quarta-feira, 4 de abril de 2018

Na galeria dos melhores de sempre


Não precisou de mais de dois minutos para inaugurar o marcador e estabelecer mais um recorde na sua carreira e, em particular, na Liga dos Campeões. Em relação a esta competição, Cristiano Ronaldo já era o jogador com mais golos, golos em casa, golos fora, golos na fase de grupos, golos em quartos-de-final, golos em meias-finais, golos em finais, golos de livres, golos de penáltis, golos de cabeça, hat-tricks e assistências, e, desde ontem, passou também a ser o primeiro jogador da história a marcar golos em dez jogos seguidos na Liga dos Campeões. No entanto, reservaria para mais tarde um dos maiores momentos da história da competição com um golo absolutamente impressionante.





Não é o gesto técnico que faz deste um dos mais extraordinários golos da história desta competição. É, também, a impulsão que precisou de tomar para apanhar a bola àquela altura - à volta de 2 metros e 20, talvez, Di Sciglio tem 1,82m e está apenas com a ponta da bota no chão - e, claro, a importância do jogo - um golo numa partida rotineira numa competição nacional é bem diferente de um golo idêntico que seja marcado numa fase adiantada da mais importante competição de clubes a nível mundial. Claro que há outros golos fantásticos como a bicleta de Ibrahimovic num particular contra a Inglaterra ou o golo-clone de Maradona que Messi assinou contra o Getafe, ficarão para sempre na memória, mas não é exatamente a mesma coisa. 

Há dois golos que coloco acima de todos os outros: aquele em que Maradona passou por meia seleção inglesa no mundial de 86, e o tiro de Van Basten que deixou Dasaev pregado ao chão na final do europeu de 88 contra a União Soviética. O de Ronaldo não ficará muito abaixo destes. De um certo modo, um grande golo pode marcar para sempre uma ocasião que à partida seria banal, mas para mim é precisamente a importância da ocasião que acaba por definir os grandes golos da história.

10 comentários :

  1. SIMPLESMENTE FABULOSO! O MELHOR DO MUNDO! FEITO DE SPORTING!

    ResponderEliminar
  2. E já agora o do Zidane na final da Champions

    ResponderEliminar
  3. Também ha outro golo do Ronaldo fabuloso. Um golo de cabeça à Roma nos tempos em Manchester.
    Mas aquele golo do Van Basten é qualquer coisa de inacreditável.

    ResponderEliminar
  4. Dois pormaiores a salientar, a desmarcação para o centro da área e a altura a que bate a bola. E ele bate bem, tal como o Moutinho e ao contrário de muitos que aqui pululam de verde.
    Mas golos de bicicleta ocorrem todos os fins de semana por esse mundo fora. Este de especial verdadeiramente só por ter muito mais visibilidade que os restantes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aliás, na Champions marcam-se golos destes em todos os jogos...
      Lampião = Aziado estúpido

      Eliminar
  5. Com o carimbo formação dubai, entre os 5/6 melhores praticantes de todos os tempos.

    Agora só falta jogar no beira-mar e beber 2 garrafas de whisky diárias para tornar-se o melhor jogador português, sem contar com a concorrência do orelhudo Guedes e o estonteante Ivan cavaleiro

    ResponderEliminar
  6. Com o carimbo formação dubai, entre os 5/6 melhores praticantes de todos os tempos.

    Agora só falta jogar no beira-mar e beber 2 garrafas de whisky diárias para tornar-se o melhor jogador português, sem contar com a concorrência do orelhudo Guedes e o estonteante Ivan cavaleiro

    ResponderEliminar
  7. Para mim, que acompanho a carreira do CR7 desde miudo, isto não é nenhuma novidade. O que me intriga e é novidade, é haver portugueses que, por inveja ou cor clubistica, não reconheçam o seu real valor.

    ResponderEliminar
  8. Para além do golo em si, toda a jogada dele a acelerar e a acreditar que chegava a bola, forçando o erro do adversário, culminando com aquele pontapé de bicicleta na estratosfera.

    ResponderEliminar
  9. Só o CR7 poderia ofuscar a maneira como Buffon enfrenta um ataque inteiro para retardar o golo, com uma bela defesa pelo meio.

    ResponderEliminar