sábado, 12 de janeiro de 2019

Keizer à portuguesa

Não sendo uma situação desejável para nenhuma equipa que ambicione conquistar o título, uma desvantagem de 8 pontos para o líder, num campeonato normal, não é uma sentença de morte nas aspirações da equipa. O problema é que o campeonato português não é, nunca foi, e continuará a não ser um campeonato normal, e é bastante provável que o Porto não perca mais que 8 pontos no decorrer da 2ª volta. Aliás, na 1ª volta só perdeu 8 pontos, contando com os 2 de hoje.

Fonte: zerozero.pt
Esta é uma das especificidades do futebol português que obrigava o Sporting a ganhar ao Porto para se poder reintrometer nas contas do título. Nunca seria tarefa simples, obviamente, considerando a sequência histórica que a equipa de Sérgio Conceição levava ao entrar em Alvalade. Keizer estudou bem o adversário e fez algumas adaptações que conseguiram secar os pontos fortes do Porto. A primeira parte foi caracterizada por muita combatividade de parte a parte e poucas ocasiões de perigo em ambas as balizas. Até aqui, nada a apontar. O problema foi a hesitação em dar o passo seguinte quando o jogo começou a abrir um pouco na segunda parte. Com vários jogadores em sub-rendimento (Diaby não existiu na 2ª parte, Nani desapareceu a partir dos 60', Wendel estava desgastadíssimo), havendo a necessidade de o Sporting ganhar, esperava-se que o treinador usasse o banco (sim, hoje havia um banco com soluções) para procurar dar um abanão que aumentasse as probabilidades de marcarmos um golo - mesmo que isso também aumentasse as probabilidades de sofrer. Não o fez atempadamente - duas das substituições foram ditadas por lesões e trocou Diaby por Raphinha apenas aos 81' -, o nulo no marcador não se alterou e raramente esteve em risco de ser alterado.

Pela positiva, sobra o bom desempenho de toda a linha defensiva (Gaspar e Jefferson a um bom nível, centrais insuperáveis, e também uma boa entrada em jogo de Ristovski), desta vez com o devido apoio do meio-campo em todas as situações que o exigiam, e com Renan a salvar a equipa com uma incrível dupla defesa a única situação que não foi resolvida pelos seus companheiros.

Nos últimos dois meses tem-se falado muito do treinador português. Dizem-nos que o treinador português tem uma grande capacidade de adaptação às circunstâncias e é capaz de desconstruir e anular os pontos fortes dos adversários. Construir a sua própria ideia de futebol ofensivo é que é pior, mas isso agora não vem ao caso. Pois bem: Keizer demonstrou que, se quiser, também pode recorrer às mesmas "qualidades" que fazem do treinador português aquilo que o treinador português é, e obteve, contra o líder da competição, o mais português de todos os resultados: 0-0. O medo de sofrer sobrepôs-se à necessidade de ganhar num jogo em que ganhar era absolutamente necessário. 

O treinador português precisou de algum tempo para se adaptar a Keizer, agora é justo que se dê a Keizer algum tempo para se adaptar às contramedidas lançadas pelo treinador português. A única coisa que desejo é que, durante esse processo de adaptação, os princípios que Keizer apresentou não sejam atropelados pelo pragmatismo à portuguesa.

P.S.: Apesar de ter sido um jogo mais transpirado do que inspirado, foi uma bela tarde de futebol em Alvalade. Futebol à tarde: um luxo raro para os sportinguistas, ainda mais raro tratando-se de uma partida desta importância, a que os adeptos corresponderam com a melhor assistência da época. Não é preciso inventar a roda para ter mais gente nos estádios em Portugal: basta colocar o interesse dos espectadores à frente do interesse dos telespectadores.

