segunda-feira, 23 de abril de 2018

Duas goleadas e uma desilusão

Num dia de Sporting tão preenchido e com tanto para falar, vou adotar uma abordagem um pouco diferente da habitual.


Foto: Pedro Rocha / Global Imagens
Goleada de 3-2 no voleibol - num jogo absolutamente extenuante - fisicamente para quem esteve na quadra, emocionalmente para quem esteve nas bancadas - que ultrapassou as duas horas e meia de duração, o Sporting alcançou uma vantagem de 2-1 na final ao golear o Benfica por 3-2 (hey, se o Rui Vitória diz que goleou o Estoril por 2-1, então os outros também têm esse direito, mesmo em desportos onde não existam golos). Um jogo que mais pareceu uma montanha russa, tantas foram as alterações de momentum: primeiro set dominado pelo Sporting, que parecia ter também o segundo set controlado mas acabando por deixar o Benfica recuperar e igual a partida; terceiro set dominado pelo Sporting, respondendo o Benfica com um quarto set avassalador, tirando proveito da falta de acerto do Sporting no serviço e no bloco. Decisão na negra, com o Benfica a entrar mais forte, chegando a estar a vencer por 6-9 (confesso que pensava que tinham o jogo na mão). No entanto, respondeu o Sporting com uma ponta final demolidora, recuperando e vencendo por 15-13 perante um pavilhão completamente ao rubro. Aqui fica a recuperação do Sporting no set decisivo. Vale a pena ver.


Goleada de 1-0 no futebol - nova vitória no jogo que encerrou um ciclo infernal de 7 jogos em 24 dias, que incluiu dois desgastantes confrontos com o Atlético Madrid e uma eliminatória com direito a prolongamento e penáltis com o Porto. Foi, provavelmente, a vitória mais tranquila por um golo que me lembro ver: o Boavista nunca conseguiu incomodar o Sporting, que levou ao limite a ideia de gerir o resultado em função das evidentes limitações físicas da maior parte dos seus jogadores. Diga-se de passagem que Jesus pouco fez para atenuar esse desgaste, fazendo uma única alteração em relação ao jogo com o Porto (Ristovski por Piccini) - foi estranha, por exemplo, a ausência de Wendel do onze e até do banco. Ainda assim, há que dizer que o Sporting, com mais acerto na finalização, poderia efetivamente ter goleado: Vagner negou um golo a Dost e dois a Gelson, com Bruno Fernandes a desperdiçar uma outra situação de vantagem numérica, enquanto o Boavista nem uma oportunidade de perigo conseguiu criar. Jesus foi refrescando a equipa em função dos constrangimentos físicos: Mathieu ficou no balneário ao intervalo e Acuña rebentou a meio da segunda parte. Destaque pela positiva para Petrovic que, mais uma vez, se revelou muito confortável no papel de central.



Desilusão no futsal - afinal, o ditado que se aplicou não foi "às três é de vez", mas sim "não há duas sem três". O Inter Movistar mostrou estar um patamar acima e superiorizou-se ao Sporting por 5-2. Infelizmente, a diferença de competitividade do campeonato espanhol para o português faz com que o Inter tenha outro andamento. Ainda assim, exibição meritória de uma equipa do Sporting que, apesar deste desaire, continua a ser um motivo de orgulho para todos os adeptos que fazem questão de acompanhar a modalidade.

7 comentários:

  1. Mestre, não esquecendo a vitória do andebol frente aos porcos!!

    ResponderEliminar
  2. Não comecei a ver o jogo desde o início. Quando liguei a TV o SCP já tinha 4 faltas acumuladas contra 1 do Movistar. Depois vi um penalty por assinalar contra o Movistar (quando o resultado estava 1-3 e havia 4 faltas para cada lado) e de seguida o árbitro marca uma falta inexistente contra o SCP - a 5ª. A partir daí desliguei...com arbitragens fraquinhas como esta as coisas tornam-se mais difíceis.

    ResponderEliminar
  3. Um grande fim de semana de Sporting!
    Para ser perfeito faltou o futsal, mas ainda assim somos uns dignos vice-campeoes Europeus.
    Vanham mais fins de semana carregados de vitorias, que este Sporting respira vitalidade!

    ResponderEliminar
  4. Que pena o futsal, embora esteja ORGULHOSO pelos jogadores e pela equipa técnica. Um dia o caneco será nosso.

    ResponderEliminar
  5. Têm sido tempos interessantes para o nosso glube. Boa crise.

    ResponderEliminar
  6. Caro mestre,

    No futsal para mim, há 2 factores importantes. Um decisivo é a falta de competitividade do campeonato português. Outro, menos decisivo, é não termos um grande guarda redes. Sempre que foi preciso, o espanhol estava lá!

    No futebol, é incrivel como treinador do boavista tenha qualquer dúvida no penalti assim como o fiscal de linha. Eu acho que, na era var, na dúvida marque-se e depois logo se vai ver no var. O B. Ruiz levou um cartão escusado! Mas é tal a ansia de prejudicar o nosso clube, que nem um penalti claríssimo como o de ontem se queria marcar. Imaginêmos que estavamos na era antes do var...

    Grande vitória do andebol e do volei.

    Abraço,
    Pedro

    ResponderEliminar
  7. Ó J,

    Ola a CL2018/2019 a fugir, olha,olha,olha...
    Já foi.

    ResponderEliminar