar uma fase de ataque e iniciar outra. O conceito parece-me fazer sentido, pois é consistente com o espírito que rege o VAR nos lances do golo: eliminar erros grosseiros com impacto elevado no desfecho da jogada. Faz particularmente sentido quando há equipas como o Barcelona que mantêm a posse de bola durante períodos prolongadíssimos até atacarem a baliza - não faz sentido recuar-se um, dois ou três minutos à procura de uma falta. No entanto, esta definição de fase de ataque traz um novo tipo de problema: insere mais um nível de subjetividade, porque nem sempre um passe para trás implica uma interrupção numa fase de ataque.

Mas, centrando no que é essencial: descrever o erro de Manuel Oliveira como "interpretação desajustada" é estar a brincar com as pessoas. Interpretação desajustada pode acontecer em situações de subjetividade, o que não é definitivamente o caso em questão. Aliás, à luz desta nova definição, o erro de Manuel Oliveira é ainda mais gritante. É impossível não ter sido deliberado, pelo que é imperativo que existam consequências para o árbitro. Aquilo que se passou no domingo tem de ser investigado e punido em conformidade. Não pode haver lugar a qualquer tomada de posição corporativista, pois, a bem da reputação da classe, os árbitros flagrantemente desonestos e incompetentes não podem continuar a ser defendidos. Manuel Oliveira simplesmente não pode continuar a apitar jogos de futebol.

P.S.: já agora, não é apenas Manuel Oliveira que está a precisar de uma reciclagem profunda de conhecimentos. Pouco depois do final do jogo, Nuno Sousa, comentador da RTP 3, fez o seguinte comentário ao lance do golo de Doumbia:


O lance é bem invalidado. O Sporting não se pode queixar, até porque foi um dos defensores públicos do videoárbitro. O Sporting só se pode queixar de si próprio. Sinceramente, ouço este discurso e imagino Carlos Janela sentado em frente à televisão a bater palmas de aprovação.

18 comentários :

  1. Para quem trabalha este Nuno Sousa ao afirmar estas coisas?
    Que palhaço...

    ResponderEliminar
  2. Pois, eles mandam cá para fora comunicados, mas nunca mencionam o nome do Sporting. E isso não é por acaso, pois assim, em caso do clube pedir qualquer contrapartida (punicão para o arbitro, por ex) podem sempre dizer que apenas emitiram um esclarecimento, e que não tem nada a ver com o lance em questão.

    ResponderEliminar
  3. Se até na 1 jornada do ano zero do VAR seria um lance imperdoável quanto mais quando já decorreram 22 jornadas..invocar desconhecimento ou lapso na interpretação nesta fase do campeonato ,só pode ser anedota.
    Há um sistema por trás disto que defende os ladrões de serviço.
    As próximas arbitragens vão ser elucidativas porque vamos ver mais do mesmo,os outros 2 no colinho e o SCP a ser roubado.

    PS:Aquele penalti escandaloso que ficou por marcar naquele lance do controle e transporte orientado com o braço do jogador do Feirense aos trinta e tal minutos também merece ser enaltecido e não esquecido.
    PS2:A PJ já foi mais vezes ao estádio da lixeira do que os lampiões sofreram penaltis neste campeonato.

    SL

    ResponderEliminar
  4. Pode aproveitar o título e fazer um post sobre o não castigo ao coentrao... Ah... aí já não interessou a diferença de castigo entre ele e o SC.

    ResponderEliminar
  5. Agora é às claras. Guerra total em marcha.

    O Nuno Sousa não só é um estúpido que não percebe nada de futebol, como também decidiu caracterizar-se de Drag Queen - viram aquelas sobrancelhas?!

    ResponderEliminar
  6. A ânsia do árbitro em empurrar o Sporting para a vitória era tanta, que não quis ver aquela falta flagrante pelas costas e que qualquer bola na cabeça do adversário é transformada em penalti a favor do Sporting. O pé em riste do Mathieu no segundo golo também "passou em claro" ao árbitro. Depois deu origem à situação descrita que, no fundo, fundamenta a anulação de qualquer golo pois existirá sempre à anteriori uma falta que não foi marcada, nem que seja no primeiro tempo e já esteja a decorrer o segundo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se a burrice imposto... havia uma rena toda carimbada. O árbitro mesmo que tenha visto uma suposta falta de Bruno Fernandes terá feito bem em não a assinalar porque a bola segue para o Feirense. O que só torna mais grave a situação. Não é só o Manoel Oliveira que se esquece de mostrar ao colega a sequência do lance, como o Luis Ferreira se esquece de pedi-la e do motivo porque tinha um minuto antes dado (bem) a lei da vantagem. São memórias muito selectivas.
      Outra coisa muito grave e que aconselha castigo grave ao video-árbitro é que ele, com a sua artimanha, pode não só estar a prejudicar a verdade desportiva (e um clube em particular), como pode estar a prejudicar a classificação de um colega (que concorre com ele no quadro de árbitros de 1ª categoria). Aliás, este é um bom motivo para que, a médio prazo, haja, um quadro de video-árbitros especializado e independente dos árbitros de campo.

      Eliminar
  7. Mais um nojento que para ali anda.
    O Sporting devia por o video do chaves -porto e porto -sporting para dizer aos Var's que golos deveriam ter sido anulados e o que é uma fase de ataque.

    ResponderEliminar
  8. Inacreditavel, santa estupidez. Que gajo mais burro.

    ResponderEliminar
  9. Interpretacao desajustada, Dolo sem intencao, Defice positivo -- a historia do Sporting reescreve-se todas as epocas com novos e ricos eufemismos.
    A Unica diferenca e' que por grande merito da equipa (nao fossem as duas grandes defesas do Rui e estariamos provavelmente a chorar sobre leite derramado..), desta vez este eufemismo nao nos custou pontos.
    Unidos, contra tudo e contra todos, SPORTING!!

    ResponderEliminar
  10. Mais um para memória futura e para juntar ao vasto e inovador vocabulário futebolístico tuga. Ao nível dos dolos sem intenção e outros que mais. Denominador comum: prejudicar/lesar sempre o mesmo. Junte-se a isto a impunidade de quem constantemente o faz e teremos um belo resumo do que tem sido estas últimas décadas do futebolzinho tuga.
    Já agora, como é Carnaval também queriam que ninguém levasse a mal?

    ResponderEliminar
  11. Este lance só pode servisto de 2 formas, ou o VAR ao fim de 22 jornadas nao sabe o protocolo ou sabe e fez de proposito o que ainda é mais grave do que nao conhecer as regras. Sendo uma ou outra situaçao só pode haver um fim para este arbitro, deixar de pertencer aos quadros da arbitragem da FPF.

    ResponderEliminar
  12. Tudo isto é muito bonito (e verdade), mas tem um problema...
    Deita por terra a teoria leonina que perderam na taça no Dragão com um golo irregular, por pretensa falta a meio campo sobre o BFernandes, muito antes do alívio para fora da área do central do sporting que permitiu ao SOveira centrar para o cabeceamento vitorioso do Soares.

    Pois é, a mentira tem perna curta e é mais fácil apanhar alguns tipos de pessoas que os coxos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, jovem, porque o Sporting não recuperou a bola como aconteceu ao Feirense.

      Eu sei que tu sabes mas estás só a fazer-te de parvo...

      Eliminar
    2. Pois não recuperou, não...
      E eu é que tenho culpa que o teu central só saiba xutar para onde está virado ?!

      Eliminar
  13. É mais uma para a colecção "M*rdas que só mesmo connosco"

    ResponderEliminar