20 comentários:

  1. esta história do treinador português é do mais xenofobo que já vi em portugal, parece que só que é nacional é bom...mto mau e pior é que a CS dá enfâse a isso tudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida. Já havia um certo corporativismo dos treinadores portugueses... mas tendo sido o Sporting a quebrar esse predomínio, todos se sentem à vontade para mandar abaixo o patife do estrangeiro que se atreveu a vir treinar um clube português.

      Eliminar
    2. O pior é que "A Cultura" do ritmo continua a mesma, excluindo em certa medida o Porto, o que não tem muito a haver com a nacionalidade do treinador...

      Vamos jogar na Europa e todas as equipas Portuguesas sentem imediatamente as diferenças de "ritmo"... o q chega a ser absurdo, pois se o jogador português tem bastante qualidade, os treinadores portugueses até são bons, ter Preparação Física ao nível de superatletas, ATLETAS DE COMBATE como nos principais campeonatos europeus, deveria de ser o mais fácil, em vez de Portugal se andar a afundar nos rankings europeus..

      O Sporting se calhar é o exilibris, o expoente máximo, do tipo de "Cultura Futebolística" em Portugal... bem superior tecnicamente, como é por exemplo o Sporting em relação ao Porto de Conceição (aliás neste jogo não foi inferior em nada, e se alguém merecesse vencer, só poderia ser o Sporting),.. mas não seria preciso ver o Mathieu a arfar nas entrevistas rápidas, para perceber q o Sporting ainda é demasiado SOFT em traquejo físico para ambicionar a altos voos... é q o problema não é um jogo, é a resposta no jogo seguinte e seguinte, onde tem de se manter o mesmo nível de intensidade (pelo menos disfarçar bem bem)... e é aí q se perdem campeonatos, não é por questões tácticas (só burros é que não aprendem isso, rápido rápido) e ou questões de filosofia e ideias de jogo...

      A grande questão não é os "treinadores portugueses" ... É UMA QUESTÃO DE "CULTURA".

      Eliminar
  2. Eu até ia comentar, mas para quê, se não é publicado?

    Votos de Feliz 2019, com muita saúde!

    ResponderEliminar
  3. Somos um Sporting muito fácil de contentar hoje em dia...

    ResponderEliminar
  4. Em 4 jornadas descemos ao 4° lugar e acabou-se a luta pelo título.
    O futebol, depois de um início prometedor, voltou a um nível muito parecido com o do Peseiro e os resultados são iguais.

    Keizer confirma aquilo que uma siginificativa parte dos sportinguistas temia, não era este o perfil de treinador que se impunha para substituir um ainda pior.
    Precisava-se de alguém com muito mais experiência à frente de um clube com a grandeza do nosso e sobretudo que tivesse um mínimo conhecimemto deste campeonato e das equipas que nele competem.

    Keizer é mais um treinador em formação, oriundo de uma escola que é demasiado Soft, técnica e taticamente e que dificilmente sobreviverá a esta época.

    Janeiro e Fevereiro só nos podem trazer mais dissabores e continuo afastamento de todas as competições.

    Restam-me poucas dúvidas sobre o caminho que levamos e começo a ter ainda menos dúvidas que a gestão Varandas trouxe zero ao clube e, em particular, ao futebol do Sporting.
    O pior é que os meus hábitos parecem começar a alastrar a outras modalidades...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Varandas e Keizer não construíram este plantel. No caso da direção, parece haver um rumo na forma como estão a construir o edifício do futebol, mas são coisas que demoram a ter resultados visíveis. No caso do treinador, há que dar tempo para trabalhar. Não teve uma pré-época como os outros, não teve nenhuma palavra a dizer nos jogadores contratados. Nesta janela de transferências já se poderá fazer algo, mas o raio de ação é limitado por não haver grande capacidade para investir e oportunidades de negócio.

      Eliminar
    2. Varandas não foi a minha escolha para presidente e até ao momento pouco tem feito que me leve a mudar de opinião e a achar que seja o homem certo para o lugar que lhe foi atribuído.

