sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Arbitragem 2.0

Teve lugar esta semana mais uma edição da Soccerex, uma convenção realizada em Manchester ao longo de três dias que aborda vários temas ligados ao futebol. Um dos assuntos discutidos foi a introdução de assistentes de vídeo, ou seja, a inclusão de uma pessoa que tem acesso às imagens do jogo e dá conselhos ao arbitro em função daquilo que teve oportunidade de ver ou rever através do ecrã.

O painel que debateu este assunto incluiu o ex-árbitro Howard Webb e Gijs De Jong, diretor de operações da federação holandesa de futebol. Foi precisamente o holandês a ter a intervenção mais importante, pois apresentou os resultados de um estudo feito ao longo das últimas duas épocas pela federação holandesa sobre a utilização de um assistente de vídeo.

A ideia para o estudo partiu de uma reunião realizada em 2011 para encontrar formas de ajudar os árbitros a tomar as melhores decisões, entre as quais acabou por estar o recurso às imagens em tempo real. A partir daí organizou-se um processo para simular a utilização de um assistente de vídeo num conjunto de jogos da liga holandesa. Ficou definido que o recurso ao assistente de vídeo ficaria limitado exclusivamente a três tipos de situações de jogo:
  • Cartões vermelhos
  • Penáltis
  • Golos

No último caso dos três, definiu-se que apenas seria permitido verificar imagens em momentos imediatamente anteriores ao golo, ou seja, não se voltaria atrás para avaliar se teria existido ou não uma falta no princípio ou no meio da jogada.

Do ponto de vista logístico, a solução encontrada foi a seguinte: o assistente de vídeo vê o jogo num ecrã gigante em verdadeiro tempo real (ou seja, sem o delay de 2 ou 3 segundos que uma transmissão habitualmente tem até chegar às casas dos espectadores) e tem consigo um operador de imagem que lhe pode disponibilizar, com um delay de 2 segundos, imagens de qualquer uma das câmeras da transmissão. Ou seja, o assistente de vídeo não está limitado às imagens da transmissão pública. Tem acesso ao feed de todas as câmeras numa espécie de mini-centro de realização.

De notar que a decisão do assistente apenas funciona como conselho ao árbitro, a quem cabe sempre a decisão final.

Resumidamente, aqui ficam os principais dados e resultados do estudo: 
  • Dados recolhidos ao longo de duas épocas
  • Foram simulados 45 jogos
  • Nesses 45 jogos existiram aproximadamente 2.000 decisões das equipas de arbitragem
  • Dessas 2.000 decisões, 51 entravam nos critérios de apoio do assistente de vídeo
  • Dessas 51 decisões, em 12 o assistente teria dado um conselho contrário à decisão que a equipa de arbitragem tomou; ou seja, falamos de 23,5% de decisões erradas em lances críticos
  • Nessas 51 decisões, o assistente de vídeo demorarou um tempo médio de 11 segundos (!!!) a avaliar o lance e a transmitir a decisão ao árbitro

Para quem estiver interessado em ouvir a sessão "Refereeing 2.0", pode fazê-lo aqui: LINK

(obrigado, @baavin!)

34 comentários :

  1. Mais um mito que cai por terra.
    11 segundos é o tempo que em média se demora a avaliar o lance e a transmitir a decisão ao arbitro.
    Qual será a desculpa que agora se vai inventar para não se ir para a frente com as novas tecnologias.
    Seguramente não será devido ás sistemáticas paragens do jogo pois essa desculpa acabou de cair por terra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fernando, fiquei surpreendido com a média dos 11 segundos. E eles dizem que estão a redefinir partes do processo porque acham que podem reduzir ainda mais o tempo!

      Eliminar
  2. 23% de decisões erradas em lances capitais... Eles não querem as novas tecnologias por isto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois... dá que pensar o motivo de tanta resistência...

      Eliminar
  3. No último caso dos três, definiu-se que apenas seria permitido verificar imagens em momentos imediatamente anteriores ao golo, ou seja, não se voltaria atrás para avaliar se teria existido ou não uma falta no princípio ou no meio da jogada.

    Neste critério parecem caber os foras de jogo, o tal passe que isola o jogador antes do golo e também a bola que sai e entra no pontapé de canto.

    Por mim, o video arbitro está aprovado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, o fora-de-jogo entra se der golo... não me apercebi que tivessem falado da bola a passar na linha de fundo, mas espero que sim! :)

      Eliminar
  4. De notar que a decisão do assistente apenas funciona como conselho ao árbitro, a quem cabe sempre a decisão final.

