sexta-feira, 16 de março de 2018

Uma equipa nos cuidados paliativos

As condicionantes eram várias, umas já expectáveis, outras nem tanto. Já todos sabemos que o Sporting é uma equipa que está fisicamente de rastos, resultado de andar há dois meses a jogar ininterruptamente, que mais uma vez teve de entrar em campo com a ausência de vários titulares, uma defesa remendada e um banco que teve de recorrer à equipa B, ao que se somou ainda um relvado absolutamente impraticável sobre o qual a bola saltava mais do que rolava, que, obviamente, contribuiu para minimizar a diferença entre as duas equipas ao nível técnico. Mas nada disto pode ser usado para justificar uma exibição tenebrosa, que por pouco não terminou num desastre europeu ao nível do que se passou em Salzburgo.

Durante 90 minutos, tudo pareceu correr mal - começando pelo golo madrugador sofrido em fora-de-jogo, prosseguindo pela incapacidade de dominar o adversário, pelas escassíssimas oportunidades de golo criadas, pela forma escandalosa como desperdiçámos as poucas (mas enormes) ocasiões de golo que tivemos, e terminando num penálti falhado que nos poderia ter poupado a mais 30 minutos adicionais de sofrimento e desgaste físico. Felizmente que o prolongamento nos reservaria a pontinha de felicidade necessária (ou de falta de infelicidade extrema, considerando os golos falhados anteriormente) para seguir em frente.





A qualificação - no final do dia, o que conta é que estaremos hoje no sorteio dos quartos-de-final. Acabaram-se os brindes, mas existem algumas equipas contra as quais teremos condições para discutir a eliminatória de igual para igual - partindo do princípio que esta pobreza exibicional é resolvida até lá; se voltarmos a jogar desta forma, seja lá contra quem for que nos calhe no sorteio, só com um milagre é que poderemos passar às meias-finais. Mas enquanto há vida, há esperança.

A defesa de Rui Patrício após o golo de Battaglia - a abrir a segunda parte do prolongamento, Rui Patrício fez uma defesa monumental com a ponta dos dedos, que permitiu gerir os últimos quinze minutos com outro nível de tranquilidade.

A estrelinha nos descontos - na primeira mão, Montero abriu o marcador nos descontos da primeira parte. Ontem, Battaglia marcou nos descontos dos descontos da primeira parte do prolongamento. Isto é que é aproveitar todos os segundinhos que o jogo nos dá...



Exibição paupérrima - não é novidade nenhuma, como sabemos. Os últimos jogos têm sido, do ponto de vista exibicional, de uma pobreza franciscana. Já dei os meus dois centavos sobre o que me parecem ser os motivos, pelo que não vale a pena estar a repeti-los. Compreendo que será difícil inverter a situação enquanto o calendário não afrouxar um pouco, mas a verdade é que, neste momento, a equipa não oferece grande confiança. Ainda assim, reconheça-se que se têm mantido na luta em todas as frentes.

Desperdícios de arrancar os cabelos - facto: considerando a diferença de qualidade teórica entre as duas equipas, produzimos futebol a menos e criámos oportunidades em quantidade demasiado escassa; outro facto: as poucas oportunidades que tivemos e falhámos foram ENORMES oportunidades: um penálti (Dost), de baliza aberta (Acuña), com o guarda-redes no chão (Bruno Fernandes) ou em que apenas era necessário escolher o lado para onde meter a bola nas redes (Acuña, Bryan 2x). Não sei se foi displicência, incompetência, nervosismo ou masoquismo. O que sei é que é inadmissível falhar tantos golos feitos.



Arsenal, Atlético Madrid, CSKA, Lazio, Leipzig, Marselha, Salzburgo são os papelinhos que nos poderão calhar no sorteio. Se o nosso Nhaga continuar a fazer o bom trabalho que tem feito nos nossos sorteios desta época, conseguirá afastar do nosso caminho os ingleses ou os espanhóis. Se o nosso Nhaga quiser caprichar, tira logo um Arsenal - Atlético Madrid para abrir o sorteio e deixa o nosso papelinho para último para podermos jogar em casa a segunda mão.

Daqui a três dias há mais, num espaço inferior às 72 horas regulamentares - por causa dos compromissos da seleção. Ou seja, mais um jogo que promete sofrimento. A verdade é que a equipa está nos cuidados paliativos há várias semanas, mas de uma forma ou outra, lá se tem conseguindo manter agarrada à vida. E enquanto há vida...

