sábado, 30 de março de 2019

Em ritmo de passeio de Mota a Chaves

Depois de um período entre outubro e meados de fevereiro em que o Sporting teve um calendário muito intenso e em que a falta de frescura física foi apresentada como parte da justificação pelos maus resultados e fracas exibições que se foram acumulando, seria de esperar que, tendo voltado ao simpático ritmo competitivo de uma partida por semana, a equipa fosse apresentando melhorias graduais de rendimento. No entanto, esses sinais de melhoria não apareceram. Tinha ainda uma réstia de esperança que, tendo havido duas semanas de paragem e podendo o treinador dispor de 8 dos 11 titulares que apresentou ontem em Chaves para olear rotinas, ontem seria o dia em que se observaria finalmente o regresso a exibições convincentes - ainda mais estando do outro lado uma das equipas mais fracas da liga.

Infelizmente, voltei a ficar desiludido. O Sporting jogou a primeira parte em ritmo de passeio, como que à espera que a partida se resolvesse sozinha. É verdade que se pode dizer que não deu grandes chances ao adversário para criar perigo, mas a triste realidade é que também raramente colocou em risco as redes adversárias. Chegámos ao intervalo apenas com um par de boas jogadas para mostrar, uma das quais valeu o golo que nos dava vantagem na ida para os balneários: excelente envolvimento pela direita a envolver Raphinha, Bruno Fernandes e Ristovski, com a bola a ser servida em bandeja de ouro para Luiz Phellype encostar e estrear-se a marcar de leão ao peito.

A segunda parte começou na mesma toada, com pouco perigo de parte a parte... até ao momento em que Jefferson vê o segundo amarelo e deixa o Chaves com menos um e, em desvantagem no marcador, parecia que seria uma questão de pouco tempo até o jogo ficar definitivamente resolvido. Puro engano: em vez de colocar alguma velocidade no jogo e encostar o Chaves às cordas, os jogadores do Sporting pareceram entrar em descompressão precoce, permitindo à equipa da casa pegar no jogo e... chegar ao empate. Soaram os alarmes, Jovane saltou para dentro de campo e, finalmente, viu-se o Sporting a dar uso à superioridade numérica, não tardando o golo que nos recolocava em vantagem a partir dos pés do inevitável Bruno Fernandes (que remate de primeira!).

A partir daí, foi a altura de Manuel Mota borrar a pintura com a sua recorrente incompetência. Raphinha é travado em falta junto à área do Chaves quando se isolava, Mota mostra o vermelho ao defesa flaviense mas é chamado pelo VAR e... reverte a decisão e, surrealmente, expulsa Ristovski por um lance em carrinho em que cortou a bola de forma clara - o contacto posterior que existe não se podia evitar. Decisão absurda mas completamente intencional que colocou o macedónio de fora do decisivo jogo com o Benfica - imperativo recorrer da suspensão do jogador e pedir punição a Mota e Vasco Santos - e relançou o jogo que, no entanto, foi bem controlado pelo Sporting até ao fim, dando ainda para Luiz Phellype fazer o bis aos 90'+11 (descontos justificados).

Vitória demasiado sofrida para a presumível dificuldade do oponente, sobretudo por culpas próprias. E isso levanta outra questão: faz sentido Keizer continuar perante a falta de evolução coletiva do nosso futebol e a falta de desenvolvimento das individualidades que temos no plantel? Diria que não,  e já nem sei se uma eventual (e altamente improvável) vitória na Taça de Portugal poderá mudar o panorama.

11 comentários:

  1. Vitória na Taça? Era bom era, mas com este K, qual fantasma a pairar no terreno de jogo, é ser-se muito otimista. Ainda assim, acredito mais em meia dúzia dos jogadores titulares, para se conquistar a Taça, do que na capacidade do K. Ele já ter "zarpado" era para ontem, mas os "fantasmas" são muito difíceis de derrotar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, numa noite boa dos nossos jogadores pode ser que aconteça. Mas não acredito.

      Eliminar
  2. Jogar com as equipas do fundo da tabela na fase em que "um ponto é ouro", não nos atrapalha só a nós, especialmente jogando no terreno dessas equipas.
    Em todo o caso e mesmo de bicicleta sem velocidades, lá conseguimos ultrapassar a mota...

    Esse Vasco Santos só faz m***a connosco.

    ResponderEliminar
  3. Eu nem esperava pelo fim da época para pôr o Keiser a andar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora apenas serviria para queimar outro treinador, na minha opinião.

      Eliminar
    2. Quando perdemos 2 vezes com o benfica e com o villareal, era logo.

      Eliminar
  4. Rua mas não é só com o Keizero.

    Não será apenas pela performance no futebol (há coisas muito mais graves a passarem-se no actual SCP), mas não nos esqueçamos do Varandas a pôr-se em bicos de pés e puxar os louros para si, pela escolha do Keizero, quando a equipa estava a carburar bem durante um mês (ainda que com uma média de golos sofridos sempre considerável). Agora que se aguente à bomboca, que o despida e que ponha o seu lugar à disposição.

    Deitou-se na cama que ele mesmo fez. É estúpido ter-se chegado à frente a bater no peito pela escolha feita, de maneira tão precoce? Sem dúvida. Agora só tem que responder por isso.
    Por isso e pela falta de compromisso dos jogadores. Os amiguinhos dele não estão assim tão comprometidos com o clube. E já sacrificámos o Nani à pala dos seus amiguinhos.

    Porcos traidores do SCP.

    PS. Repito, a performance do futebol profissional é dos menores problemas que o SCP actual tem. Mas é disso que trata este post. Para os verdadeiros problemas existencias que enfrentamos as soluções são ainda mais complicadas. Sendo que eleições democráticas ASAP é a melhor e mais rápida maneira de tentar sair desta agonia e definhar do leão.

    ResponderEliminar
  5. Ainda não percebi muito bem o que se propõe neste post. É mandar já o K embora? é no príncipio da próxima época/fim desta? Jogamos mal ou somos desplicentes? Parece que, segundo o post, quando nos vimos empatados até jogámos bem...
    Parece-me importante o que diz de separar uma eventual ida à final da taça com uma reflexão séria do trabalho de K. É porque hoje tem delatores e, caso passe o benfas, terá apoiantes.

    Eu não sei... não tenho dados suficientes. Não sei se o trabalho está a ser bem feito e os jogadores estão com falta de motivação, não sei se ele tem ordens para meter este ou aquele para ver se os vendemos... não sei.

    O que sei é que todos temos uma opinião e, quase sempre, pouco informada.

    Já agora, mais uma taça de futsal e a caminho para um tetra inédito.

    Abraço,
    Pedro

    ResponderEliminar
  6. Concondo com a conclusão. Existem treinadores que acrescentam com o sergio e o laje, outros que..

    ResponderEliminar
  7. Mais uma para o separador "Merdas que só mesmo connosco".

    ResponderEliminar