domingo, 7 de julho de 2019

A vida depois de Bruno

Os sócios confirmaram ontem a expulsão de Bruno de Carvalho do Sporting. Um desfecho previsível que dita o fim de um penoso processo que teve início em maio de 2018 e que tem mantido a vida do clube em suspenso. No espaço de 17 meses, o antigo presidente passou de uma situação de apoio massivo que roçava os 90% para um ponto em que a maioria dos sportinguistas não tolera sequer a possibilidade de o deixar continuar a pagar quotas e participar na vida do clube na qualidade de associado.

Votei em consciência contra a expulsão. Apesar de ser para mim evidente que Bruno de Carvalho cometeu infrações graves - que, do ponto de vista estritamente regulamentar, podem justificar a expulsão -, não esqueço tudo aquilo de muito bom que fez pelo Sporting. Pegou no clube numa altura em que ninguém mais o queria fazer, reergueu-o desportiva e financeiramente contra as previsões de muitos, promovendo um nível de militância que arrebatou várias gerações de sócios que apenas tinham conhecido lideranças resignadas e fatalistas que foram afundando gradualmente o Sporting até ao estado desesperado que culminou nas eleições de 2013. Inverteu o definhamento do ecletismo devolvendo a competitividade das nossas equipas e construindo uma casa das modalidades que é a menina dos olhos de muitos de nós. Na minha opinião, apesar de todos os erros que cometeu na fase final da sua presidência, Bruno de Carvalho deixou o Sporting em melhor estado do que aquele que encontrou e, por isso, acho injusto que lhe seja aplicada a mais severa das punições.

Foi, também, mais uma oportunidade perdida pelos atuais órgãos sociais de honrarem o seu lema de campanha: unir o Sporting. Não contesto, de forma alguma, a legalidade da sentença do CFD, da realização da AG e da decisão final dos sócios - que respeito democraticamente -, e não me passa pela cabeça que o clube tenha de viver refém da vontade e caprichos de um conjunto de fanáticos ruidosos incapaz de separar o clube do seu antigo líder. Mas creio que, considerando a delicadeza do tema, poderiam ter sido feitas pequenas cedências que em nada afetariam o decurso da AG e que ajudariam a passar uma ideia de magnanimidade de quem exerce o poder e de alguma vontade de sarar as profundas fraturas que hoje existem. Que mal viria ao mundo se fossem atribuídos 30 minutos em vez de 15 para Alexandre Godinho e Bruno de Carvalho se defenderem perante os sócios? Que mal viria ao mundo se as votações apenas se iniciassem após o final dessas duas intervenções? Que necessidade havia de emitir tiradas de pura demagogia que transformaram a AG numa espécie de Agora Escolha em que as opções eram "BdC continua sócio e não podemos ganhar campeonatos de futebol" vs "BdC é expulso e podemos ganhar campeonatos de futebol"? 


A intransigência revelada, em conjunção com os vários sinais dados ao longo destes dez meses de mandato, é, para mim, indicativo de que existem nestes órgãos sociais alguns elementos tão extremistas como os extremistas que os insultaram repetidamente nas últimas AGs. Nas cabeças desse punhado de indivíduos - seja por desejo de vingança ou paranóia -, #UnirOSporting é a menor das preocupações. Nas cabeças desse punhado de indivíduos, só hoje começou a vida pós-Bruno quando, na realidade, a vida pós-Bruno começou no dia em que os atuais órgãos sociais tomaram posse.

O ciclo de Bruno de Carvalho do Sporting está morto e enterrado desde setembro de 2018. Os problemas que a fase final da sua presidência gerou são indesmentíveis e condicionaram fortemente a época que terminou em maio, mas nada do que o sócio Bruno de Carvalho fez ou pudesse ter feito desde as última eleições alterou ou alteraria o quer que fosse. Daí achar que a sua expulsão não vai resolver absolutamente nada, não vai mudar absolutamente nada.