18 comentários:

  1. Domingo Estou em Alvalada para apoiar está equipa. Estamos a jogar em 3 em 3 dias há muito tempo e mesmo assim, estamos em Todas as frentes. Estamos a jogar mal, mas está equipa mostra esforço, dedicação, devoção e muita vontande de ganhar para atingir a Gloria. Não estou a gostar da forma de jogar deste Sporting, mas sei ver o sacrificio que está equipa está a fazer. Sporting Sempre!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isto. Apesar de jogos que nos fazem perdem anos de vida continuamos em TODAS as frentes. A raça está a fazer a diferença.

      Eliminar
    2. Para mim só há um raio de um senão, Carlos Sousa e J1906, não tenho a certeza de estar a ver a raça e entrega total. Um gajo tem mesmo que encarar isto com fé, na medida em que não sabe o que se passa nas cabeças daquela gente, fundamentalmente na do treinador(!), um gajo tem q acreditar neles, ponto. Mas há sempre um raio de uma duvidazinha que se instala e acaba a fazer sofrer mais que o raio das bolas aos postes... ainda não estou habituado a ganhar a jogar assim e ficar confortável. Mas, olha, q se lixe o conforto ...!

      Eliminar
    3. O Atlético Madrid talvez nos traga o Sporting que vimos com a Juve e Barça!

      Eliminar
  2. Algumas notas:

    Pergunto eu, porque é que JJ não lançou R. Ribeiro durante os 90 minutos e tentado tudo por tudo para evitar 30 minutos extra que com certeza se farão notar contra o Rio Ave.

    Inacreditável que na posição 6 , Petrovic se tenha escondido do jogo daquela forma, po-se a 3º central e por lá ficava,sem subir apoiar o meio campo.

    Inacreditável que a correcção óbvia (Petrovic sair para entrar qualquer um dos laterais para indo Battaglia para a sua posição de conforto) não tenha sido feita logo aos 45 minutos.

    A.Pinto a mostrar que não tem lugar no plantel,a falta de ritmo não pode justificar tudo. Não é hate nenhum mas até agora tem sido sempre bastante mediano não é, na minha opinião, uma alternativa que deixe toda a gente confiante caso Seba e Mathieu não possam jogar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não concordo com essa opinião do A.Pinto. Acho que dos jogos que tem feito este foi o primeiro que esteve mal.

      Eliminar
    2. Concordo. Não se pode avaliar um jogador por um jogo, ainda para mais num jogo de regresso após lesão. Nos outros esteve bem.

      Eliminar
    3. os defesas andam a jogar sem rede ( sem ter o meio campo a ajudar)...assim é impossível não sofrer golos. Sejam o André Pinto, Coates,ou outros . O futebol do Sporting ontem e noutros jogos não consegue suster o meio campo de equipas fracas até do nosso campeonato, por isso as nossas dificuldades com Paços Ferreiras, Estoril, Feirense, etc. Táticas....

      Eliminar
  3. Estamos a passar uma fase onde os jogadores estão muito desgastados. Afinal são 20 ou 21 jogos seguidos em 2,5 meses.
    Apesar de tudo, podemos orgulhar-nos de estar na luta em todas as frentes.
    É muito difícil, mas ainda podemos ter uma época de sonho, como nunca tivemos...

    ResponderEliminar
  4. Independentemente de a época ser longa, JJ tem-se revelado inábil na gestão do plantel. O melhor exemplo disso foi a manutenção em campo de Bas Dost, que vinha de lesão, contra o Astana quando a eliminatória já estava 6-2.
    Ontem também não percebi o porquê de manter dois laterais direitos no banco e apostar e Bataglia naquela posição.
    Por essas e outras é que andamos de rastos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Ontem também não percebi o porquê de manter dois laterais direitos no banco e apostar e Bataglia naquela posição."

      Não percebeu o Krasimir nem ninguém. Só mesmo o JJ...

