sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

O Silas é que a sabe toda

Não tinha percebido bem o sentido das palavras de Silas no lançamento do jogo de ontem quando disse que "Keizer está a aproveitar o trabalho de Peseiro", mas a verdade é que acabaram por ter o seu quê de proféticas. De certa forma, o Sporting que defrontou o Belenenses foi o menos Keizeriano e o mais Peseiriano desde que o holandês assumiu o cargo, pois durante a maior parte do tempo foi uma equipa divorciada da baliza, previsível nas suas intenções, lenta e trapalhona na execução.

Isso sentia-se dentro das quatro linhas e também na bancada: quando o Sporting foi para o intervalo a perder com o Nacional, notava-se que os adeptos nas bancadas confiavam que seria apenas uma questão de tempo até a reviravolta se concretizar; ontem havia incerteza no ar, fruto da incapacidade que a equipa revelava para criar situações de golo e também do mérito de um adversário muito personalizado que sabia exatamente o que fazer em campo para contrariar os pontos fortes leoninos.



3 pontos - havendo a possibilidade de recuperar o segundo lugar e sendo imperioso não deixar afastar mais o líder, era imperativo que o Sporting vencesse a partida, fosse lá como fosse. Não foi bonito, mas o essencial foi alcançado.

O regresso de Wendel - a antecipação da sua recuperação em relação à previsão inicial foi uma excelente notícia e Keizer não hesitou em entregar-lhe a titularidade. Wendel correspondeu e foi, a par de Nani, o elemento mais dinâmico do meio-campo. Muito bem na procura do espaço para receber a bola, decide e executa rapidamente com a bola nos pés. Faz parecer simples aquilo que, na realidade, não está ao alcance de muitos. Acabou por ser substituído a vinte minutos do fim numa altura em que estava mais desaparecido do jogo.

Pela positiva - Nani fez uma boa primeira parte, caindo de rendimento na segunda. Petrovic voltou a entrar muito bem, bem defensivamente e muito confiante com a bola nos pés. Acuña, apesar de raramente ter procurado a linha de fundo e de ter tido pouco acerto nos cruzamentos que tentou, compensou com a habitual intensidade e concentração defensiva. Mathieu foi mais uma vez Mathieu.

Os golos - a classe da jogada que envolveu oito jogadores no golo de Bruno Gaspar mereceu a felicidade do toque de Sasso que desviou a bola para o ângulo certo. O golo de Miguel Luís foi o melhor momento da partida - um remate espontâneo, forte e colocado, que surpreendeu Muriel e fez lembrar o ausente Bruno Fernandes. 



A exibição - foi a exibição caseira mais frouxa desde que Keizer pegou na equipa, muito afastada da filosofia que Keizer tem tentado implementar: sentido de jogo muito mais basculante do que vertical, ritmo imposto mais lento do que tem sido habitual, incapacidade de chegar à área adversária e pouquíssimas oportunidades de golo. Em certa medida, a fazer lembrar o pior do Sporting de Jesus na segunda metade da época passada. Há que dar mérito a Silas e aos seus jogadores, que chegaram a Alvalade como segunda defesa menos batida do campeonato, e demonstraram ser uma equipa muito organizada e que raras vezes se desequilibrou. Por outro lado, parece-me que o nervo e o talento de Bruno Fernandes fez muita falta, o que é preocupante - não podemos estar tão dependentes da inspiração de um jogador.

Apesar de decisivos... - Diaby e Gudelj assistiram Bruno Gaspar e Miguel Luís nos dois golos que valeram a vitória, mas o rendimento destes jogadores, de uma forma geral, ficou abaixo das exigências. Gudelj e Miguel Luís raramente conseguiram ligar o jogo com Nani e Wendel, e tiveram pouco acerto nos passes. Diaby fez um jogo pavoroso. Parecia estar numa peladinha de solteiros contra casados, alheando-se do que se passava no seu flanco quando o lateral do Belenenses subia, deixando frequentemente Bruno Gaspar em desvantagem numérica, e com bola teve várias decisões incompreensíveis - uma das quais comprometeu uma excelente ocasião de golo na primeira parte. Devia ter sido substituído quinze minutos antes. Quanto a Bruno Gaspar, teve mais um jogo pouco conseguido e continua a não convencer.