Votei nestes órgão sociais por achar que a melhor forma de unir o clube é através da competência, das vitórias e dos títulos. Até ver, as promessas feitas nesse sentido estão a ser cumpridas na generalidade. Há uma estratégia coerente que me parece estar a ser bem executada, a época está a ser bem preparada (há a exceção do andebol, pelas razões que se conhecem), e encaro com otimismo o desempenho da maior parte das nossas equipas em 2019/20. No entanto, não se fazer qualquer esforço para unir e cativar os sportinguistas que se afastaram - a esmagadora maioria por desilusão com o estado a que o clube chegou e não por lealdade a presidentes ou candidatos - é um caminho perigoso. Quando os sócios e adeptos não se revêm numa direção, a sua paciência vai depender quase exclusivamente da bola que entra ou deixa de entrar na baliza - e isso coloca a estabilidade do Sporting TOTALMENTE dependente do sucesso desportivo da equipa principal de futebol. Num futebol tão podre como o nosso, é um risco muito, muito imprudente de se tomar.

Se há coisa de que estou farto, é de suspensões, expulsões e eleições. De 2017 para cá parecemos mais um partido político do que um clube desportivo. Pobre Sporting...

33 comentários:

  1. Não consegui perceber a estratégia de BdC. As suas declarações à CS a 1 dia ou desta AG, não são de quem queria defesa; resumiu tudo, como sempre, a um 8 ou 80, não querendo saber se as pessoas (os sócios, no caso) têm cabeça e o legítimo direito de pensar com ela.
    A arrogância costuma empurrar-nos para caminhos curtos e cada vez mais estreitos e BdC, nesta fase final, quis saír de pé e cabeça bem levantada para... os seus apaniguados.
    Para mim, apenas um D.Quixote nada ingénuo. Lamento - digo-o muito sinceramente- a sua partida como associado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As declarações de BdC são incompreensíveis. Continua sem assumir qualquer erro, a culpa do sucedido é de todos menos dele. Dizer que sente vergonha dos sócios quando houve tantos a apoiá-lo contra tudo e contra todos durante tanto tempo... é só triste. Se perdeu esse apoio apenas a ele próprio o deve.

      Eliminar
    2. Se não percebes é porque és mais... limitado. Digamos assim.
      O BdC fartou-se de avisar que iria haver um golpe no clube, e ele até tentou lidar com isso na altura ao fazer cair o bombeiro.... infelizmente correu mal e ele acabou por ter de continuar a levar com ele.
      Depois montes de pessoas explicaram o caso, e tu andando na net sabes perfeitamente que isso foi feito até à exaustão.

      Se as pessoas são asnos e perferem acreditar no correio da manhâ... nâo se pode fazer mais.

      Agora explica lá esses erros todos, porque mandar para o ar é facil, mas ainda ninguem conseguiu listar esses famosos "erros".
      Contratar o JJ foi um erro, e isso foi assumido várias vezes, mas ao mesmo tempo a equipa venceu o campeonato, logo o erro foi relativo. No segundo ano é que ele deveria ter sido corrido do clube.

      Eliminar
  2. Votaste nestes órgãos sócias.. :-) pois...

    ResponderEliminar
  3. É isto que qualquer Sportinguista ponderado sente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O clube dificilmente irá a algum lado se continuarem a existir barricadas a separar os sócios... bastava um pouco de tolerância e bom senso das várias fações que se formaram.

      Eliminar
  4. Então e Rogério Alves cagar literalmente nos estatutos não dá expulsão?! Para mim acabou! Nem mais um tostão para esta gente que lá está!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se é por causa da ata, é apenas uma tecnicalidade sem importância.

      Eliminar
    2. Há alguns extremistas fora. Há alguns extremistas dentro. Forçam as suas merdas à vez. Pelo meio uma porrada (um ou dois milhões...) de sócios e adeptos, para quem quem força merdas se est+a absolutamente a cagar.

      Eliminar
    3. "Tecnicalidade sem importancia" Está certo, cumprir o que dizem os estatutos é uma "tecnicalidade sem importáncia".
      O que se passou ontem até é bom para a minha carteira pois, a partir de agora, vou poupar várias centenas de euros por ano!
      Já quem quis as coisas assim vai continuar a ter o clube que tem tido desde o inicio dos anos 80...um clube PERDEDOR
      Vou ter muita curiosidade em saber as receitas que esta escumalha irá conseguir está época...

      Eliminar
    4. É o quê. Andas aqui só a apaziguar, certo? União? Já vai tarde.

