terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Sem desculpas

Keizer teve ontem o primeiro verdadeiro choque com a realidade do futebol português. Finalmente pôde testemunhar ao vivo a forma como, por cá, vão convergindo um punhado de fatores desfavoráveis que tornam mais difícil a tarefa de o Sporting vencer os seus jogos. No caso de ontem, poder-se-ia referir o adversário de pé na chapa (quem diz , pode dizer antebraço, mão ou cotovelo; e quem diz chapa pode dizer pescoço do Nani, por exemplo) que tão dócil costuma ser noutras partidas, uma arbitragem miserável que foi deixando metade das faltas por assinalar e vários cartões no bolso (mas deu para  amarelar Acuña sem motivo e deixá-lo de fora do clássico), e que não escondeu a pressa que tinha em acabar o jogo (4 minutos de descontos é absurdo considerando as substituições e as paragens que existiram), e ainda um relvado a atirar para o pelado digno dos distritais (imaginem se estivesse a chover).

No entanto, nada disso apaga aquilo que não conseguimos fazer em campo. Os fatores mencionados acima são detalhes face ao principal da história do jogo de ontem: se o Sporting perdeu em Tondela, deve-o a si próprio em primeiro lugar

Pela forma como se desenrolou, ficou evidente que o jogo começou a ser perdido na convocatória. A não ser que já se tenha percebido que Luiz Phellype é um erro de casting, certamente que o brasileiro dificilmente não teria feito pior figura que Diaby (aquele gesto técnico no cabeceamento na cara de Cláudio Ramos demonstra bem que não é ponta-de-lança) e Montero (compreensivelmente sem ritmo). A explicação dada por Keizer ("não é de uma semana para outra que se passa de um clube da II Liga para o Sporting") não é mentira, mas a confiança dada ontem a Diaby e Montero foi um erro de avaliação que pode ter custado pontos. Acabaram também por ser decisivos os primeiros minutos da partida, que estiveram na linha dos jogos anteriores: o adversário voltou a entrar mais forte mas desta vez marcou mesmo, num lance em que Bruno Gaspar e Mathieu ficaram muito mal na fotografia. Mathieu, que mais tarde também ficaria a dormir enquanto Tomané se desmarcava para fazer aquele que, provavelmente, será o golo da sua vida (outra daquelas coisas que acontece tanto nos nossos jogos).

Mas mesmo tendo sido mal preparado o jogo, não é admissível que a equipa, tendo 85 minutos pela frente, se tenha mostrado tão intranquila e tenha feito uma exibição tão pouco esclarecida, ainda mais tendo estado cerca de meia hora em superioridade numérica. E ainda mais num jogo que antecede um clássico que nos poderia relançar na corrida pelo título.

Ganhar ao Porto continua a ser uma obrigatoriedade, mas é um obrigatoriedade que já nada tem a ver com a liderança no campeonato. Com esta derrota, com este atraso de 8 pontos, com um plantel tão curto de soluções e tão carente de qualidade em determinadas posições, não vale a pena estarmos a pensar nisso.

11 comentários:

  1. Voltamos ao discurso miserabilista em que as derrotas são normais e as vitórias motivo para felicidade extrema, quando deveria ser habitual o Sporting ganhar... Mas continuem a por a cabeça dentro de água e autoflagelem se com o slogan " A culpa é do Bruno". Quanto as arbitragens mas qual é o espanto e novidade? Alguém da direção se queixa? Onde anda o Fivelas? Debaixo da mesa ou fechado num gabinete?

    ResponderEliminar
  2. Nani,Bruno Fernandes,Mathieu,Coates etc etc não me venham falar em plantel carente,quem anda carente são os adeptos porque os jogadores têm qualidade mas não se empenham.
    Mas tudo bem,no final corremos com o Presidente e batemos palmas aos meninos.
    Há que agir com elevação e educação.
    Apenas acho que o símbolo do clube devia de passar de Leão para uma Preguiça,afinal de contas,o rei da selva merece melhor..
    E para o ano está o JJ de volta,o Keizer sabe que está a prazo e apenas quer produzir bom futebol para arranjar clube no final da época na Europa.
    SL

    ResponderEliminar
  3. Mestre, se não estou em erro, nunca nos tempos do BdC por esta altura andávamos tão mal classificados.

    ResponderEliminar
  4. E nem uma palavrinha para a falta de Jovane na convocatória e a falta que fez ontem? E também para um banco que apenas contava com um avançado, que por acaso vinha de uma paragem?

    ResponderEliminar
  5. É este o Novo Sporting dos neo-exigentes e suas pantominas?

    Profecias Leoninas, o blog que tu, situacionista(s), abominas!

    https://profeciasleoninas.blogspot.com/2019/01/o-frio-tom-dela.html

    ResponderEliminar
  6. Jaquité foi expulso ao minuto 49, logo foram mais de 40 minutos (44!) a jogar em superioridade numérica, a verdade é que conseguiram sofrer um golo e só de seguida reduziram.
    Concordo com o resto, menos com as desculpas com o plantel curto e a falta de soluções, isso só revela a pequenez dos actuais dirigentes e das suas intenções, além de se perceber quais são de facto as suas reais ambições: encher o bolso deles enquanto para o Clube ficam as más gestões, e ainda têm a lata de vir pedinchar tostões.

