sábado, 24 de junho de 2017

Apito Abençoado: passámos de tráfico de influências para corrupção

O Expresso revela hoje novos dados a partir de emails do Benfica que, até agora, ainda não eram conhecidos. Aparentemente, o Benfica ofereceu bilhetes a cinco elementos do Conselho de Disciplina, a Nuno Cabral, a dois árbitros assistentes e a Emídio Fidalgo, "responsável pela nomeação dos delegados na Liga e decisivo nos pareceres que emitiu."


Se no caso de Nuno Cabral, já se conheciam indícios fortes de tráfico de influências - um delegado da Liga que, para concretizar o desejo de ser o "menino bonito" do Benfica, usou o seu cargo de forma indevida em benefício do Benfica -, mas agora, com a oferta de bilhetes, começamos a entrar no domínio da corrupção.

Curiosamente, dois dos cinco dos bilhetes dados a Nuno Cabral destinavam-se a árbitros assistentes. Fico com uma dúvida: Nuno Cabral acompanhava os árbitros assistentes na qualidade de amigo, ou na qualidade de menino bonito do Benfica?

No caso de Emídio Fidalgo, o uso de aspas é também elucidativo: foi decisivo em pareceres que, pode assumir-se, agradaram ao Benfica. Também se pode concluir que a oferta dos bilhetes foi consequência desses pareceres. Isto também pode indiciar corrupção.

Já li o artigo que o Expresso fez. Está dividido em duas partes. Na primeira parte, dividem-se e organizam-se os emails em três ocasiões em que foram oferecidos bilhetes: para o Benfica - Juventus, para o Benfica - Nacional, e para o Benfica - Sevilha. Na segunda, estão as perguntas que o Expresso colocou a vários dos intervenientes sobre as três histórias que estão descritas na primeira parte: Paulo Gonçalves, Luís Filipe Vieira, Ferreira Nunes, Emídio Fidalgo, Nuno Cabral e Andreia Couto. Aqueles que responderam (como Paulo Gonçalves e Vieira), defenderam-se na normalidade da prática destas ofertas. Mas não se iludam: a primeira parte do artigo do Expresso mostra claramente as motivações do Benfica em algumas das ofertas que fez. As citações dos emails são elucidativas. Muito elucidativas.

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Sobre a falta de comparência do Benfica na Taça de Portugal em hóquei

Têm toda a razão em se sentirem indignados. Foi um fartar vilanagem a época inteira, começando por aquele lance contra o Sporting, na 1ª volta, em que o Nicolia foi barbaramente atacado.



Notícia CM



Correio da Manhã, dia 21 de junho de 2017: Fábio Coentrão passou nos exames médicos! 


Correio da Manhã, dia 22 de junho: Fábio Coentrão não passou nos exames médicos!



Prevejo em breve uma nova notícia, mais ou menos nestes termos: conforme o CM noticiou, concretizou-se/falhou (riscar o que não interessa) a contratação de Fábio Coentrão pelo Sporting. Assim não é difícil...

(obrigado, Eduardo!)

quinta-feira, 22 de junho de 2017

SMS & Fruta






Em exibição num cinema perto de si

Considerando a ausência de reações dos responsáveis benfiquistas, considerando a entrevista à RTP que Vieira cancelou - supostamente problemas de agenda - quando o Apito Abençoado rebentou (e ainda não teve disponibilidade para falar entretanto), considerando tudo aquilo que não tem sido dito e explicado por uma máquina de propaganda tão rápida e barulhenta quando o assunto lhe interessa...

... até parece que está em exibição um spinoff de um dos filmes mais célebres das últimas décadas.

(obrigado, @MindoSCP)






Apito Abençoado: Fruta vermelha e acesso aos SMS de Fernando Gomes

O programa Universo Porto de Bancada voltou a não desiludir e divulgou, na edição de ontem, mais mails trocados entre colaboradores/responsáveis benfiquistas e funcionários da Liga.

As revelações têm de ser separadas em três blocos distintos.

O primeiro email foi enviado em 2014 por Carlos Deus Pereira, que à data era o Presidente da Mesa de Assembleia Geral da Liga em exercício, para Pedro Guerra, contendo um conjunto de SMS de Fernando Gomes, atual presidente da FPF.


Ou seja, o Benfica fez, através de alguém que deveria manter-se neutral perante todos os clubes, espionagem das mensagens privadas de Fernando Gomes. Isto é gravíssimo, a vários títulos.

Sobre Carlos Deus Pereira, podem ler mais aqui: LINK.

