domingo, 5 de agosto de 2018

You had one job, Comissão de Gestão...

Artur Torres Pereira, Sousa Cintra, António José Rebelo, Silvino Sequeira, Jorge Gurita, Luís Marques, António Sá da Costa, Alexandre Cavalleri, Rui Moço, Pedro Pinho Reis, José Leitão. Foram estes os onze nomes que Jaime Marta Soares escolheu para gerirem o Sporting durante o período de três meses compreendido entre a suspensão do CD presidido por Bruno de Carvalho e a data das eleições. Aceitaram o convite em total de liberdade e o compromisso dado aos sportinguistas baseou-se em três ideias essenciais: 1) iriam fazer o melhor possível em conjugação com a sua vida familiar e profissional; 2) não iriam receber qualquer compensação monetária pelo trabalho a que se propunham; 3) não iriam fazer parte de qualquer lista concorrente às eleições de setembro. 

(via Mister do Café)

Considerando o cariz provisório do desafio e a dedicação a tempo parcial ao mesmo, a generalidade dos sportinguistas compreendeu, tacitamente, que o patamar de exigência a ser colocado a esta CG não poderia ser o mesmo do que a uma direção eleita. Como tal, também não faria grande sentido que fossem remunerados pela missão que aceitaram levar a cabo. Logo, as duas primeiras ideias anulam-se mutuamente. Quanto a compromissos realmente importantes, capazes de condicionar a vida de qualquer um destes onze elementos de forma menos provisória - se quiserem, podem chamar-lhe de sacrifício -, sobrava apenas a tal garantia de isenção durante este curto mandato, que implicava a sua exclusão do processo eleitoral que se estava a iniciar.

Segundo notícias divulgadas no final da semana que passou, dois dos onze elementos - Jorge Gurita e Alexandre Cavalleri - saíram da CG para integrar a lista de José Maria Ricciardi.

A ser verdade, esta atitude dos dois ex-membros do CG e de Ricciardi é uma vergonha e autodemonstrativa do que significa o valor da palavra dada para estes indivíduos (não que em em alguns casos não houvesse já provas suficientes). Espero que sejam devidamente punidos nas urnas pelos sportinguistas.

A credibilidade da CG sai também bastante afetada. Ninguém esperava que se sacrificassem demasiado, bastava fazer o mínimo necessário para manter a máquina a funcionar, mesmo que a meio gás - deixando as várias secções gerirem-se por duodécimos - e... serem isentos. É caso para dizer: you had one job, CG...



P.S.: Já agora, considerando que...

a) José Eduardo é o homem para o futebol da lista de Ricciardi;

b) Existem dois ex-elementos do CG que serão parceiros de lista de José Eduardo.

c) José Eduardo é o dono da empresa que prestava o serviço de catering do estádio até ao término do contrato que o ligava ao Sporting no final da época passada;

d) Não é conhecido o ponto de situação de quem prestará esse serviço de 2018/19 em diante;

e) Já houve um jogo em Alvalade esta época e não consta que tenha faltado comida nos camarotes e bares do estádio;

... qual é o ponto de situação do serviço de catering para 2018/19? Será que a CG pode esclarecer os sportinguistas sobre este assunto?

20 comentários :

  1. Isto ja vai no catering do estadio. Vao mas é para as roulotes beber e gastem melhor o vosso tempo que estão a cair no ridiculo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu acho relevante. Sempre ouvi dizer que o diabo está nos detalhes.

      Eliminar
    2. Mas qual detalhe? isto não é detalhe nenhum, é um processo. Um modo de operação.

      Eliminar
    3. pá Seabra, se não gostas, tens bom remédio...

      Eu por mim não haveria NUNCA "vazios de poder"... ninguém em tempo algum, representaria qualquer papel sem a aprovação dos sócios... se é possível destituir, deveria ser ponto de honra, lógica e decência democrática, empossar quem quer que seja, mesmo para trabalhos temporários de curto prazo em AG de sócios. Isso dos sócios só serem chamados para o q interessa para algumas agendas, não é um "pormenor" é um "pormaior", é repugnante e é o que dá azo a todo o tipo de abusos.

      Se não gostas... não queiras tirar a voz aqueles que não se querem "demitir" da responsabilidade de serem DONOS DO CLUBE, nem vão a reboque de campanha de JORNALIXEIRADA nenhuma (não são dirigentes nem funcionários q impõem a sua vontade arbitrária, muito menos a JORNALIXEIRADA que diz quando está tudo bem ou tudo mal -> É crescer and suck it up! )

      Eliminar
  2. Como dirão alguns escroques: não há problema, está tudo legal, tudo na paz do senhor. Má comunicação, amadorismo e falcatruas eram coisas do tolinho que levantou o clube da bancarrota. Mas isso não interessa nada, pois estamos a ser "bem" dirigidos.

