segunda-feira, 26 de março de 2018

Como o Mundo ficou pequeno (@3295c_)

Novo texto do @3295c.




Cumprem-se cinco anos de Bruno de Carvalho como Presidente do Conselho Directivo do Sporting Clube de Portugal. Fazendo uma observação mais genérica do que é hoje o Clube e recuando precisamente cinco anos e fazendo o mesmo exercício, facilmente se percebe que as duas realidades são bastante diferentes.

As diferenças são tantas que até o orgulho de ser Sportinguista, para muitos, saiu do armário. Revela-se cada vez mais e em várias ocasiões e circunstâncias. Continua o futebol a ser motivo de encolher-se os ombros pelo título que ora foge ora é negado, apesar do mérito e da qualidade. 

No entanto, até no futebol a realidade da equipa principal era muito diferente da que hoje encontramos. Não apenas no plano financeiro, da valorização dos activos, mas também no desportivo. Fábio Coentrão e Jérémy Mathieu trocaram o Real Madrid e o Barcelona, respectivamente, pelo Sporting, o que dispensa comentários.

As diferenças de realidades, separadas por cinco anos, são de tal forma abissais que até alterou a paisagem da cidade de Lisboa e a sua toponímia. Agora há uma rotunda Visconde de Alvalade, que a Câmara Municipal de Lisboa prestou a devida homenagem e tributo.

Veja-se a forma como decorre a celebração do centenário de Peyroteo, com a informação impressionante que tem sido divulgada, em termos de números, oficiais, que realmente não deixam dúvidas quanto à grandeza dessa verdadeira máquina de golos. Que coincidiu com a atribuição de uma Quina de Ouro de carreira e prestígio, por parte da Federação Portuguesa de Futebol. Um assinalável reconhecimento, mas que deverá apenas ser o início de muitas outras formas. Peyroteo merece e por uma razão simples: foi mesmo o maior de todos os tempos e não apenas em Portugal.

Fecho com o maior evento, no que à internacionalização do Clube diz respeito, que irá decorrer este ano: as comemorações dos 40 anos da visita do Sporting à China.

Não tenho dúvidas que se trata do maior evento porque as entidades envolvidas, a exposição itinerante – irá para Pequim no dia 10 de Junho e ficará no Ministério do Desporto –, que foi inaugurada recentemente à entrada da Tribuna Presidencial de Alvalade e até o simbolismo da digressão assim o determinam.

Foto: César Santos/Jornal Sporting
O Sporting, com João Rocha como Presidente, foi à China em Junho de 1978 numa altura em que o país estava completamente fechado a tudo o que estava relacionado com o Ocidente. Para se ter uma ideia, na música, o único som que era permitido ouvir era a 9.ª Sinfonia de Beethoven. Por exemplo, só a 1 de Janeiro de 1979 é que os Estados Unidos reconheceram Pequim como a capital da República Popular da China, uma vez que até então era Taipei o local onde, inclusive, estava situada a embaixada norte-americana.

Com a expansão das Academias e fazendo valer o forte código genético da formação, que levou 10 Aurélios a trazerem um título europeu para o país, Bruno de Carvalho assume-se como o Presidente que superou o paradigma do fundador. A fasquia, agora, já não é ser tão grande como os maiores da Europa e o Mundo parece agora pequeno.

Sem nenhum mas, algum porém, qualquer no entanto ou um todavia, só há uma pergunta que fica por fazer e cuja resposta será dada por cada um, Sócio, adepto ou até rival, numa assumpção inequívoca de que tudo está diferente: para melhor ou pior?

5 comentários:

  1. Ainda vamos ter uma estátua do Peyroteo em Alvalade, para lhe mostrar a devida homenagem. Ou então um mural com todas as glórias: Peyroteo, Yazalde, Damas, etc...

    ResponderEliminar
  2. O orgulho de ser Spooorting. Allez, allez Sporting allez

    ResponderEliminar
  3. Mestre, o nosso problema é que os não ganhamos os jogos dentro do Campus...

    ResponderEliminar
  4. É incrível o quanto o Sporting Clube de Portugal conseguiu crescer neste 5 anos de Bruno de Carvalho. Aliás, não apenas cresceu mas, acima de tudo, recuperou.

    Esta luta constante pela valorização da história do Sporting Clube de Portugal e, consequentemente, pela história do desporto em Portugal, é bem demonstrativa dessa sua capacidade de reerguer o "adormecido" leão.

    Como fala o post, muitos que se tinham escondido dentro do armário! Mas graças a outros, que nunca virarão as costas ao que se passava no Sporting, temos hoje aquilo que com certeza é o nosso maior motivo de orgulho, o Sporting Clube de Portugal pertence aos seus sócios, tem um presidente que quer e incentiva que os sócios sejam parte activa da vida do clube.



    ResponderEliminar
  5. So faltam os títulos no futebol de João Rocha, temos que reconhecer que nesse tempo não havia o Estado Lampiónico. Temos que continuar a trabalhar a apoiar a Direção, quando o futebol atingir o nível das outras modalidades não haverá esquema que nos derrube.

    ResponderEliminar