O segundo bloco de emails é uma troca de emails entre pessoas ligadas ao Benfica, sobre como fazer pressão sobre o CD para interditar o Dragão e a Pedreira (onde o Benfica iria ainda jogar).


Este, a meu ver, é o menos grave dos três. São tomadas de posição estratégica para atingir determinados fins. Não faço a mesma interpretação que Francisco J. Marques fez, ou seja, que houve tentativa de pressão sobre o CD - pressão, sim, mas num sentido que não me parece ilegal.

Finalmente, a situação mais grave de todas:


O que se pode depreender do que foi lido é que o Benfica controla a vida íntima paralela dos árbitros. Saber que árbitros têm amantes, e que amantes são essas - com fotografias. Isso é equivalente a dizer que o Benfica tem o poder de coagir as pessoas em causa a fazerem aquilo que o clube precisa. Não existe melhor material para chantagem.

E a frase "200€ o tempo que quiseres, se for a 3 é 400€" leva a crer que estamos perante a existência de fruta vermelha.

É caso para se perguntar a Luís Filipe Vieira: ninguém se corrompe por 300€, mas será que 400€ de fruta vermelha já é suficiente?

Espero que isto seja revelado, doa a quem doer. No limite, poderemos estar a entrar no domínio da corrupção.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Dia do Pavilhão


Finalmente, chegou o dia em que se torna realidade aquilo que, durante demasiado tempo, foi um sonho adiado de muitos sportinguistas: será inaugurado o Pavilhão João Rocha.

Depois da corajosa medida de canalizar a totalidade das quotizações para as modalidades numa altura em que as dificuldades financeiras da SAD eram imensas, depois da recuperação de várias modalidades e do aumento de competitividade das que ainda existiam - que tiveram como consequência a conquista de vários títulos que há muito nos fugiam, como o Europeu de Atletismo por equipas, a Taça CERS, o campeonato de andebol e a Taça Challenge -, a construção do pavilhão é a última grande etapa do regresso em pleno a um dos grandes desígnios do clube: o ecletismo. Desígnio, esse, que sucessivas direções optaram por ignorar.

O grande obreiro desta recuperação é, obviamente, o presidente Bruno de Carvalho. Para além da já referida medida de atribuição das receitas das quotizações para as modalidades, convém relembrar que utilizou o dinheiro da sua primeira grande venda no futebol para a construção do pavilhão. Podem apontar-lhe vários defeitos, mas a visão que Bruno de Carvalho tem para o clube - que é a visão dos seus fundadores - foi a força motriz que nos permitirá, mais logo, testemunhar este dia tão importante para o Sporting Clube de Portugal.

Ah, e uma última nota: o pavilhão é LINDO.



terça-feira, 20 de junho de 2017

Até lhe dá os calores...

Não sei como é que isto passou despercebido... se fosse comigo, também me dava os calores...









O Benfica e a reabertura do Apito Dourado: cuidado com o que desejam

Na passada sexta-feira, o Benfica anunciou, através do seu diretor de comunicação, que iria solicitar a reabertura do processo Apito Dourado. Enquanto sportinguista, não vejo qualquer inconveniente nesse desejo, apesar de me parecer - dentro dos meus parcos conhecimentos de direito - que se trata de uma intenção que não tem pernas para andar.

O Apito Dourado foi um dos maiores - se não o maior - escândalos da história do futebol português, e não teve um desfecho apropriado: uma tecnicalidade tornou inúteis as escutas, que eram as provas mais importantes do processo. A justiça desportiva acabou por ir por arrasto da justiça criminal, anulando a pena inicialmente determinada de perda de 6 pontos - absolutamente ridícula para a gravidade dos atos praticados pelo Porto.

No entanto, tenho visto vários portistas a alegar algo que também tem a sua razão de ser: Pinto da Costa, Valentim Loureiro, Pinto de Sousa não foram os únicos a aparecerem nas escutas. Também Vieira foi apanhado, em conversa com Valentim Loureiro, a escolher o árbitro para a meia-final da Taça de Portugal de 2003/04:


Luís Filipe Vieira deu o aval a João "pode ser" Ferreira, e o ex-árbitro da AF Porto foi mesmo nomeado. O Benfica venceria o Belenenses por 3-1, qualificando-se para a final, onde defrontaria o Porto.