      Eliminar
    5. Claro, tudo que esta direção "imposta" na base da traição e de banditismo planeado fizer tem pouca ou nenhuma importância. Importância teve as ações que BdC quando tudo o que fazia era defender o Sporting muitas vezes não da melhor maneira concordo, mas esse foi o seu grande erro foi ter o coração ao pé da boca para defender o Sporting sem medir as consequências. e foi cobardemente abandonado

      Eliminar
  5. Mas quem decide se é uma tecnicalidade ou uma coisa relevante?
    Afinal RA incumpriu os estatutos? Ou nao?
    E se RA diz que que há parte dos estatutos que nao é legal, porque é que nos seus 4 ou 5 mandatos nao fez nada para a legalizar?

    ResponderEliminar
  6. Não votei nesta direção, mas no entanto a partir do momento em que tomaram posse, passaram a ter o meu respeito. A forma como tem gerido muitos "dossiers" (contratações à base da comissão e partilhas de passes, negócios wangs, "purgas" nas modalidades, e especialmente todo o gerir desta situação do ex-presidente) está a deixar-me profundamente desiludido e desconfiado.
    Espero acima de tudo que os sócios continuem vigilantes e diligentes nestes aspectos da vida do clube.
    Cá por mim, continuarei a pagar as quotas, porque é afinal disso que vivem os nossos maiores sucessos recentes - o verdadeiro ecletismo, e é continuando a ser um sócio de pleno direito que cá estarei espectante para o que o futuro nos possa trazer.

    ResponderEliminar
  7. "as promessas feitas nesse sentido estão a ser cumpridas na generalidade. "
    Lembro-me de uma que para mim é completamente fraturante... 'Manutenção de investimento nas modalidades'. A semana passada, orçamento proposto com redução de 2.3M e inclusão de basquetebol.
    Se isto não é o oposto do que se propôs nas eleições, não sei o que é. Mas atenção, os sócios aprovaram isso... fica a nota.

    ResponderEliminar
  8. Isto de um clube que expulsa sócios, é algo que nunca será uma boa noticia.
    BdC entrou em processo destructivo já há algum tempo e nunca se importou de levar o clube para essa dinâmica. E pior de tudo, nunca deu sinais de querer fazer as coisas de maneira diferente. Era sempre a "marrar"contra a mesma parede, com o mesmo discurso contra dirigentes, jogadores, empresários e até comentadores de TV....
    E mesmo quando aconteceu o episodio de Alcochete, nunca quis estar no lado da solução. Por mais meses que BdC ficasse no Sporting nessa altura, era mais um passo para o clube se afundar rapidamente....
    Os sócios do Sporting tiveram que reagir. E rápido! Não é bonito de se ver, é um momento triste para o clube. Sim, estou de acordo. Mas basta lembrar a angústia com que viviamos há um ano atrás, para perceber que BdC teria que ser retirado da presidência do Sporting o quanto antes. Não podiamos mais, continuar a conceder créditos a quem teve de facto aspectos positivos na sua gestão no passado, mas que estava totalmente incapaz de gerir o Sporting.