Desconcentração defensiva - no caso do golo do Belenenses, podemos falar mesmo em desleixo: Coates e Gudelj desistiram de acompanhar os dois jogadores do Belenenses que seguiam em velocidade pelo centro do terreno, deixando Mathieu e Acuña numa situação de desvantagem numérica de 2x3. Renan esteve muito mal no controlo da profundidade, decidindo ficar na área em duas situações perigosas que poderia ter anulado com facilidade caso se corresse na direção da bola.

Os assobiadores profissionais - não consigo conceber por que razão há pessoas que vão ao estádio para assobiar a equipa ao fim de... quatro minutos. QUATRO MINUTOS. Assobiam a equipa porque o adversário entra melhor no jogo. Assobiam Renan porque este tenta encontrar um colega a quem passar em vez de despejar para a frente. Assobiam Nani porque contemporiza à espera de opções de passe. Assobiam Nani quando tenta jogadas individuais. Um bocadinho mais de paciência não faria mal a ninguém.



Nota artística - 2

MVP - Wendel

Arbitragem - João Capela teve um jogo fácil de apitar, mas conseguiu complicar o seu trabalho com más decisões no julgamento de várias faltas a meio-campo e tendo um critério disciplinar incoerente na exibição de amarelos, principalmente nos quinze minutos finais.



Três pontos preciosos que nos permitem regressar ao segundo lugar e manter o Porto à vista. É imperioso vencer o Tondela na próxima segunda-feira para depois termos a primeira final da época na receção ao Porto no fecho da 1ª volta.

15 comentários:

  1. Vencemos mas voltámos a jogar pouco em boa parte do jogo.
    Notou-se no entanto o esforço de toda a equipa em tentar dar o seu melhor e pelo menos entrega não faltou.
    Ter um meio campo com Gudelj e Miguel Luís pouco ou nada ajuda a que as coisas corram bem e nem consigo entender como é que o último é escolhido para man of the match...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada vez parece mais clara a necessidade de um 6 puro que não se atrapalhe a jogar ao 1º e 2º toque.

      Eliminar
  2. A exibição foi pior não só pelo Bruno Fernandes estar de fora mas também porque tanto Nani como Wendel como Raphinha ainda não estão a 100%. Todos estes jogadores, para mim, são titulares indiscutíveis e fazem muita falta à equipa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é verdade, Mike. Ainda não vimos esta equipa com o melhor onze e com a maior parte dos elementos com o ritmo competitivo necessário.

      Eliminar
  3. Esta vitória é mais importante do que parece.. O Belenenses é uma equipa muito bem montada e criou estas dificuldades ao Sporting de forma esperada.
    Depois contámos com 2 jogadores que vêm de lesão e que não trazem o ritmo certo, mas que são claramente dois titulares indiscutíveis.
    Sem lesões o plantel fica logo muito mais equilibrado - principalmente no miolo.
    Gostava de ver mais vezes o Ristovki a jogar. O Bruno Gaspar tem muita alma mas defende mal, culpa também do Diaby que nunca fecha o flanco.
    Em relação ao BF qualquer equipa sente a falta de um jogador como ele, mas ontem não jogámos contra uma equipa qualquer - É começar a dar minutos também ao Geraldes que é um desbloqueador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Diaby fez um jogo terrível ao nível defensivo. Fez a 2ª parte mesmo à minha frente, e ficava parado a ver o flanco esquerdo do Belenenses a progredir. Tinha de ser o Gudelj ou o Petrovic a fechar já em cima da área.