O curioso é que, numa entrevista realizada na SIC alguns anos mais tarde, Vieira tomou a iniciativa de contar, pela primeira vez, a história da tal escuta em que se viu envolvido... mas enganou-se no jogo. Vieira meteu a pata na poça e fala de um outro caso, desconhecido até então do grande público, em que fez pressão para alterar uma nomeação:


Vieira ameaçou não comparecer ao jogo se o árbitro nomeado fosse Martins dos Santos. Um receio que se compreende, devido às óbvias ligações que o árbitro tinha com o Porto, mas a ameaça não deixa de ser uma pressão óbvia que acabou por surtir o efeito pretendido, pois o juíz escolhido para dirigir essa final da taça - presume-se que com a benção do agora primeiro-ministro - acabou por ser outro: Lucílio Baptista.


Lucílio Baptista, o tal que não tem nenhuma proximidade ao Benfica, segundo alguns comentadores encartados.


De qualquer forma, voltando ao princípio: será que o Benfica terá realmente interesse em que o processo Apito Dourado seja reaberto? Considerando que entre as meias-finais e a final não decorreram mais de dois meses, e que o presidente benfiquista disse que houve "mais do que um" telefonema, é bem possível que as escutas dessas conversas também existam.

Por mim, força nisso. Investigue-se tudo de novo, ou, na pior das hipóteses, que venha tudo cá para fora...

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Manual para adeptos perplexos


Texto de José Diogo Quintela para o CM: LINK. Vale a pena ler.



Caros adeptos de futebol, permitam que apresente as minhas credenciais. Em 2010, no auge do Apito Dourado, escrevia semanalmente n’A Bola. Na altura, já eram conhecidas as transcrições das escutas, mas ouvi-las foi uma revelação. No fundo, é como os nossos pais a fazerem amor: imaginar é desagradável, mas surpreendê-los em acção é chocante. (Nesta metáfora, Pinto da Costa é o meu pai e António Araújo a minha mãe).

É a vasta experiência enquanto hermeneuta de trapaças, adquirida ao longo do Apito Dourado, que coloco ao serviço do adepto incauto, que não sabe como reagir às recentes revelações. 

Dirijo-me, em primeiro lugar, aos benfiquistas. Embora fazer batota seja como andar de bicicleta, estes primeiros tempos depois de descobrir o que o clube anda a fazer, são confusos. Outorgo, por isso, uma série de argumentos que os ajudarão a lidar com os mails. Recolhi-os junto dos melhores retóricos da corrupção, os portistas do início do séc. XXI. Eram brilhantes, uma espécie de sofistas no séc. V a.C., se os sofistas oferecessem prostitutas a cidadãos atenienses. 

i) Prova da Delicadeza – ‘Os árbitros não são pessoas? Se os picarmos, não sangram? Tratar bem pessoas, é mau?’ Ainda faz o adversário passar por mal-educado; 

ii) Tese do Preço Certo – ‘Quem se corrompe por um jantar?’ Impossível de rebater, especialmente depois das refeições, quando a comida já não tem interesse; 

iii) Proposição ‘Ó da guarda!’ – O joker. Usa-se e acaba a discussão. ‘Os mails foram obtidos ilegalmente, logo, nem se discute o conteúdo’. Para efeito dramático, o benfiquista deve levantar-se e abandonar a conversa; 

iv) Asserção do Costume – ‘Há marosca, mas é praticada por todos. Sucede que o Benfica a pratica à Benfica, com elevada qualidade’. Achincalha duplamente o adversário: não só também é corrupto, como é um corrupto pior; 

v) Teoria do Inter-Rail – ‘Uma equipa que vai tão longe na Europa, precisa de ajuda contra o Tondela?’ Por vezes conjugada com o Postulado do Cliente, em que se afirma a superioridade do plantel pela quantidade de jogadores vendidos a grandes clubes europeus. Há só que acautelar a contraprova ‘O Marselha foi campeão europeu em 93 porque, no Domingo antes da final, subornou jogadores do modesto Valenciennes, para poder descansar os seus’. 

Se os benfiquistas usarem estas falácias e não pensarem mais nisso, podem ficar de consciência tranquila. Aos adeptos do Porto, o meu único conselho é estarem calados. Cada vez que falam, põem em causa as suas próprias conquistas aldrabonas. Trocam os 4 títulos do Benfica pelos 20 que alcançaram com a mesma batotice? Então, aguentem-se. Reajam. Arranjem melhor fruta. 

Por último, dirijo-me aos sportinguistas. A vós, caros consócios, não tenho nada a dizer. Sobre estes temas já sabemos tudo. Sobretudo, para Benfica e Porto, sabemos a pato.