    ResponderEliminar
  7. Ouve-se tantas coisas!..

    Se houve alguma coisa "sem", foi sem frescura (o mesmo com o Guimarães, dizem-me os jogos a seguir a 2 jogos em 3/4 dias, e eu digo qual é os jogos onde o Sporting tem mais riscos de perder... JÁ FOI ASSIM O ANO PASSADO!), "frescura" q impacta mais a cabeça e o descernirmento, o que impacta bastante a capacidade de marcar muitos golos...

    Aquilo de entrar como "locomotivas a vapor", lento lento, JÁ VIMOS ESTE FILME ANTES MONTANHAS DE VEZES O ANO PASSADO E OUTROS ANTES... isso é os jogadores a dizerem q estão quase de rastos, e se entrarem rápido rápido, chegam ao intervalo mortos, e eles não querem fazer essas figuras ridículas...

    É PRECISO UM TREINADOR QUE QUEIRA E SAIBA RODAR, não é uma questão técnica, onde o Sporting é de longe o melhor, nem uma questão táctica, pois agora o Sporting até joga muito melhor ao ataque do que em qualquer ano com Jasus, é uma questão de "dimensão fisica", onde por exemplo o Sporting está a MILHAS duma equipa como o Porto.

    E não é caso único na equipa A... SUPERIORIDADE TÉCNICA É GRITANTE... mas nos sub-23 por exemplo, no jogo com o Portimonense, logo pouco depois do começo da 2ª parte, deu-se um "apagão geral", e a sorte é que o Portimonense parecia uma equipa de zarolhos com botas calçadas ao contrário... mas é confrangedor ver o Sporting lento, parado à espera da bola, papado constantemente em corridas etc... acabou por marcar o 3º golo, através dum gajo FRESCO, ENTRADO À POUCO TEMPO (DIZ ALGUMA COISA?).

    ESTA "CULTURA" TEM DE ACABAR DE VEZ... ponham o Fernando Fernandes das artes marciais a fazer a preparação física, jogadores do Sporting têm de ser SUPERATLETAS, ATLETAS DE COMBATE (e isto com todos os detalhes, controlo de peso, suplementos alimentares etc de quem se vai preparar para um embate de Campeão Europeu de kick-box... e isto jogo a jogo, COLOCAR OS MAIS BEM PREPARADOS)...

    ResponderEliminar
  8. Acrescento apenas que na saída de Nani, Keizer esteve também mal. Era dos poucos mais esclarecidos e povoar a área de cabeceadores retirando um dos melhores municiadores faz pouco sentido.

    Gosto da filosofia atacante de Keizer, mas tem de haver mais do que isso. Não ter convocado o Luiz Phellype (este nome só vai lá com copy-paste) é indefensável, até porque não é fácil acreditar que o Keizer acha que nesta altura os centrais do Sporting fazem melhor de ponta de lança do que o brasileiro. E não me falem em erro de casting, porque o que nos estão a vender (e eu tenho acreditado) é que estão a dar uma importância grande ao scouting de forma a que façamos baixar radicalmente a taxa de entulho contratado anualmente para a equipa principal.

    Também já não acredito no título, mas quero acreditar que nos vamos manter na luta pelo segundo. É uma luta deprimente, mas tem de ser ganha. Continue é a fazer-se a arrumação da casa, para que não tenhamos de ver jogadores como Diaby, Gudelj ou Bruno Gaspar como titulares indiscutíveis.

    E sim, o amarelo ao Acuña tresanda a serviço prestado.

    ResponderEliminar
  9. Precisamos Lateral direito , esquerdo e 6 Urgente. A abordagem do Gaspar no primeiro golo é de chorar. Também Ristovski e Acuna não sabem se posicionar nos centros pra área por exemplo e Acuna não se sente bem aí. Ontem por exemplo teria sido bom vê lo a extremo onde seria menos provável o amarelo, teria dado luta e ter permanecido na faixa, coisa que Nani não consegue. Faltava o Luiz Phelipe obviamente independentemente do que ele fizesse. Como o MC acredito no Keiser mas precisamos de nos livrar de alguns jogadores , contratar para estas 3 posições e fazer perceber ao Keiser o anti jogo e a quebra de ritmo implícita aos árbitros portugueses.
    Espero que tenha ontem tirado muitas ilacoes. Espero também não ver Gaspar muitos mais minutos com a verde e branca. O porreirismo com os jogadores é bom, mas é preciso saber as limitações dos mesmos.

    ResponderEliminar
  10. O nosso treinador é um mágico ou um grande burro. Ou então, tal como diz Eurico, jogador campeão dos 3 grandes, os jogadores do sporting "só jogam quando lhes apetece". Então, Bruno de Carvalho foi o único dirigente que pôs o dedo na ferida, mas a maioria dos votos dos sócios votantes, acharam por bem correr com o homem. EXIGÈNCIA, DISCIPLINA E ORGANIZAÇÃO SÃO TUDO!

    ResponderEliminar
  11. Sem post relativo aos casos do lampiões?Quem te viu e quem te vê...

    ResponderEliminar