    ResponderEliminar
  9. Caro MdC, se BdC deixou o Sporting melhor ou pior do que quando entrou é uma reflexão que tenho vindo a fazer há meses e meses. Concordando com todos os aspectos positivos que mencionou, creio que há alguns muito negativos que não podemos esquecer. Os meses de 2018 de BdC foram muito penosos.
    Lembro-me, de repente, de Paulo Fonseca ter admitido à saída do FCP que não estava preparado para o tamanho dos egos que encontrou no balneário. BdC entrou numa rota de poder absoluto em que todos tinham que se sujeitar à visão do seu ego, um "Le Sporting c'est moi". Luís XVI ficou sem a cabeça; BdC foi expulso de sócio. Como em 1789, nem tudo numa revolução é feito de forma "correcta". Mas, no essencial, acho que o desfecho é o menos mau. A Democracia é menos má que a Monarquia de poder absoluto e o Sporting parece-me melhor protegido sem o 'fantasma' do potencial regresso de BdC ao poder.
    Sim, fez muito de positivo. Se deixou o Sporting melhor tenho sérias dúvidas. Ninguém mais do que ele alimentou, desde a sua primeira aparição, este clima de guerrilha que se instalou entre sócios e simpatizantes. Deixou o Sporting num estado miserável, com o plantel em debandada geral, com danos de mentalidade, reputação e imagem enormes. Enormes. Enormes. Tenhamos esperança que serão recuperáveis e o Sporting pode voltar a ser um clube com valores de referências e pode voltar a ser campeão nacional. Tenhamos esperança.
    Ao mesmo tempo, e custa-me tanto ver isto, perdemos a maior oportunidade histórica das últimas décadas: tínhamos o FCP na penúria completa, a braços com perdas colossais e o fair-play financeiro; tínhamos o SLB a começar a ser atacado todos os dias pelas fugas do emails (que o obrigou a montar um plano anti-crise) e tínhamos o Sporting (Sim, por Mérito de BdC, verdade) estável a assistir de cadeirinha. Com tudo para nos afirmarmos como o clube que poderia dominar os próximos campeonatos e criar uma nova geração de vitórias, uma era pós "apitos", o que faz BdC? Entra numa rota de egomania que desbarata tudo e deixa o plantel e Clube no seu buraco mais negro.
    Estamos melhor do que em 2013? Tenho mesmo sérias reservas. Mesmo pondo momentaneamente de lado toda a reputação, efeitos indirectos e este clima balcanizado, numa perspectiva simplória contabilística, Podence, R. Leão, WC, Patrício e Gelson juntos, bem vendidos, valem quantos pavilhões?
    Julgo que me acompanha em defender que a destituição foi uma medida boa para o Sporting. No entanto, a constância dos 70/30 nas últimas 3 votações -- destituição, orçamento do clube e recurso da expulsão, parece-me revelar que para a grande maioria dos que votaram contra a expulsão, a destituição foi também uma má medida, ainda preferiam que BdC fosse o Presidente do Sporting, o que me parece muito perigoso para o clube. Venha de lá o mal menor da expulsão. É de todos os danos causados por este turbilhão, para mim, de muito longe, o mal menor. Muito menor que os pontos na cabeça que Bas Dost levou, ou meia perna do R. Leão, ou qualquer dos outros.

    ResponderEliminar
  10. Bem-haja pelo bom senso.
    O Sporting acima de tudo!
    Quanto aos que se vão com o destituído: uma vez perguntaram ao Filipe (esse campeão torreense) se ia fazer falta (devido a lesão). O Filipe responde "só faz falta quem lá está".
    Saudaçoes Leoninas

    ResponderEliminar
  11. Boletins numerados (deve ser caso único no mundo) e ele próprio não concorda com os estatutos, afirmando na tv. Onde está a gala e a corrida que são obrigatórias nos estatutos? Para alguns são tecnicalidades para outros o fim do mundo.

    ResponderEliminar
  12. Concordo com tudo o que escreveste neste texto, excepto em votares na não expulsão. O meu primeiro instinto também passou por ai, mas vendo as atitudes e acções dos chamados "Brunistas", a sua não expulsão, não seria mais do que uma nova esperança para que estes continuassem na sua deriva extremista e no seu desejo da queda desta direcção e na possibilidade da volta do Bruno Carvalho.Penso que no futuro, poderíamos alterar os estatutos para que nestas situações, não existam expulsões mas sim a não permissão de cargos/funções de gestão no Sporting.

    ResponderEliminar
  13. depende da acta ( da expulsão do bruno ,segundo palavras da garcia pereira ,existiam duas)
    teríamos que saber muita coisa das duas . por exemplo , duas actas ????

    ResponderEliminar
  14. Os presidentes passam o Sporting continua. BdCarvalho "estoirou" o grande capital que detinha.
    Mal do Sporting se não tivesse alternativas. Há uma Direção eleita segundo os estatutos.
    SL

    ResponderEliminar
  15. MdC, enquanto espero sentado que aceites os meus comentários, mais exemplos de unir o Sporting a la Varandas e demais golpistas.

    25% de quebra na venda das Gamebox.
    40% de quebra de vendas na Loja Verde.

    ResponderEliminar
  16. Caro sportinguista:

    Haverá hipóteses de me referenciares https://amarosporting.blogspot.com/ no teu blogue , na lista de blogues? SL

    ResponderEliminar
  17. Que João Rocha me perdoe, mas agora quando me referir ao nosso magnífico pavilhão será sempre para mim Pavilhão Bruno de Carvalho. O seu a seu dono.