      Se o rumo de que falas são as contratações em barda para a estrutura, isso obrigatoriamente me dá vontade de rir pois não são esses, os que estão do lado de fora do relvado e fora do Banco, que ganham os jogos e aí, depois de 5 meses de Varandas e metade do tempo desta janela de mercado decorrida, apenas posso concluir que a coisa vai mal e bem mal.

      Sobre a falta de dinheiro, relembro-te que nas palavras do candidato Varandas e também nas do Zenha, tinham soluções.
      Recordo que foi feito um empréstimo obrigacionista com o objetivo de, em parte, reforçar a equipa mas a verdade é que até agora pouco ou nada se vê desse reforço....

      Sobre Keizer, dei-lhe o benefício da dúvida, mesmo sabendo que o currículo era pouco promissor.
      É por ele que obrigatoriamente passa o tal edifício do futebol que falas e até agora nada vejo de promissor.

      Daqui a um ano cá estaremos para fazer o balanço...ou talvez até bem antes.

      Eliminar
    3. Até concordo um pouco com isso da experiência, é importante especialmente para não cometer erros... e saber rodar bem o plantel... mas isso da táctica, estou com o Lages q o que mais importa É A DINÂMICA, sem a qual a táctica pouca importância tem (NÃO SABEM, aliás a JORNALIXEIRADA portuguesa é do mais rasco..)... e quanto à técnica, q depende quase exclusivamente dos jogadores, o Sporting tem sido das melhores equipas de longe do Campeonato Português... e não é de agora, é de há longo tempo... tiveste equipas com Figo, Paulo Sousa, Peixe, Iordanov, etc, q não eram superiores tecnicamente, eram ridiculamente superiores, e mesmo assim não foram campeões... isso dos apitos dourados, abençoados, e os metralhas do apito serem até reverenciados por andarem a roubar à fartazana às 3 e 4 da tarde em plena luz do dia, não explica tudo.

      Eliminar
    4. Pode não haver oportunidades de negócio, enfim é o mercado de inverno, agora falta de financiamento não deve ser problema, com as resoluções dos processos de rescisão a darem bastantes milhões, e com o processo de emissão de obrigações com um sucesso moderado, tem que haver dinheiro para investir.

      Eliminar
  5. Não consegui entender os 20m de atraso que ambas as substituições demoraram a fazer.

    ResponderEliminar
  6. Depois deste jogo, não tenho dúvidas: Não é treinador para uma equipa que quer lutar pelo título. Tinha de tentar vencer o jogo, nem que fosse só nos ultimos 20-30 minutos. Tinha o Jovane e o Raphinha e só mexeu a faltar 7 min para os 90. O empate não pode ser nas actuais circunstancias um resultado positivo.

    ResponderEliminar
  7. O problema dos espectadores vs telespectadores é que normalmente o numero dos segundos são muito superiores aos primeiros. E no proverbio imortal, "the needs of the many outweigh the needs of the few".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, mas não têm necessariamente de ser incompatíveis. O tempo e dinheiro adicional gastos pelos espectadores merece respeito, até a própria transmissão televisiva tem a ganhar com o ambiente que existir no estádio.

      Eliminar
  8. Bom dia Mestre,

    iniciei um blogue dedicado à actualidade leonina, denominado de Castigo Máximo. Convido-o a passar por lá, caso tenha disponibilidade e, já gora, paciência :). O endereço é: https://castigomaximo.blogs.sapo.pt/

    Cumprimentos
    Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva Pedro! Boa sorte com o blogue, vou estar atento! Coloquei-o na barra lateral, espero que ajude à divulgação. Abraço

      Eliminar
    2. Bom dia Mestre,

      Muito grato pela sua atenção e amabilidade.

      Um abraço

      Eliminar
  9. Subscrevam o Canal! Obrigado!

    https://www.youtube.com/channel/UCWEFFX-06zRb-yHAmLuTA6A

    ResponderEliminar