      Eliminar
  4. Entramos como sempre desde q kaiser assumiu o comando..... A dormir!
    Gudelj nunca poderá ser o 6 ainda para mais a jogar com equipas q pratiquem bom futebol e queiram atacar.
    É urgente a chegada de um 6 pois sem ele nunca vamos conseguir lutar por qualquer título qnd se apanhar uma equipa do mesmo nível vamos perder na certa.
    Urgente tmb um central rápido neste tipo de jogo que praticamos..... Nem quero imaginar o q farão Soares e marega à nossa defesa!!!!!
    Sem o maestro bruno Fernandes o Sporting perde muito tal como o Porto sem brahimi e todas as equipas sem os mais influentes.
    Miguel Luís é certinho no passe mas oferece pouco ao jogo, excelente Wendel tal como tinha estado antes da lesão.
    Não entendo o pk de não apostar em petrovic tirando gudelj.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste momento também colocaria o Petrovic a titular. E era importante que essa posição fosse bem reforçada.

      Eliminar
  5. Ontem, as coisas não saíram bem, é verdade. Parecia que estavam presos de movimentos ou que não tinham feito o aquecimento. No entanto, havia vontade de ganhar o jogo e sabiam o que deviam fazer para o conseguir. Isso é TODA a diferença em relação ao P0, em que ninguém sabia muito bem o que fazer, ou até em relação ao Mestre da Táctica, em que só se podia jogar seguindo as ordens do joystick do Cérbero.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando digo que foi a exibição mais Peseriana, é no sentido de aproximação. O pior de Keizer fica léguas cima do Peseirismo tradicional. :)

      Eliminar
  6. Sem Bruno Fernandes e com Wendel a voltar esperava-se a dificuldade que se encontrou. Menos Keiser e mais silas? Normal Silas tem uma equipa excelente muito bem trabalhada não tivesse desmontado os 5 defesas e talvez n levássemos os 5 pontos, muito aliado à falta de meio campo que o sporting tem sem B.Fernandes que claramente é um playmaker não é por nada que com Keiser Bruno tem influencia em quase todos os jogos com golos ou assistências. Wendel tb faz esse trabalho mas sem ritmo não fica tão fácil!

    Os haters will always hate, há pessoas que ainda não mudaram o chip e descarregam em quem menos tem a ver com isso - a equipa. Aziados pela queda do Bruno de Carvalho e pelo o inesperado bom inicio de Varandas agora descarregam na equipa. Mas pronto algum dia eles hão-de regressar ao Sporting ou afastarem-se de vez.

    Esqueceste-te de meter aí o mais um cartão ao Acunha desnecessário, torna-se ridiculo a quantidade de cartões amarelos que ele leva sem cometer faltas.

    E discordando de Silas, apesar de o respeitar a ele como quase todos os treinadores que o ex-Belenenses contratou nas ultimas épocas, a única coisa que Keiser aproveitou de Peseiro foi como não jogar futebol e que o Renan defende imenso. Fora isso até agora não vejo nada das coisas positivas do Peseiro no Sporting nem nada das coisas negativas.
    (Sim também se arranja coisas positivas no Peseiro)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É evidente que a frase do Silas não tem qualquer razão de ser (o título deste post é uma ironia sobre o assunto). As ideias do Peseiro ainda influenciam o trabalho de Keizer apenas no seguinte: Keizer tem de trabalhar com o plantel que Peseiro escolheu para as suas ideias (sem já elas qual forem) e está condicionado por isso.

      Eliminar
  7. Foi o que estive a pensar durante o jogo todo:
    "...o Bruno Fernandes fez muita falta, o que é preocupante - não podemos estar tão dependentes da inspiração de um jogador."

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o craque desta equipa. É normal que a equipa se ressinta alguma coisa, mas não pode ser tanto...

      Eliminar
  8. Acuña está sempre à beira de levar cartões, alguém que ponha mão nele.
    Petrovic está a surpreender e muito, mas faz as faltas mais estúpidas do Mundo.

    De resto é com jogos destes que se vai longe. Para homens de barba rija. :)

    ResponderEliminar