    ResponderEliminar
  18. Independentemente do sócio e da posição ou destaque que assumiu na vida do Clube, entendo a filiação de Sócio como um acto de Fé, ou até como um Legado que nos foi transmitido por alguém que nos incutiu os valores Sportinguistas, que cresceu, amadureceu e enraizou em nós, passando a ser parte integrante do nosso ser. Liga-nos. Algo que surja como que anormal na nossa relação com o Clube nunca poderá ser condição necessária e suficiente para quebrar esse acto de fé, essa ligação que no início quer-se que foi de pura dedicação, terá a sua interpretação de finalizada por parte do Associado que entende não reunir em si ou no Clube os valores que defende, é o Sócio que quer deixar de ser Sportinguista, não pode ser imposto que o deixe de ser, de ter esse Sentimento, essa Paixão e Dedicação. Se se pretende punir por actos graves que se permita continuar na condição de Sócio, com a obrigatoriedade de ter um encargo financeiro de pagar as quotas, mas contudo retirando a possibilidade de mais alguma vez se poder candidatar a algum órgão social do Clube, de poder participar em AG, mas de poder usufruir das vantagens em termos de utilização dos equipamentos do Clubee de entendendo-se que não é elemento perturbator da ordem pública e do Clube de assistir a eventos desportivos onde o Clube participe. Quanto a ruído e perturbação sobre o normal funcionamento do clube, tanto o poderá fazer estando expulso ou condicionado. Compete depois a todos nós sabermos absorver e eliminar esse ruído, nomeadamente a Direcção do Clube.
    Contudo nunca nos esqueçamos que os dirigentes passam e o Clube fica e este está e estará sempre acima do interesse de tudo e de todos, pois somos e seremos sempre Sportinguistas.

    ResponderEliminar

  19. Independentemente do sócio e da posição ou destaque que assumiu na vida do Clube, entendo a filiação de Sócio como um acto de Fé, ou até como um Legado que nos foi transmitido por alguém que nos incutiu os valores Sportinguistas, que cresceu, amadureceu e enraizou em nós, passando a ser parte integrante do nosso ser. Liga-nos. Algo que surja como que anormal na nossa relação com o Clube nunca poderá ser condição necessária e suficiente para quebrar esse acto de fé, essa ligação que no início quer-se que foi de pura dedicação, terá a sua interpretação de finalizada por parte do Associado que entende não reunir em si ou no Clube os valores que defende, é o Sócio que quer deixar de ser Sportinguista, não pode ser imposto que o deixe de ser, de ter esse Sentimento, essa Paixão e Dedicação. Se se pretende punir por actos graves que se permita continuar na condição de Sócio, com a obrigatoriedade de ter um encargo financeiro de pagar as quotas, mas contudo retirando a possibilidade de mais alguma vez se poder candidatar a algum órgão social do Clube, de poder participar em AG, mas de poder usufruir das vantagens em termos de utilização dos equipamentos do Clube, de quando não ponha em causa nem seja "meio" de perturbação da ordem pública e do Clube possa assistir a eventos desportivos do Clube que ocorram nas suas instalações. Quanto a ruído e perturbação sobre o normal funcionamento do clube, tanto o poderá fazer estando expulso ou condicionado. Compete depois a todos nós sabermos absorver e eliminar esse ruído, nomeadamente a Direcção do Clube.
    Contudo nunca nos esqueçamos que os dirigentes passam e o Clube fica e este está e estará sempre acima do interesse de tudo e de todos, pois somos e seremos sempre Sportinguistas

    ResponderEliminar
  20. De 2017 para cá ? Até aprece que não existiram expulsões antes e com menos argumentos. Sejam sérios.

    ResponderEliminar
  21. Acusar o Presidente de não cumprir os estatutos é o mesmo que acusar uma pessoa de cair por ter sido empurrada.... Primeiro não existiam estatutos para o que aconteceu (logo não se pode sequer alegar que foram violados) e depois o que aconteceu foi porque o bombeiro se recusou a respeitar os estatuos e sair quando se demitiu.... curiosamente essa parte fica esquecida e esse não é expulso.

    ResponderEliminar
  22. Os problemas desta época transacta foram gerados pela presidência de BdC na tua opinião? Eu discordo, todos sabemos que alcochete, as rescisões, etc, foram manobras feitas por outros
    Podem ter utilizado como um argumento extra alguns erros do presidente BdC, mas a responsabilidade de Bruno acaba aí. Tudo o que sei é que, com a Comissão de Gestão e actual direcção, perdi o orgulho no meu clube, a confiança em quem geria o clube e o sentimento de pertença.

    ResponderEliminar