segunda-feira, 8 de abril de 2019

Rendimento mínimo garantido

Depois de um dérbi tão desgastante como o de quarta-feira frente ao Benfica, Marcel Keizer não poderia ter desejado um jogo mais tranquilo do que aquele que disputou ontem em Alvalade contra o Rio Ave. O treinador holandês voltou a apostar naquele que considera ser o melhor onze disponível, os jogadores entraram em campo em modo rendimento mínimo garantido e, depois de ter assegurado os três pontos, a equipa não teve problemas em assumir um modo de gestão total de esforço.

Não me recordo de ver, esta época, um jogo controlado de forma tão eficiente do princípio ao fim. Mesmo mantendo a velocidade de execução e a intensidade nas disputas de bola a níveis modestos, o Sporting foi criando oportunidades suficientes para levar para o intervalo uma vantagem de dois golos ao mesmo tempo que foi proporcionando a Renan uma das noites mais calmas que terá tido na sua carreira. O melhor momento dos primeiros 45 minutos foi o exemplar lance de contra-ataque que inaugurou o marcador, iniciado e finalizado por Luiz Phellype com fundamental contributo de Wendel - ainda que a assistência tenha sido creditada a Acuña por causa do inócuo toque que deu na bola antes de esta ter chegado ao ponta-de-lança. Terceiro golo nos últimos três jogos para o brasileiro que, usufruindo de uma utilização mais regular, começa finalmente a acumular golos e a justificar a sua contratação. Para a segunda parte ficaria reservado o grande momento do jogo: golação de Wendel, com um indefensável pontapé em arco à entrada da área que fecharia o resultado. Pelo meio, Bruno Fernandes aproveitou indiscutível penálti sobre Luiz Phellype para igualar Frank Lampard como médio mais concretizador numa só época. Luiz Phellype, Bruno Fernandes e Wendel, cada qual com um golo e participação decisiva noutro, foram as figuras do jogo.

Após vitória tão tranquila, suponho que o único tema que possa gerar alguma discussão seja a gestão de plantel feita por Keizer. Não podia evitar as substituições de Borja e Acuña, que saíram tocados, e, compreensivelmente, tirou Mathieu de campo assim que sentiu o resultado suficientemente seguro. Por aqui, nada a dizer. Eventualmente poder-se-á questionar as opções para o onze. Não seria um bom jogo para lançar Doumbia de início? Ou então, para quê insistir em Diaby, que realizou mais uma exibição constrangedora? Já se percebeu que Keizer não tem confiança em mais que 13/14 jogadores, e que só sairá desse círculo restrito caso as lesões e suspensões assim o obriguem. A favor do treinador, o resultado e alguns números que sustentam que o Sporting atravessa uma boa fase da época: mais três pontos que nos colocam mais seguros no 3º lugar (teríamos de perder mais 4 pontos que o Braga até ao final da época para sair do pódio), 6ª vitória consecutiva (5 das quais para o campeonato), sequência de 9 jogos com apenas 4 golos sofridos.

1 comentário:

  1. A única coisa que quero salientar é que K acaba por estar a desbaratar a carreira de jogadores jovens, da nossa academia, com a desmotivação evidente de Miguel Luís e Jovane Cabral. Quanto a Francisco Geraldes, é absurdo o que K está a fazer e então, é melhor para a carreira do jogador, que este prossiga por outros caminhos, pois com este k só está a regredir. É LAMENTÁVEL!

    ResponderEliminar