    Portanto será sempre o árbitro principal a pedir o auxílio, nunca será o video árbitro a interromper o jogo?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não chegaram a esse nível de detalhe porque o teste foi feito offline, ou seja, não havia comunicação entre o árbitro e o assistente. Simplesmente definiram o tipo de lances a avaliar para terem um critério a seguir no estudo.

      Eliminar
  5. 23% no campeonato holandês, se a estatística fosse relativamente aos jogos do Sporting este ano subia para 60/70%...

    ResponderEliminar
  6. Não sei se uma paragem de 11 s é sensível ou não para o público. Mas sei que qualquer lançamento pela lateral demora mais, às vezes muito mais, e sei que, nos livres, salvo raras excepções, o tempo de paragem deverá andar pelos 25 a 30 s.
    Por isso, quanto aos 11 s, estamos conversados.
    Quanto às questões técnicas, parece-me ajustado que as limitem ao momento fundamental, senão entra-se em discussões intermináveis, com pontos de vista diferentes.
    Agora outra questão e de grande peso: quanto custará a règie e o seu operador?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 11 segundos é irrelevante atendendo ao tempo não útil de jogo, Liondamaia. Em relação aos custos, não se falou no assunto.

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Acho que o jihadista não era para mim, era apenas para quem insulta nos comentários. Eu sou apenas ignorante e mentiroso. :)

      Eliminar
    2. MdC após ler o que lá escreveste e a respostas que tiveste acho que qualquer pessoa de bom senso ficará esclarecido sobre quem é o que.

      SL,

      Eliminar
    3. Muito claro: eu sou o miúdo e ele é o graúdo. Faz lembrar a conversa do Carlos Barbosa. :)

      Eliminar
    4. Ficou a vista de tds q no NGB a faceta "Guerra do Economes" do BenficaEagle q so soube gritar mentiroso. Factos? Argumentos? Nem ve-los!!!

      Eliminar
    5. Ficamos tambem a saber que o imbecil tem provas que carrillo vai para o Porto porque esta...na comunicacao social! A comunicacao social so diz a verdade quando convem!
      Mestre gabo te a paciencia de tentar falar com um animal!
      O mentiroso e normal...o dono da verdade estava em casa como tal estava com as costas quentes...
      Se formos a ver as mentiras que ao longo dos tempos la aparecem...
      Agora e ignorar esse lixo em forma de pessoa...

      Eliminar
    6. Ele até pode ter quem lhe sussurre ao ouvido as mesmas coisas que vão parar aos CMs, DNs e Bolas da vida. Vale o que vale, dado o volume de contrainformação que o Benfica produz.

      Eliminar
  8. Todos ganham com estas novas tecnologias, os arbitros tomam melhores decisões, os jogadores focam-se apenas no que importa e o melhor de tudo os adeptos desfrutam do mais belo desporto mundial!

    SL,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo a ganhar, Sérgio. Incrível como ainda há quem conteste uma coisa que é tão natural como inevitável.

      Eliminar
  9. Depois de 6 a seco..
    Sou a favor disso há muito tempo... 11s é irrelevante e nem que fosse mais tempo era irrelevantes na mesma... Interessa é ter decisões certas. Todos os desportos profissionais nas suas competições de topo utilizam imagem para auxiliar os árbitros.

    E para mim a situação em que devia ser utilizado era o fora de jogo... Os auxiliares só assinalam se fosse daqueles fáceis, senão deixavam jogar. O vídeo árbitro verificava com o jogo a decorrer e se houvesse fora de jogo e acontecesse algo relevante para o jogo a favorecer a equipa atacante anulava a jogada (golo, canto, falta)... Se houvesse fora de jogo mas não acontecesse algo relevante a favorecer a equipa atacante seguia o jogo. O tempo que se perdia nas situações que tivesse que ser assinalado era pouco!
    Faltas, mãos e cenas de género era tipo o ténis... 2 ou 3 pedidos de revisão que seriam contabilizados apenas se fossem errados.
    Quanto a aplicação... Nem todos iriam ter possibilidade de ter estruturas para possibilitar a atuação do vídeo árbitro... Começava se pela champions... Pela 1a liga... Os clubes não podem só querer ser profissionais tem de o ser.