    ResponderEliminar
  3. Curioso que no tempo de Marco Silva não estava tão preocupado com Zé Eduardo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. https://oartistadodia.blogspot.com/2015/01/loose-cannon.html

      Eliminar
  4. Tomam-nos por otários. E nós assumimos.
    Aceitou um cargo temporário de gestão após rescindir com o Sporting e "ajudar à missa", e aparece agora pronto para um cargo superior ao de prestador de serviços.
    Não ver isto como conflito de interesses e eticamente reprovável, faz de nós o quê?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está atitude é de um oportunismo inqualificável.

      Eliminar
    2. Deixou de ser oportunismo. Agora é (vai passar a ser) modus operandi.

      Eliminar
  5. O problema dos apoiantes do Bruno é acharem que quem não está com eles é porque está com os Ricciardis e os croquetes...

    Como diria o Marcelo a propósito dos incêndios, ainda não perceberam nada do que se passou...

    Claro que só posso falar por mim, mas parece-me muito evidente que a grande maioria dos sportinguistas, não querendo o Bruno como solução, também não querem soluções de um passado que não traz boas recordações a ninguém.

    Duvido muito que Ricciardi tenha qualquer tipo de hipóteses.

    Quanto ao mais: só num clube completamente esquizofrénico, é que se pode pedir a uma direção, no caso a CG, que tome posição pública sobre a comida que se serve nos camarotes...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um fornecedor que decidiu intervir de forma ativa na vida interna do Sporting. É muito relevante saber se lhe renovaram o contrato.

      Eliminar
    2. E também é muito relevante saber que há quem, como aí o Jô, ache que é assunto sem relevância nenhuma. Duvida muito q o Ricci tenha hipóteses, diz ele ... estão a ver se embalam alguém, a ver se o povo dorme ...

      Eliminar
    3. Caro,

      O povo também dorme quando há dois candidatos da direcção anterior que se candidatam em paralelo e todos acham normal. Quando são suspensos e um deles mete um testa de ferro. Acham que no tem po de BdC não houve alcavalas? Houve mas para os dele, como o foi na construção do pavilhão. Ou acham que BdC e JMS tiveram uma divergência de ideias? Foi foi de números!

      Acho engraçado que para atacar esta CG até fontes como a CMTV e o mais trasferências são fidedignos... enfim.

      Abraço,
      Pedro

      Eliminar
    4. De Pedro para Pedro.

      Certamente que deverá ter havido negócios menos claros. Mas não tenho memória de uma direção tão atacada, inclusive com informação falsa proliferada por vários canais televisivos.

      A anterior direção atacou frontalmente todos os que considerou seus inimigos, desde Sportinguistas, ilustres, tondelas desta vida, a lista é interminável. Foi na minha opinião o seu maior erro - criou demasiadas batalhas.

      Inclusive uma das coisas que esta Comissão temporária fez, foi a auditoria forense.

      Foi a direção que mais teve (será que teria?) de justificar ao sócios inúmeras suspeitas levantadas.

      E só te lembras de um caso que se não estou em erro foi por causa de uma acrescento ao projeto. Aliás até acho que as luvas foram muito bem pagas. Tomara nas obras públicas termos o mesmo nível de divergência que o pavilhão teve. Que já agora se tiveres essa informação era de ouro, porque eu, não a tenho.

      Concordo contigo que ainda é cedo para se avaliar o trabalho desta CG, mas gostava honestamente que o legado, em termos de transparência para com os sócios não se tenha perdido.

      Eliminar
  6. O que vale é que quando o JE depois do "irem buscar ao aeroporto" para dizer na RTP que o Marco Silva tinha "um projecto próprio" nessa altura não havia problemas de catering.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se há contracto e há serviço de catering, pago segundo o contractualizado, é provável que não haja problema.

      Se não há contracto e há serviço ... a um candidato a lugar na direcção ... parece-te normal oh Gomes? fundamentalmente parece transparente ...

      Assim como transparente é essa tua "visão" da coisa! cristalina!

      Eliminar
  7. Acho curioso está necessidade de catalogar os sócios do Sporting. Para mim esse é o cerne do problema da segmentação no Sporting. Certamente que haverá os seguidistas, mas acho um completo desrespeito pela democracia estes rótulos. Se tivesse ido votar na última AG, tinha votado a favor da permanência do CD, como seria completamente a favor de novas eleições para o início do próximo ano, onde muito dificilmente votaria em BdC, ou melhor estaria dependente da resolução dos problemas mais prementes. Não aceito que jogadores façam o aproveitamento e chantagem da forma que foi feito. Assim como dos muitos interesses que s aglutinaram para forçarem esta destituição. E claro que responsabilizo a anterio direção pela falta de capacidade em lidar com tudo isto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente a segmentação existe, de forma muito acentuada, e dificultará imenso a tarefa de quem for eleito em setembro. Ao ponto de achar que daqui a dois anos estaremos novamente em eleições...

      Eliminar