      Eliminar
    2. Passamos a vida a criticar sem saber o que se passa no dia a dia do clube.
      Piccini estava a 100% para fazer o jogo inteiro?
      Battaglia não jogou bem a lateral direito no jogo anterior?
      Havia mais algum central disponível para ir para o banco (tirando o da equipa B)? Piccini pode fazer de central se for preciso.
      Há que confiar nas decisões do treinador que tem experiência até dizer chega.
      Andamos de rastos mas ainda conseguimos arrastar-nos, não ficámos lá atrás como outros...

      Eliminar
    3. Não é criticar sem saber... é olhar para o jogo que fizemos ( e andamos a fazer) e tirar conclusões:
      1- jogar com um trinco sem rotação (Petrovic) e sozinho no trabalho de recuperação de bola....
      2- colocar o nosso melhor recuperador de bolas disponível ( Battaglia) com um redescoberto lateral direito, diminuindo a qualidade dos outros 2 laterais que temos, e que estavam no banco ( se me chamasse Ristosvki, ficava á beira de uma depressão)
      3-apostar de inicio num meio campo de manteiga ( COMO TEMOS REVELADO nos últimos jogos) com Ruiz ( que raramente recupera bolas) e Bruno Fernandes que graças a Deus nos tem valido na criação de jogo mas que é mal empregue no trabalho de por o pé, só nos traz calafrios e crises nervosas, já que sujeita a defesa a muito mais trabalho....
      4-acabámos por dar 67 minutos de avanço (normalmente damos 45), até à rectificação do erro do JJ.
      5- e com sorte lá conseguimos marcar o golinho ( coincidência ter sido o Battaglia...) aos 107 minutos. Estamos a precisar cada vez de mais tempo para marcar...será que conseguimos alterar as regras para aumentar o tempo de jogo ?
      Conclusão: a equipa esta constantemente a ser remendada, ou por lesões, ou castigos, ou invençoes do "feiticeiro", e a qualidade de jogo nota se, para além da confiança (falta dela) dos jogadores. Valha nos o querer.
      Acabo apenas perguntando, onde pára aquele jogador pretendido por alguns tubarões da Europa, e que raramente se vê no banco? Um tal de Wendel que custou mais de 7 000 000 euros, e não joga por que não está preparado ? suficientemente baralhado? ou ainda não sabe falar chinês ? só de lembrar que o coxo do Alan Ruiz chegou a Portugal e logo teve oportunidade de andar a estragar a relva em Alvalade.
      Para mim é mais que notório, que o tempo e os atributos tão propalados do feiticeiro se esgotaram. E ainda falta mais um ano. Começa a faltar me a paciência para ver estes espectáculos, onde um Plzen nos vulgariza.

      Eliminar
    4. Lá está! tudo isso faz sentido, MiBlogger, mas mesmo desconhecendo o que se passa e tendo 'obrigação' e vontade de confiar, é muito difícil ficar confortável e sereno num "sofrimento" permanente com jogos, desculpem lá, de merda! Mas se é assim q tem q ser, vamos a isso. Mas vai sair-nos, também a nós, do pêlo!

      Eliminar
    5. O Piccini não tem ritmo porque vem de uma lesão, era para ser poupado! O Ristovsky enterrou-se contra o Porto e já não conta para o totobola de Jesus!

      Eliminar
    6. Muito mau, muito mau mesmo para ser verdade.
      Qualquer português tem que se sentir envergonhado com paupérrima exibição.
      Ou o treinador é aquilo que todos sabemos, um zero à esquerda com muitos zeros à direita no vencimento ou os jogadores já fartos dele estão-lhe a fazer a cama.
      E o Bruno amarrado a ele, seja pelo orgulho ou por algo mais facilmente identificável.
      Mas mais uma vez, com 1 minuto de descontos, o Sporting consegue meter um golo 30 segundos para além do tempo de compensação. Golo irregular.

      Eliminar
    7. O Piccini vem de uma lesão e o Ristovsky está em baixo de forma, nos últimos jogos não foi o mesmo do que quando cá chegou. No último jogo que jogou também estava com queixas.

      Para mim a equipa não tem andado a jogar bem, mas estamos com uma sobrecarga brutal. Este ano vamos bater o record de jogos numa época duma equipa portuguesa.
      Há que ter paciência. A nota artística não é a melhor mas, como disse em cima, esta época ainda pode ser a melhor época de sempre do Sporting...
      Os jogadores são humanos e precisam de apoio para se excederem. Espero que Domingo não se comece a assobiar...

      Eliminar