    Mas depois o que é que os sportinguistas discutiam? Só sabem falar de Árbitros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E com o Miguel Rosa em campo e tudo! Isto sim, uma vitória sem qualquer tipo de discussão. Já era tempo!

      A questão dos foras-de-jogo podia ser gerida assim, de facto. Concordo totalmente. Mas se a FIFA aceitasse o uso da tecnologia sem restrições, de certeza que se conseguirua arranjar um sistema bastante fiável de sensores no equipamento e bola que permitisse detetar automaticamente se a posição dos jogadores é regular ou não.

      As revisões de lances a pedido dos treinadores também faria todo o sentido.

      A aplicação teria que ser limitada a algumas competições, em função da sua viabilidade financeira.

      Qualquer sportinguista ficaria de facto com um vazio na vida, mas acredito que me adaptaria rapidamente... :)

      Eliminar
    2. "E com o Miguel Rosa em campo e tudo! Isto sim, uma vitória sem qualquer tipo de discussão. Já era tempo!"

      Os da equipa B hoje até comeram a relva, parecia o jogo o ano passado contra o Sporting no restelo.

      No entanto houve um período de tempo, cerca de 92 minutos em que se desconcentraram e foi mais ou menos assim:

      http://i.imgur.com/Wko5Epd.png

      Eliminar
    3. ahahaha tá top Belfodil!
      Já são imparáveis outra vez! Ninguém para o Benfica!
      Hoje jogaram bem, nada contra mas o belém...tao macio..
      Hoje esgotaram o stock todo...para a semana...reality check!

      Eliminar
    4. Fizeram a parte deles, Jonas e Gaitan são máquinas, há que dar mérito, e depois não é culpa deles terem que defrontar a equipa B, do que vi, Carlos Martins, pareceu o mais inconformado, a defesa foi proibida de correr e de tentar disputar lances, o meio campo, deixa andar, não percebo, eles têm bons jogadores, ou por outro lado, percebo.

      Eliminar
    5. Mdc todos os clubes da champions tem sistemas de monitorização dos jogadores em tempo real com precisão milímetrica... Não deve ser difícil utilizar esse sistema para determinar se está fora de jogo ou não... Não é preciso nenhum chip na bola. Essa questão financeira não se põe... Ja se sabe a partida que nunca poderá ser universal logo por aí é uma falsa questão! Os 5 árbitros é universal? Nos outros desportos é universal? Nem o sol é universal!
      Belfodil e Fernando o Benfica tem um bom plantel com um 11 muito bom para a nossa liga.. Tem um mau treinador. São coisas diferentes. Acham que aquilo foi treino do rv? Treinou o gaitan por tlm, o samaris por Skype... O 1o golo foi combinado via fb etc... O único golo que não mete jogadores que estiveram nas selecções foi o do talisca! Mas estivemos melhor que em jogos anteriores.
      Agora essas vossas fábulas do não corre e não sei mais que só me dão razão... Vocês não falam de futebol falam de arbitragem... Quando não há arbitragem dizem que os outros facilitaram... Enfim!
      São 13 anos a seco... Porque os árbitros roubam e os adversários facilitam... Bom era o vercauteren e o jeffren entre muitos outros exemplos. Para deixar a resposta... O Benfica também tem flops... Mas não jogam! Os vossos são titulares.

      Eliminar
    6. O Benfica tem um ataque de topo, ajuda e muito a disfarçar debilidades em outros sectores.
      Até agora tiveram 4 jogos em casa com equipas de meio da tabela, 3 dos 4 jogos foram bastante renhidos, 1 deles até acabaram por perder o jogo.
      O 1º grande teste desta equipa vai ser no próximo domingo.

      Eliminar
    7. Belfodil vou lhe dar um exemplo neutro de valorização desportiva de jogadores... (Desde que não me passe a dizer que eu avalio jogadores por aí até porque há jogadores sobre os quais tenho opinião diferente. Serve apenas para não dizer que é a minha opinião de benfiquista. Não tem valor nenhum no mundo real mas é uma opinião neutra. ) Aceita?

      Eliminar
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  11. 51 decisões em 45 jogos?
    Tantos meios para um trabalhinho por jogo?
    O que me salta à vista é que os critérios de inclusão são demasiado restritos....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim são demasiados, Placebo. 1 decisão num lance crítico é o que basta para alterar a verdade desportivas se for mal tomada.

      Calculo que cá a média de lances seria superior.

      Eliminar