segunda-feira, 7 de abril de 2014

A verdade do futebol português no Game of Thrones: A casa Greyjoy

Capítulo V                                                                                                              
A casa Greyjoy


<SPOILERS: quem não viu as primeiras 3 temporadas da série, e planeia fazê-lo, não deve ler este post>

Westeros é um continente povoado por inúmeras casas nobres, umas mais ilustres, e outras nem tanto. Mas quando alguém pensa em famílias proeminentes deste mundo, os Greyjoy não serão definitivamente uma delas.

Gente áspera e sem qualquer paciência para delicadezas, os Greyjoy são na prática uma família de piratas glorificada, cujo modo de vida assenta na conquista das sobras que as grandes famílias de Westeros não sentem necessidade de proteger permanentemente (como pequenas povoações costeiras ou navios sem escolta). 

O que na realidade acaba por impressionar mais nos Greyjoy é o seu castelo: uma estrutura com linhas arquitetónicas invulgares, cinzelada a partir das escarpas de Pyke, enquadrando-se de forma magnífica e ao mesmo tempo natural no ambiente que a rodeia.


Creio que já deixei pistas suficientes para perceberem quem, no futebol português, se equipara aos Greyjoy. Falo, evidentemente, do Braga.

Até agora, o papel dos Greyjoy no Game of Thrones foi quase sempre secundário. O momento de glória desta casa foi quando aproveitou um momento muito complicado da existência da família Stark (que representa o Sporting) para conquistar traiçoeiramente os seus principais castelos, nomeadamente Winterfell. Tudo isto com o apoio tácito das famílias Baratheon (Porto) e Lannister (Olivedesportos), como é evidente.

Após a tomada de Winterfell, os Greyjoy imediatamente reivindicaram o estatuto de grande família de Westeros em substituição dos Stark, mas tal argumentação veio a revelar-se tão utópica quanto precipitada, já que foi uma questão de pouco tempo para os Greyjoy perderem o controlo das suas efémeras conquistas e serem escorraçados de volta para o rochedo de onde saíram.

13 comentários :

  1. Queria comentar estes posts do Game of Thrones mas, por manifesto azar, sempre que leio um estou com pouco tempo.

    Comento agora de rajada:

    Perfeitas as analogias Stark/Sporting e Baratheon/FCP (e vamos ver o que acontece se um dia Robert Baratheon deixar de ser rei...), muito bem esgalhada a associação entre Lannister e Olivedesportos (estava a imaginar os Lannister associados ao Benfica) e está genial a associação do Braga aos Greyjoy.

    Agora, a associação Targaryen/Benfica custou-me muito. Fiquei particularmente revoltado quando vi a (linda) Daenerys associada ao JJ. Se por acaso da próxima vez que a vir na série me lembrar do JJ, garanto que venho aqui protestar!

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Koba, peço desculpa por essa associação (que admito ter sido de mau gosto) entre a Daenerys e JJ. Foi mais uma questão capilar do que outra coisa...

      Devia ter tido mais respeito pela Mother of Dragons e pelos inúmeros fãs que ela tem, de facto. Mereço um "dracarys" só por causa disso. :)

      Eliminar
    2. a mim custou-me porque nunca tal clube poderia contar com um Aemon Targaryen nas suas hostes...

      Eliminar
    3. Laranjeira, o Maester Aemon é como uma criança de pais benfiquistas que acabou por ver a luz e passar para o Sporting (sim, porque a Night's Watch é como se fosse o Sporting, também).

      Eliminar
    4. É bem visto: são os únicos que lutam pelo bem de todos e sem procurar proveitos pessoais. É que no fundo, e voltando ao mundo de Martin, the Others are coming

      Eliminar
  2. Cada vez com mais vontade que comece a 4.ª temporada. Agora ver as coisas da forma que aqui são descritas, fico curioso de como vou interpretar as novas cenas que vão surgir.

    Mas como o Koba diz, também acho que venho aqui reclamar quando vir a senhora dos dragões e imaginar o que aqui dizem dela, haver vamos. Continua que vais no bom caminho.

    SL
    ER

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ER, a minha expetativa é que a 4ª temporada vai ser ainda melhor que as anteriores. Ainda corresponde ao 3º livro, que é absolutamente tremendo.

      Eliminar
    2. Mestre, mas vai ser uma trabalheira para editar. Porque há muita coisa a acontecer que não cabe numa série de TV. Ansioso para ver como "constroem" Bravos e as cenas em Dorne...

      Eliminar
    3. Koba, suponho que tenham que fundir o livro 4 e o livro 5 (não podem dividir geograficamente como o George R. R. Martin fez). Suponho que os dois livros dêem para mais duas temporadas, apesar de não haver tanto sumo como no livro 3.

      Tenho muita, muita curiosidade para ver Braavos, também.

      O que eu queria era que o 6º livro saísse já... dizem que vai começar em grande.

      Eliminar
  3. Ainda que pouco literato ou até mesmo literário, deixo o meu "foda-se, está lindo". Spot on!
    Agora tenho de tentar esquecer, para poder continuar a ler os livros e ver a série com prazer. Não, não quero imaginar a Daenerys Jesus. E, sim, vai ser difícil esquecer o Littler Finguer Teles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pela crítica literária, fico contente! :)

      Eliminar
  4. Parou!!!! Ou a Night's Watch é a Académica ou não leio mais nada! :)

    Braavos é simples, basta agarrar em Veneza, meter um Titã na entrada e Westeronizar. Dorne vai ser mais trabalhoso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LMGM, eu visualizo Dorne como o norte de África, em termos geográficos, mas com pessoas com uma personalidade e aspeto mais latino.

      Eliminar